Sustentabilidade

Novo recorde de desmatamento na Amazônia brasileira

Novo recorde de desmatamento na Amazônia brasileira

O líder indígena Kretam Kaingang segura uma placa com a frase "A Amazônia, o Brasil e o mundo estão assistindo" após uma reunião na Câmara dos Deputados, em Brasília, em 18 de fevereiro de 2020. - AFP

O desmatamento na Amazônia brasileira atingiu um novo recorde nos primeiros quatro meses do ano, de acordo com dados oficiais divulgados nesta sexta-feira(8), que revelam uma tendência preocupante após os incêndios que proliferaram na região em 2019.

Entre janeiro e abril, 1.202 km2 de floresta foram devastados, segundo dados baseados em imagens de satélite do Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais (INPE), órgão do governo.

Bolsonaro enviará Forças Armadas para combater desmatamento na Amazônia

Indígenas da Amazônia pedem US$ 5 milhões para enfrentar a pandemia

Isso significa um aumento de 55% em relação ao mesmo período do ano passado e é o número mais alto para o período de janeiro a abril desde 2016, quando as medições foram iniciadas.

Esses dados novamente questionam a política do presidente Jair Bolsonaro em relação à proteção da maior floresta do planeta, que o Brasil abriga 60%.

Cético em relação às mudanças climáticas, Bolsonaro foi criticado pela comunidade internacional por minimizar os incêndios que atingiram a região entre maio e outubro.

Somente em 2019, os incêndios contribuíram para a destruição de 10.123 km2 de floresta na Amazônia brasileira, ultrapassando a marca de 10.000 km2 pela primeira vez desde 2008.

A tendência para 2020 é ainda mais preocupante porque o período de incêndios começa em maio, com o início da estação seca.

O desmatamento é causado em grande parte por madeireiros ilegais além da mineração e agricultura em áreas protegidas.

Depois de derrubar as árvores, os invasores usam o fogo para limpar a área.

Bolsonaro pretende abrir mais regiões protegidas à atividade econômica, argumentando que os povos indígenas devem poder explorar economicamente suas terras ancestrais.

Na quinta-feira, ele assinou um decreto autorizando as Forças Armadas a combater incêndios e supervisionar o trabalho de agências ambientais entre 11 de maio e 10 de junho.

Os ambientalistas argumentam que seria melhor aumentar o orçamento e o número de funcionários em agências ambientais.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança