Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

O avanço do Banco Inter

O avanço do Banco Inter

Primeiro banco 100% digital a abrir capital na B3, o Banco Inter passou de uma base de pouco mais de 200 mil clientes no primeiro semestre de 2017 para 741 mil contas no primeiro semestre deste ano. E, com ativos totais de R$ 4,6 bilhões e dinheiro em caixa para fazer aquisições, a instituição financeira pode entrar no mercado de meios de pagamentos. “Pode ser complementar ao nosso negócio”, diz João Vitor Menin, CEO do banco. Em entrevista ao programa MOEDA FORTE na TV Dinheiro, ele fala sobre a estratégia do banco, o vazamento de dados de alguns clientes e os próximos passos. Leia a seguir alguns trechos da entrevista que vai ao ar no site da DINHEIRO a partir da segunda-feira 20 de agosto.

No ano passado, o Banco Inter tinha 200 mil clientes e hoje conta com 700 mil clientes. Qual é a explicação para esse crescimento?
Acho que, se pensarmos um pouco, chegamos na concentração bancária. Os brasileiros estavam ávidos por uma experiência bancária diferente. E o Banco Inter tem provido isso. A facilidade de usar, a gratuidade da conta e a plataforma completa. Você paga as suas contas, faz seguro do carro, um empréstimo, investe seu dinheiro… Então, quando você junta a facilidade de abrir uma conta do sofá da sua casa, com a gratuidade, combinada com a experiência completa de um banco, o produto fica muito interessante para essas pessoas físicas que estavam querendo mudar. Esse é o grande motivo.

Mas e quando as pessoas querem falar com um gerente, com uma pessoa do banco, não faz falta ter uma agência física?
Costumo dizer o seguinte, o Banco Inter não é um banco virtual, é um banco digital. E a diferença é gigantesca. Hoje, temos 1,1 mil funcionários e, grande parte deles, está lá para servir os clientes. Temos atendimento via chat, via telefone e, especificamente no cliente de alta renda, temos o atendimento presencial. O banco digital não parte do pressuposto de não ter interação humana, é de ter uma interação humana, mais rápida e melhor.

Depois de tantos anos debaixo do guarda-chuva da MRV, por que o Banco Inter resolveu abrir o capital?
O Banco Inter estava passando por um crescimento muito forte no primeiro semestre de 2017 e percebemos que precisávamos de recurso para ter sustentabilidade. E procuramos o mercado de capitais. Sinceramente, a ideia inicial era buscar um private equity. Mudamos de ideia porque percebemos o interesse do mercado no IPO de um banco digital.

Logo depois do IPO, houve um vazamento de dados dos clientes do banco. O que, de fato, aconteceu?
O Banco Inter não sofreu um ataque de hacker, não sofremos um ataque cibernético como foi noticiado na época. O que tivemos foi quebra do sigilo ético e profissional de uma pessoa ligada à instituição. Essa pessoa tinha acesso a alguns dados de uma parcela pequena de clientes (O Ministério Público afirma que mais de 19 mil pessoas tiveram seus dados expostos).

Mas houve uma falha interna…
Essa pessoa feriu o sigilo ético e não posso entrar em mais detalhes porque isso está na Justiça. O que posso garantir é que ninguém perdeu dinheiro e nenhuma conta foi invadida. Isso me deixa tranquilo.

E quais são os próximos passos?
Algumas empresas específicas podem ser complementares ao nosso negócio. Essa parte de meios de pagamentos é interessante para a gente uma vez que somos um banco de varejo. A parte de plataformas abertas de investimentos também nos interessa. Aí estão as possibilidades de aquisição para a gente.

(Nota publicada na Edição 1083 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Lugar de empresa é no parque

O Instituto Semeia, ONG criada pelo co-fundador da Natura, Pedro Passos, quer aproveitar a onda pró-privatizações do futuro governo [...]

Não é fácil ganhar R$ 120 milhões

O médico e empresário Adiel Fares, dono da rede de clinicas médicas que leva seu sobrenome, já está com o balanço financeiro de 2018 [...]

O ‘delay’ da crise

Pesquisa da Fundação Dom Cabral (FDC) pode ajudá-lo a entender a dinâmica da economia. Lívia Barakat, coordenadora do estudo [...]

Missão quase impossível

Um grupo formado por 70 empresas credoras do consórcio Sinopec/Galvão Engenharia acaba de ser constituído para tentar uma missão quase impossível: reaver cerca de R$ 120 milhões. O consórcio formado entre a chinesa Sinopec e a brasileira Galvão Engenharia era responsável pela construção da fábrica UFN 3 (unidade de fertilizantes nitrogenados), em Três Lagoas (MS). […]

Frase da semana

“Não há guinada à direita. O PSDB é um partido de centro. É importante para o Brasil ter um partido longe dos extremos. Um partido de [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.