O auxílio emergencial da Tigre

O auxílio emergencial da Tigre

Enquanto o governo dança miúdo para garantir a ajuda de R$ 600 a cidadãos de baixa renda, o Grupo Tigre, líder em canos e acessórios hidráulicos, cria seu próprio auxílio emergencial. Em parceria com a startup Fix, especializada em manutenção residencial, vai distribuiu vouchers de R$ 100 para ajudar aos usuários que precisem de serviços de reparos em casa. “O projeto foi criado para movimentar o setor de construção civil e manutenção residencial e, desta forma, gerar mais oportunidades de trabalho aos profissionais”, diz Otto von Sothen, presidente do Grupo Tigre. A campanha, chamada de “Construindo o Amanhã” e desenvolvida pela agência Fillet, também realizará lives de capacitação conduzidas pelos profissionais da empresa, dicas de conteúdos informativos nas redes sociais e prevê outras parcerias.

(Nota publicada na edição 1170 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km




Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.