Ciência

Covid em queda: já é possível baixar o nível de proteção?

Crédito: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Vacinação contra a Covid é a melhor maneira de reduzir a circulação do coronavírus (Crédito: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo)



Com apenas 39 mortes por Covid-19 registradas neste domingo (10), o Brasil tem média móvel de 149 óbitos nos últimos sete dias, a mais baixa desde 15 de janeiro deste ano, indica o consórcio de veículos de imprensa. Os estados e municípios já desobrigaram a população a usar máscaras de proteção e voltam a promover eventos públicos e aglomerações. Mas será que estamos realmente livres da pandemia?

Segundo a plataforma Our World in Data, 34,4% da população mundial ainda não recebeu sequer a primeira dose da vacina contra a Covid-19. A maioria desses países são africanos – o continente tem apenas 15% da população totalmente imunizada e 5% com a primeira dose.

+ Xangai afrouxa lockdown em algumas áreas apesar de recorde de infecções de Covid-19
+ Cobertura vacinal anticovid continua abaixo de 10% em 20 países (especialistas da OMS)

“A gente vive, no Brasil, um cenário com indicadores muito melhores, com redução de casos e óbitos. No meu entender ainda não vivemos um ‘mar de rosas’: enquanto o vírus circular ao redor do mundo sempre há o risco de (a pandemia) retornar ou surgir uma variante que seja perigosa”, afirma Flavia Bravo, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).




O Brasil conta com 76,67% da população totalmente vacinada e 9,24% tomaram apenas a primeira dose. Ou seja, 14,09% dos brasileiros ainda não estão imunizados.

O que diz a ciência sobre proteção no atual estágio da pandemia?

“Diante do cenário atual, é possível pensar em uma redução das medidas não farmacológicas (uso de máscara e distanciamento social), mas sempre pensando em cobertura vacinal. A análise epidemiológica deve ser constante para, em qualquer sinal de preocupação, retornar algumas medidas mais drásticas”, argumenta Bravo.

Já Renato Kfouri, também diretor da SBIm, alega que a pandemia deixou como legado a importância do uso da máscara de proteção destinada a qualquer doença de transmissão respiratória. Além de seguir importante a determinados grupos de pessoas, a máscara deve ser compreendida como um instrumento de segurança em determinadas situações.


“Embora acredite que o estado não tenha mais que legislar sobre proibição, onde pode e não pode usar máscara, é preciso uma campanha de orientação e informação à população. O fato de o estado não exigir não significa que não é recomendável o uso. A máscara não deve ser tutelada pelo governo, a população precisa ser informada”, diz Kfouri.

Infectologista do Hospital Sírio-Libanês, Carla Kobayashi explica que cada comunidade deve ser avaliada de maneira independente sobre os riscos de não utilizar a máscara.

“A gente sempre estratifica o risco de uma comunidade: número de casos, ocupação de leitos de UTI, casos graves, óbitos. A gente avalia todos os parâmetros para definir o risco em que a comunidade se encontra”, afirma Kobayashi.

Quem deve seguir usando máscaras e em quais situações?

“Recomenda-se o uso de máscara a todos que estão assintomáticos (infectados com Covid, mas sem sintomas), em unidades de saúde com muita gente doente; para indivíduos com algum risco: portadores do vírus HIV, com câncer, tranplantados e gestantes em lugares fechados”, argumenta Kfouri.

Bravo expande a lista a todas as populações vulneráveis: idosos, principalmente os que ainda não tomaram a quarta dose da vacina, imunossuprimidos e pacientes com doenças crônicas de maneira geral. A recomendação da médica é usar a máscara em ambientes fechados e evitar aglomerações, principalmente as pessoas desses grupos que convivem com jovens e adolescentes, cuja cobertura vacinal ainda está aquém do desejado.

Kobayashi ainda alerta à “obrigação” do uso de máscara e de isolamento social de pessoas infectadas pelo coronavírus e que estejam sintomáticas.

Qual o risco de a pandemia voltar a tomar força?

“O risco de novas ondas é constante. Há novas variantes surgindo. Neste momento tem alta cobertura vacinal híbrida, resultado da infecção com a vacina, mas sabemos que a proteção vai cair”, alerta Kfouri.

“É um risco que existe, sim, de surgir uma variante em qualquer lugar que comprometa os níveis epidemiológicos alcançados. O risco existe e depende de cada um afastar essa ameaça, que é real”, ressalta Bravo.

“A gente tem alertas da OMS (Organização Mundial da Saúde) em relação ao surgimento de sublinhagens da Ômicron e de variantes recombinantes. Toda vez que tiver o surgimento de novas variantes associado a uma alta circulação do vírus, há sempre o risco de novas ondas”, finaliza Kobayashi.






Tópicos

4ª dose combate o quê? 4ª dose israel 4ª dose necessária 4ª dose vacinas adolescentes e crianças covid Aedes aegypti Alemanha flexibilizações restrições Ana Helena Germoglio anticorpo monoclonal anticorpos covid sintomas anticorpos infectados nova infecção anticorpos monoclonais Anvisa anvisa covid-19 assintomática omicron assintomatico transmite omicron astrazeneca trombose autoteste coronavírus autotestes covid-19 AVC Brasil casos Cepa colombiana cepa colombiana é mais letal? cepa delta chikungunya china aprova tratamento chuvas ciência Como ocorre a transmissão da COVID-19? congestão nasal consórcio consórcio de veículos de imprensa coração coriza coronavírus coronavírus alimentação coronavírus animais coronavírus estudos coronavírus soja corticoides covid covid covid anticorpos covid antiviral medicamento covid deixa sequelas? covid em idosos covid longa covid longa omicron covid medicamentos covid passa para animais covid remédios covid restrições covid risco cardíaco covid tratamento covid tratamentos Covid variantes Covid-19 covid-19 brasil covid-19 brasil 2022 covid-19 casos brasil covid-19 recorde brasil dengue doenças doenças virais dor de cabeça dor de garganta dor muscular dor no corpo dose de reforço efeitos permanentes espirros estudo Londres europa ainda tem restrições? fadiga falta de ar febre Fortes chuvas gorilas com covid identificar idosos idosos têm que tomar 3ª dose? imprensa imunização imunizados naturais imunizados têm que usar máscaras infecções infectados imunizados infectologista infectologista Ana Helena Germoglio influenza King College lentidão vacinação Rússia letargia Londres mal estar máscara máscara de proteção máscara vacina máscaras vacina OMS medicamento anticovid MSD dinamarca medicamento MSD covid medicamentos para covid omicron mosquito Aedes aegypti nariz entupido O que é a subvariante BA 2 do COVID-19? o que é ômicron xe? o que é trombose o que funciona covid O que tomar para a variante Ômicron da COVID-19? omicron omicron quantos dias de isolamento Ômicron reinfecção ômicron subvariante ômicron xe perda de olfato perda de paladar pets têm covid? pilula contra covid pode haver duas infecções diferentes População brasileira posso me infectar depois de vacinado? Posso não apresentar sintomas da COVID-19 Prevenir primeiros sintomas omicron principais sintomas da ômicron principais sintomas ômicron problema do coração quais os sintomas da omicron a nova variante Quais são os principais cuidados para evitar a contaminação familiar de COVID-19? Qual o intervalo de tempo para que seja considerado reinfecção por COVID-19? qual o pico de transmissão da ômicron? alcool gel Qual o tempo de incubação da COVID-19? qual os sintomas da omicron Qual país tem mais infectados? qual remedio tomar para covid omicron quando vou deixar de usar máscara? quantas doses já foram aplicadas? Quanto tempo a COVID-19 permanece ativo em diferentes superfícies? Quanto tempo de isolamento pela variante Ômicron de COVID-19? quanto tempo dura os sintomas da omicron quanto tempo duram os anticorpos quanto tempo duram os sintomas? quantos dias duram os sintomas da omicron Quantos dias é o isolamento pela COVID-19? Quantos dias para aparecer os sintomas da Omicron? quantos faltam vacinar? quantos vacinados tem o Brasil? que alimentos inibem o coronavírus Que máscara uma pessoa que suspeita ter COVID-19 deve usar? Quem deve seguir usando máscara? quem deve tomar 3ª dose? recorde casos covid-19 regiões do Brasil reinfecção reinfecção coronavírus reinfeccao omicron remédios para covid omicron rio afrouxa restrições praias rio restrições risco cardíaco risco de de doenças virais RJ restrições Rússia Rússia confinamento Rússia recorde de mortes saúde sequelas covid sinais e sintomas da omicron sintomas sintomas da dengue sintomas da omicron em vacinados sintomas de gravidez sintomas ômicron sintomas pós covid omicron subavirante ômicron super imunes covid superanticorpo superimunes covid superimunes genes teste covid farmacia testes tosse transmissão adolescentes crianças tratamento anticorpos monoclonais china tratamento covid longa Sus tratamento para covid omicron tratamento pós-covid Sus tratamento sequelas covid sus tratamentos tratar as doenças trombose vacina idosos UnitedHealth Group vacina 3ª dose vacina da Pfizer vacina duas doses protege mais que a de dose única? vacina já sp vacina reinfecção vacina risco de trombose vacina sp 3 dose vacina sp astrazeneca vacina sp cadastro vacina sp calendario vacina sp fila vacina sp idade vacina sp locais vacina sp pfizer vacina sp sabado vacina sp terceira dose vacina trombose vacinação vacinação adolescentes vacinação nacional vacinados infectados imunidade Variante cama variante delta variante delta países variante delta volta Variante gama é perigosa? variante gama Manaus Variante Gamma variante omicron ba 2 variante omicron é mais letal variante omicron letalidade variante omicron mortes variante omicron no brasil variante omicron no brasil sintoma variante omicron sintomas variante omicron sp variante omicron vacina verão vírus vírus da influenza zika