Mundo

Novos ministros tomam posse na Argentina após guinada no governo

Novos ministros tomam posse na Argentina após guinada no governo

Casa Rosada, a sede da Presidência argentina, em Buenos Aires

BUENOS AIRES (Reuters) – Cinco novos ministros, incluindo o chefe de gabinete do governo da Argentina, tomaram posse nesta segunda-feira, em uma tentativa do governo peronista de superar a crise política provocada por uma derrota expressiva nas eleições primárias legislativas.

Os novos ministros são em sua maioria experientes gestores peronistas, o que indica que o governo de centro-esquerda priorizou a capacidade de gestão sobre a ideologia para superar as divisões políticas dentro da administração durante a grave crise econômica pela qual passa o país.

As mudanças foram anunciadas na sexta-feira, depois de dias de tensão por conta de uma disputa entre o presidente Alberto Fernández e sua vice, a poderosa ex-presidente Cristina Kirchner, que representa a ala mais à esquerda da coalizão Frente de Todos. 

Segundo especialistas, a renovação do gabinete representa uma vitória da vice-presidente, que pressiona por investimentos públicos maiores para lidar com a pobreza, que assola 42% da população do país, contra Fernández, que tenta estabilizar a economia para reduzir a alta inflação.



O governo espera diminuir nas eleições legislativas de novembro a diferença de 9 pontos percentuais que a aliança de oposição de centro-direita Juntos pela Mudança conseguiu há oito dias nas primárias.

“O governo necessita reverter o resultado em algumas províncias que elegem senadores, para não perder o quórum. Isso requer dividir muito dinheiro. Para isso, precisa de ministros experientes… a ideologia é secundária”, explicou o analista político Andrés Malamud.

O governador Juan Manzur irá assumir como chefe de gabinete, o ex-ministro Aníbal Fernández como titular da pasta de Segurança, o experiente Julián Domínguez assume a Agricultura, Jaime Perzyck, a Educação, e Daniel Filmus será o novo ministro de Ciência. Santiago Cafiero, que até hoje era chefe de gabinete, passa a ser o novo chanceler argentino.

Os mercados financeiros seguiam com atenção a crise política e na segunda-feira voltavam a cair por conta de incertezas sobre o futuro da política econômica.

Enquanto tenta sair de uma recessão que já dura três anos, o governo argentino negocia com o Fundo Monetário Internacional (FMI) o pagamento de uma dívida de 44 bilhões de dólares. 

Por mais que as primárias tenham definido alguns poucos candidatos e não tenham grandes resultados institucionais, são consideradas um plebiscito sobre a gestão presidencial e uma pesquisa ampla que antecede as eleições de meio de mandato, que acontecem em novembro. 

(Reportagem de Nicolás Misculin) 

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8J0UZ-BASEIMAGE

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km