Giro

Novo sequestro em escola do noroeste da Nigéria

Novo sequestro em escola do noroeste da Nigéria

Adolescentes de Kankara após a libertação em 18 de dezembro de 2020 na Nigéria - AFP/Arquivos

Dezenas de homens armados invadiram os dormitórios de uma escola no noroeste da Nigéria e sequestraram muitas jovens na madrugada de quinta-feira para sexta-feira, informa a imprensa local.

“Mais de 300 jovens estão desaparecidas”, afirmou um professor (que pediu anonimato) da escola de Jangebe, no estado de Zamfara.

“Estou a caminho de Jangebe”, afirmou Sadi Kawaye, pai que teve as duas filhas sequestradas. “Recebi uma ligação para informar que bandidos sequestraram estudantes”.

Este é o mais recente caso de sequestro em massa para pedido de resgate na região, onde grupos criminosos aterrorizam a população, roubam o gado e saqueiam os vilarejos.

Na semana passada, 40 pessoas (incluindo 27 estudantes) foram sequestradas no estado de Níger, região centro-oeste da Nigéria, e mais de 300 adolescentes sofreram com o mesmo crime em dezembro na localidade de Kankara, estado de Katsina.

Os adolescentes de Kankara foram liberados após uma semana de cativeiro e depois das negociações entre os grupos criminosos e os governos locais.

A situação provocou uma comoção mundial e recordou o sequestro de mais de 200 adolescentes pelo grupo Boko Haram em Chibok (nordeste), em 2014.

Os criminosos são estimulados pelos pedidos de resgate, mas alguns têm vínculos com grupos jihadistas presentes no nordeste da Nigéria.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel