Finanças

Número de cotistas de fundos da XP dispara em 2017

Crédito: Claudio Belli/Valor

Guilherme Benchimol, sócio da XP Investimentos (Crédito: Claudio Belli/Valor)

No ano em que a XP Investimentos, de Guilherme Benchimol, vendeu 49,9% de suas ações para o Itaú, a corretora conquistou um expressivo aumento em sua base de clientes de fundos de investimentos. A corretora aproveitou a queda da taxa básica de juros (Selic) para impulsionar o segmento de fundos.

No geral, segundo relatório da Economática, nos três principais segmentos de fundos de investimentos – ações, multimercado e renda fixa – distribuídos pela XP a seus clientes, o número de cotistas e o valor de patrimônio gerido subiram em média 185% e 69%, respectivamente.

Uma fonte da própria Economática afirma que a corretora de Benchimol possui importante participação na disparada dos fundos e conquistou a importante parte desse crescimento. “Muitos fundos foram impulsionados por que entraram no Guia de Fundos da XP”, afirma a fonte.

“A XP, assim como outros players, contribuiu com o mercado, principalmente na pulverização e no crescimento do número de cotistas de fundos. Isso é fruto de um maior acesso dado aos investidores na alocação de recursos nesses produtos por meio de plataformas online de investimentos”, explica José Tibães, sócio do Grupo XP e Analista de Fundos de Investimentos.

No ano passado, pequenos clientes, em sua maioria pessoas físicas com valores menores para investir, passaram a ter acesso a fundos de investimentos por meio da plataforma XP. “Os fundos foram um dos principais produtos dentro da XP no último ano, com grande representatividade na captação da empresa, seja através de fundos geridos pela XP Gestão ou por terceiros”, diz Tibães.

A compra da participação na XP pelo Itaú ainda depende de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Crescimento dos fundos

A Economática destaca que os 77 fundos de ações distribuídos pela XP, ao final de 2016, tinham 20.317 cotistas contra 57.749 no ano seguinte. O patrimônio líquido alcançou, em 2017, R$ 14,2 bilhões, uma alta de 75%.

No segmento multimercado, são 166 fundos distribuídos pela corretora. No final de 2016, eram 111.530 cotistas, contra 359.091 em dezembro de 2017. O patrimônio líquido chegou a R$ 56,2 bilhões, um salto de 85%.

Já no de renda fixa, 173.136 cotistas participavam de 65 fundos ao final do último ano. Em 2016, eram 69.754 cotistas. O patrimônio líquido, por sua vez, alcançou R$ 33,6 bilhões, um crescimento de 47%.

Rentabilidade dos fundos

Entre os fundos mais rentáveis distribuídos pela XP, em 2017, destacaram-se os de ações, segundo a Economática. O nome é longo, mas o Alaska Black FIC FIA Bdr Nível I, com aplicação inicial de R$ 5 mil, alcançou o topo da lista. A rentabilidade dele foi de 74,62% no ano passado. O mais próximo foi o Leblon Ações FC FIA, com aplicação inicial de R$ 100 mil, que obteve uma rentabilidade de 49,37%.

Por segmento, o fundo multimercado mais rentável é da própria XP, o XP Capital Protegido XV FIM, com alta de 34,8%. Já o fundo de renda fixa que mais valorizou o patrimônio de seus cotistas foi o Icatu Vanguarda Pré-Fixado FI RF Longo Prazo, com alta de 17,15%.