Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

O alento das privatizações

O alento das privatizações

Se existe uma área que soube exibir resultados concretos e eloquentes no governo foi a da secretaria especial de Desestatização comandada pelo empresário Salim Mattar, dono da Localiza. Talvez dada a sua origem na iniciativa privada ele conseguiu, como poucos, empreender eficiência a missão que lhe foi entregue. Em meses, os resultados das privatizações já se mostraram promissores. Ágios consideráveis na venda de aeroportos, portos e ferrovias foram registrados, demonstrando o sucesso da empreitada e engordando a receita do Estado. A lista de desmobilizações do aparato estatal está apenas no seu início. Vem muito mais por aí.

Entrou recentemente no radar a privatização dos Correios, tido em outros tempos como uma joia da coroa em eficiência e que perdeu importância com o avanço das corporações privadas do setor. Politicamente, o negócio já conta com o aval do presidente Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes. Os estudos ainda são preliminares, mas as perspectivas, excelentes. Os Correios voltaram a registrar lucro após quatro anos no vermelho. Existem ainda resistências corporativas, o que é natural, e algumas ressalvas emitidas diretamente pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, a quem a empresa está subordinada. Pontes tenta evitar o que chama de “precipitação”. Defende maior reflexão antes do repasse, não apenas nesse caso como no da liquidação da fabricante de chips Ceitec.

A relutância ao plano de desestatização não vem apenas de Pontes. Nas pastas da Agricultura e de Minas e Energia também aparecem opositores ao movimento. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que estava na lista de privatizáveis, já foi colocada de lado. A Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), que caminhava à extinção, recebeu sinal verde para continuar a operar. Assim como a Empresa de Planejamento e Logística (EPL), que voltou a contratar. Mattar reclama da má vontade de certos setores do governo. Para ele, o conceito de liberalismo ainda está limitado a apenas algumas poucas cabeças, concentradas fundamentalmente no ministério da Economia.

A meta é vender o máximo de ativos e livrar o Estado do papel de gerenciador de empresas. Na sua avaliação, manifestada de público na semana passada, não existe nenhuma estatal eficiente, porque se é eficiente não precisa de monopólio. Pelas contas que lança para sustentar o argumento de venda lembra que existem atualmente no mundo cerca de US$ 1,5 trilhão em recursos para investimentos e o Brasil poderia atrair uma parte maior dessa dinheirama. O objetivo das privatizações neste ano é obter uma receita da ordem de US$ 20 bilhões. Do total, US$ 12,1 bilhões já foram levantados principalmente com as concessões elaboradas ainda no governo anterior. Tem muito mais pela frente.

(Nota publicada na Edição 1118 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Enquanto isso, na economia…

Estagnação, deflação, recessão. Chame-a de acordo com as características técnicas que quiser, o fato é que ela está voltando sobre os [...]

“À beira de um abismo fiscal”

Esteio do governo Bolsonaro na seara econômica, o superministro Paulo Guedes está sentindo na pele que há uma distância enorme entre o [...]

Não se iluda: Bolsonaro não é Trump

Comparar os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro, como costumam fazer seus áulicos seguidores, é uma bobagem imensa. Os dois só se [...]

As reinações de Cintra

O maior delírio tributário foi pensado e até anunciado na segunda-feira 29 justamente pela autoridade da área, o secretário da Receita [...]

Bateu a frustração

Não acontecia algo parecido desde 2016. É a primeira vez, de lá para cá, que a economia brasileira pode cravar um desempenho tão [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.