O ânimo de Sam Zell com o Brasil

O ânimo de Sam Zell com o Brasil

O bilionário investidor americano Sam Zell (acima) continua apostando alto no Brasil. Em 2011, ele investiu numa empresa de self storage, ou guarda coisas, com três unidades.

Passados seis anos, a Guarde Aqui, companhia que conta com capital dos fundos Equity International, de Zell, e de outros como o Pátria e o Morgan Stanley Alternative Investment Partners, já anotou a marca de 15 unidades espalhadas por São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. E mais seis serão inauguradas até o fim do ano. Detalhe: o investimento em cada unidade é de R$ 30 milhões.

“Até o fim de 2020, teremos 50 unidades e o investimento total será de R$ 1 bilhão”, diz Alan Paiotti (ao lado), CEO da Guarde Aqui. De onde vem tanta animação? “Quando as empresas fecham, muitas guardam seus equipamentos. Quem trabalha com distribuição também usa os boxes para armazenar e as pessoas também precisam de espaço para guardar o que acumulam”, diz Paiotti.

(Nota publicada na Edição 1037 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.