Giro

Novos estudos concordam sobre a origem mais provável da pandemia de Covid-19

Crédito: Reprodução/Pixabay

Os estudos foram publicados on-line em fevereiro, mas agora passaram por revisão por pares e foram publicados nesta terça-feira na revista Science (Crédito: Reprodução/Pixabay)



Em junho, a Organização Mundial da Saúde recomendou que os cientistas continuassem pesquisando todas as origens possíveis da pandemia de Covid-19, incluindo um vazamento de laboratório. Dois estudos recém-publicados adotam abordagens totalmente diferentes, mas chegam à mesma conclusão: o mercado de frutos do mar de Huanan em Wuhan, China, foi provavelmente o epicentro do coronavírus.

Os estudos foram publicados on-line como preprints em fevereiro, mas agora passaram por revisão por pares e foram publicados nesta terça-feira na revista Science.

+ Brasil registra 37,9 mil casos e 351 óbitos por covid-19 em 24 horas

Em um deles, cientistas de todo o mundo usaram ferramentas de mapeamento e relatórios de mídia social para fazer uma análise espacial e ambiental. Eles sugerem que, embora as “circunstâncias exatas permaneçam obscuras”, o vírus provavelmente estava presente em animais vivos vendidos no mercado no final de 2019. Os animais foram mantidos próximos e poderiam facilmente ter trocado germes. No entanto, o estudo não determina quais animais podem estar doentes.




Os pesquisadores determinaram que os primeiros casos de Covid-19 estavam centrados no mercado entre os vendedores que vendiam esses animais vivos ou pessoas que faziam compras lá. Eles acreditam que havia dois vírus separados circulando nos animais que se espalharam para as pessoas.

“Todos os oito casos de COVID-19 detectados antes de 20 de dezembro eram do lado oeste do mercado, onde também eram vendidas espécies de mamíferos”, diz o estudo. A proximidade de cinco barracas que vendiam animais vivos ou recém-abatidos foi preditiva de casos humanos.

“O agrupamento é muito, muito específico”, disse o coautor do estudo Kristian Andersen, professor do Departamento de Imunologia e Microbiologia da Scripps Research, na terça-feira.


O padrão “extraordinário” que surgiu do mapeamento desses casos foi muito claro, disse outro coautor, Michael Worobey, chefe do departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade do Arizona.

Os pesquisadores mapearam os primeiros casos que não tinham conexão com o mercado, observou Worobey, e essas pessoas viviam ou trabalhavam nas proximidades do mercado.

“Esta é uma indicação de que o vírus começou a se espalhar em pessoas que trabalhavam no mercado, mas depois começou a se espalhar …”

O outro estudo adota uma abordagem molecular e parece determinar quando as primeiras infecções por coronavírus passaram de animais para humanos.

A versão mais antiga do coronavírus, mostra esta pesquisa, provavelmente veio em diferentes formas que os cientistas chamam de A e B. As linhagens foram o resultado de pelo menos dois eventos de transmissão entre espécies em humanos.

Os pesquisadores sugerem que a primeira transmissão de animal para humano provavelmente aconteceu por volta de 18 de novembro de 2019 e veio da linhagem B. Eles encontraram o tipo de linhagem B apenas em pessoas que tinham uma conexão direta com o mercado de Huanan, em Wuhan.

Os autores acreditam que a linhagem A foi introduzida em humanos a partir de um animal dentro de semanas ou mesmo dias após a infecção da linhagem B. A linhagem A foi encontrada em amostras de humanos que viveram ou permaneceram próximos ao mercado.

“Essas descobertas indicam que é improvável que o SARS-CoV-2 tenha circulado amplamente em humanos antes de novembro de 2019 e definem a estreita janela entre quando o SARS-CoV-2 saltou pela primeira vez para os humanos e quando os primeiros casos de COVID-19 foram relatados”, diz o estudo. “Tal como acontece com outros coronavírus, o surgimento do SARS-CoV-2 provavelmente resultou de vários eventos zoonóticos”.

A probabilidade de que esse vírus surja de dois eventos diferentes é baixa, reconheceu o coautor Joel Wertheim, professor adjunto associado de medicina da Universidade da Califórnia, em San Diego.

“Agora, percebo que parece que acabei de dizer que um evento que ocorre uma vez em uma geração aconteceu duas vezes em uma curta sucessão, e as pandemias são realmente raras, mas uma vez que todas as condições estão em vigor – é um vírus zoonótico capaz de tanto a infecção humana quanto a transmissão humana próxima aos humanos – as barreiras ao transbordamento foram reduzidas de tal forma que acreditamos que várias introduções devem ser esperadas “, disse Wertheim.

Andersen disse que os estudos não refutam definitivamente a teoria do vazamento de laboratório, mas são extremamente persuasivos, tanto que ele mudou de ideia sobre as origens do vírus.

“Eu mesmo estava bastante convencido do vazamento do laboratório, até que mergulhamos nisso com muito cuidado e analisamos muito mais de perto”, disse Andersen. “Com base em dados e análises que fiz na última década em muitos outros vírus, me convenci de que, na verdade, os dados apontam para esse mercado específico.”

Worobey disse que também achava que o vazamento do laboratório era possível, mas a preponderância epidemiológica de casos ligados ao mercado “não é uma miragem”.

“É uma coisa real”, disse ele. “Não é plausível que este vírus tenha sido introduzido de outra forma que não seja através do comércio de animais selvagens”.

Para reduzir as chances de futuras pandemias, os pesquisadores esperam poder determinar exatamente qual animal pode ter sido infectado pela primeira vez e como.

“Os ingredientes brutos de um vírus zoonótico com potencial pandêmico ainda estão à espreita na natureza”, disse Wertheim. Ele acredita que o mundo precisa fazer um trabalho muito melhor na vigilância e monitoramento de animais e outras ameaças potenciais à saúde humana.

Andersen disse que, embora não possamos evitar surtos, a colaboração entre os cientistas do mundo pode ser a chave para a diferença entre uma doença de pequeno impacto e uma que mata milhões.

“A grande questão que precisamos nos perguntar é – na próxima vez que isso acontecer, porque vai acontecer – como vamos detectar esse surto precocemente e prevenir esse surto para que não se torne uma pandemia?”






Tópicos

4ª dose combate o quê? 4ª dose israel 4ª dose necessária 4ª dose vacinas a pandemia acabou? aglomerações álcool 70 Alemanha flexibilizações restrições anticorpo monoclonal anticorpos covid sintomas anticorpos infectados nova infecção anticorpos monoclonais Anvisa anvisa covid-19 assintomática omicron assintomatico transmite omicron astrazeneca trombose atraso das notificações aumento de casos autoteste coronavírus autotestes covid-19 avanço da vacinação contra a Covid-19 avanço do coronavírus AVCBA.1BA.2 baixíssimos índices de imunização BRASILCAPITAL MUNDIAL DA VACINA casos Cepa colombiana cepa colombiana é mais letal? cepa delta cobertura vacinal cobertura vacinal completa como funciona vacina pelo nariz? Como ocorre a transmissão da COVID-19? congestão nasal conter o avanço do coronavírus coriza coronavírus coronavírus alimentação coronavírus animais coronavírus estudos coronavírus soja corticoides covid covid covid anticorpos covid antiviral medicamento covid deixa sequelas? covid em idosos covid longa covid longa omicron covid medicamentos covid passa para animais covid remédios covid restrições covid risco cardíaco covid tratamento covid tratamentos Covid variantes Covid-19 covid-19 brasil covid-19 brasil 2022 covid-19 casos brasil covid-19 recorde brasil crianças de 5 a 11 anos cuidados Delta disseminação da BA.2 doença infectocontagiosa doenças doenças virais dor de cabeça dor de garganta dor muscular dor no corpo dose de reforço dose única doses de vacinas doses de vacinas contra a covid-19 efeitos permanentes eficácia da vacina endemia especialistas espirros Estados Unidos estudo Londres europa ainda tem restrições? evitar aglomerações fadiga falta de ar febre fim da emergência sanitária fim da pandemia Fiocruz flexibilização nas medidas de segurança Fortes chuvas gripe espanhola hábitos hábitos de prevenção do coronavírus HEALTH GROUP higiene Higiene Pessoal hospitalizações identificar idosos idosos têm que tomar 3ª dose? impacto global impacto global da nova variante imunidade populacional imunização imunizados imunizados naturais imunizados têm que usar máscaras índices de casos índices de imunização infecção infecções infectados imunizados infectologista infectologistas influenza King College letargia Londres mal estar máscara máscara de proteção máscara vacina máscaras vacina OMS medicamento anticovid MSD dinamarca medicamento MSD covid medicamentos para covid omicron medidas medidas de segurança morador da capital paulista mortes mortes causadas pela doença mortes por covid-19 mosquito Aedes aegypti nariz entupido notificações por mortes nova variante novas variantes novas variantes no mundo número de casos O que é a subvariante BA 2 do COVID-19? o que é ômicron xe? o que é trombose o que funciona covid O que tomar para a variante Ômicron da COVID-19? óbito zero omicron Ômicron BA.2 omicron quantos dias de isolamento Ômicron reinfecção ômicron subvariante ômicron xe OMS organização mundial da saúde origem origem coronavirus origem pandemia pandemia perda de olfato perda de paladar pesquisador científico do ITpS peste negra pets têm covid? pilula contra covid pode haver duas infecções diferentes população acima de 18 anos População brasileira população completamente imunizada população paulistana população se descuida posso me infectar depois de vacinado? Posso não apresentar sintomas da COVID-19 prevenção do coronavirus Prevenir primeira dose primeira dose adicional primeiro dia sem mortes causadas pela covid-19 primeiros sintomas omicron principais sintomas da ômicron principais sintomas ômicron problema do coração professor de Medicina na Universidade Federal de São Carlos pronunciamento quadros leves quais os sintomas da omicron a nova variante Quais são os principais cuidados para evitar a contaminação familiar de COVID-19? Quantos dias para aparecer os sintomas da Omicron? quantos faltam vacinar? quantos vacinados tem o Brasil? que alimentos inibem o coronavírus Que máscara uma pessoa que suspeita ter COVID-19 deve usar? Quem deve seguir usando máscara? quem deve tomar 3ª dose? recomendações recomendações dos especialistas recorde casos covid-19 redução nas mortes regiões do Brasil reinfecção reinfecção coronavírus reinfeccao omicron Reino Unido remédios para covid omicron risco cardíaco risco de de doenças virais RJ restrições Rússia SARS-CoV-2 saúde SBIm segunda dose segunda dose adicional segunda dose da vacina sequelas covid sinais e sintomas da omicron sintomas sintomas da dengue sintomas da omicron em vacinados sintomas de gravidez sintomas ômicron sintomas pós covid omicron Sociedade Brasileira de Imunizações spray nasal covid Stabeli subavirante ômicron sublinhagem Ômicron BA.2 sublinhagens BA.1 e BA.2 subvariante subvariante BA.2 super imunes covid superanticorpo superimunes covid superimunes genes surgimento novas variantes no mundo taxa de população completamente imunizada teste covid farmacia testes tosse transmissão adolescentes crianças tratamento anticorpos monoclonais china tratamento covid longa Sus tratamento para covid omicron tratamento pós-covid Sus tratamento sequelas covid sus tratamentos tratar as doenças trombose vacina idosos Ufscar Unicamp united uso de máscara vacina 3ª dose vacina da Pfizer vacina duas doses protege mais que a de dose única? vacina intranasal vacina já sp vacina nasal covid eficiência vacina nasal covid pulmões vacina nasal quando chega vacina reinfecção vacina risco de trombose vacinação vacinação adolescentes vacinação contra a covid-19 vacinação nacional vacinados infectados imunidade variante delta variante delta países variante delta volta variante gama Variante gama é perigosa? variante gama Manaus Variante Gamma variante omicron ba 2 variante omicron é mais letal variante omicron letalidade variante omicron mortes variante omicron no brasil variante omicron no brasil sintoma variante omicron sintomas variante omicron sp variante omicron vacina variantes verão virologista vírus vírus chinês vírus da influenza vírus pandêmico vírus recombinante vítimas vítimas do vírus Wuhan