Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

O ajuste possível

O ajuste possível

Enquanto a equipe política batalha para aprovar reformas estruturais, como a da Previdência, técnicos do Ministério da Fazenda, comandado por Henrique Meirelles, calculam ser possível concluir, ainda neste governo, um conjunto de avanços microeconômicos importantes para aumentar a produtividade do País. A previsão é que três itens têm grandes chances de passar no Congresso: a revisão dos distratos (quando um comprador de imóvel desiste da compra), a regulamentação complementar do Cadastro Positivo e a nova Lei de Falências. O texto deste último, com 20 páginas, está praticamente pronto, mas é considerado o mais complexo. Na avaliação de um técnico ouvido pela coluna, mesmo que não avancem neste ano, os três projetos conseguem sobreviver à tormenta política das eleições do ano que vem, diferentemente das grandes reformas.

(Nota publicada na Edição 1047 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone e Gabriel Baldocchi)


Mais posts

“O mercado de luxo nunca esteve tão forte”

Entrevista com Matthew Upchurch, CEO da Virtuoso

A recuperação da classe C

Juros mais baixos, queda no desemprego e diminuição do endividamento. Essa é a fórmula que fará as famílias de baixa renda voltarem a [...]

A receita do China In Box

Em tempos de concorrência acirrada e polpudos investimentos em fast food, como a recente compra da operação brasileira da Pizza Hut e [...]

Saúde sem susto

Se existem setores promissores no Brasil, um deles, com certeza, é o de saúde privada. A falência do sistema público de saúde e os [...]

Frase da semana

“Posso dizer quase com certeza que as moedas virtuais terão um fim ruim” Warren Buffett, megainvestidor americano (Nota publicada na [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.