Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores

O ajuste possível

O ajuste possível

Enquanto a equipe política batalha para aprovar reformas estruturais, como a da Previdência, técnicos do Ministério da Fazenda, comandado por Henrique Meirelles, calculam ser possível concluir, ainda neste governo, um conjunto de avanços microeconômicos importantes para aumentar a produtividade do País. A previsão é que três itens têm grandes chances de passar no Congresso: a revisão dos distratos (quando um comprador de imóvel desiste da compra), a regulamentação complementar do Cadastro Positivo e a nova Lei de Falências. O texto deste último, com 20 páginas, está praticamente pronto, mas é considerado o mais complexo. Na avaliação de um técnico ouvido pela coluna, mesmo que não avancem neste ano, os três projetos conseguem sobreviver à tormenta política das eleições do ano que vem, diferentemente das grandes reformas.

(Nota publicada na Edição 1047 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone e Gabriel Baldocchi)


Mais posts

As empresas viajam

Não é novidade que a Flytour, uma das maiores empresas de turismo do Brasil, com faturamento de R$ 5,5 bilhões, cresceu 11% em 2017. [...]

A iGUi mergulha nos EUA

Aos poucos, a marca de piscinas iGUi, de Gravataí, no Rio Grande do Sul, vai ganhando o mundo. De suas 570 lojas, 170 estão espalhadas [...]

“O nome do jogo é informação”

Hilgo Gonçalves acaba de ser reeleito para comandar por mais dois anos a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento [...]

Um novo capítulo para o Citi

Desde que vendeu sua operação de varejo para o Itaú Unibanco por R$ 710 milhões, o Citi passou a trabalhar na transição de suas 71 [...]

Inteligência artificial, crescimento real

A inteligência artificial vem ganhando um espaço cada vez maior dentro das empresas e os resultados da Stefanini, uma das maiores [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.