Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

O alento das privatizações

O alento das privatizações

Se existe uma área que soube exibir resultados concretos e eloquentes no governo foi a da secretaria especial de Desestatização comandada pelo empresário Salim Mattar, dono da Localiza. Talvez dada a sua origem na iniciativa privada ele conseguiu, como poucos, empreender eficiência a missão que lhe foi entregue. Em meses, os resultados das privatizações já se mostraram promissores. Ágios consideráveis na venda de aeroportos, portos e ferrovias foram registrados, demonstrando o sucesso da empreitada e engordando a receita do Estado. A lista de desmobilizações do aparato estatal está apenas no seu início. Vem muito mais por aí.

Entrou recentemente no radar a privatização dos Correios, tido em outros tempos como uma joia da coroa em eficiência e que perdeu importância com o avanço das corporações privadas do setor. Politicamente, o negócio já conta com o aval do presidente Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes. Os estudos ainda são preliminares, mas as perspectivas, excelentes. Os Correios voltaram a registrar lucro após quatro anos no vermelho. Existem ainda resistências corporativas, o que é natural, e algumas ressalvas emitidas diretamente pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, a quem a empresa está subordinada. Pontes tenta evitar o que chama de “precipitação”. Defende maior reflexão antes do repasse, não apenas nesse caso como no da liquidação da fabricante de chips Ceitec.

A relutância ao plano de desestatização não vem apenas de Pontes. Nas pastas da Agricultura e de Minas e Energia também aparecem opositores ao movimento. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que estava na lista de privatizáveis, já foi colocada de lado. A Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), que caminhava à extinção, recebeu sinal verde para continuar a operar. Assim como a Empresa de Planejamento e Logística (EPL), que voltou a contratar. Mattar reclama da má vontade de certos setores do governo. Para ele, o conceito de liberalismo ainda está limitado a apenas algumas poucas cabeças, concentradas fundamentalmente no ministério da Economia.

A meta é vender o máximo de ativos e livrar o Estado do papel de gerenciador de empresas. Na sua avaliação, manifestada de público na semana passada, não existe nenhuma estatal eficiente, porque se é eficiente não precisa de monopólio. Pelas contas que lança para sustentar o argumento de venda lembra que existem atualmente no mundo cerca de US$ 1,5 trilhão em recursos para investimentos e o Brasil poderia atrair uma parte maior dessa dinheirama. O objetivo das privatizações neste ano é obter uma receita da ordem de US$ 20 bilhões. Do total, US$ 12,1 bilhões já foram levantados principalmente com as concessões elaboradas ainda no governo anterior. Tem muito mais pela frente.

(Nota publicada na Edição 1118 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Os empresários e o imposto único

Se há uma unanimidade entre os empresários brasileiros sobre o que poderia destravar a economia é a reforma tributária. Seja qual for a [...]

A reforma possível

O projeto ainda em andamento no Congresso e que levará alguns meses até passar por todos os crivos para a aprovação final é [...]

E como ficam estados e municípios?

Não foi pouca coisa deixar de fora do projeto de reforma da Previdência os estados e municípios. Bem verdade que o Governo Federal não [...]

Hora de mudar o rumo

O Brasil está metido em uma encalacrada econômica não é de hoje. Foram anos de recessão renitente sob o tacape de Dilma Rousseff, de [...]

O gás que faltava

Após o lote de revezes econômicos e as más notícias em cascata, eis que a confirmação de uma extraordinária descoberta de poços de gás [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.