Giro

Novo premiê do Líbano, Saad Hariri, promete governo técnico

Novo premiê do Líbano, Saad Hariri, promete governo técnico

Rafik Hariri pronuncia um discurso no Palácio Presidencial de Baabda, perto de Beirute - AFP

Saad Hariri, um pilar da política libanesa, foi designado primeiro-ministro nesta quinta-feira (22), prometendo um governo de especialistas que acabe com o colapso econômico do país, que espera desesperadamente por reformas.

Ironicamente, Hariri renunciou há quase exatamente um ano sob pressão de um levante popular sem precedentes, desencadeado pelos fracassos da classe política acusada de corrupção e de incompetência.

Após ser nomeado pelo presidente Michel Aoun, depois de eleições parlamentares, o empresário de 50 anos prometeu formar um governo “rapidamente”.

“O tempo está acabando (…). O país está diante de sua única oportunidade”, disse Hariri em um breve discurso televisionado, prometendo aos libaneses “trabalhar para acabar com o colapso” que ameaça a economia.

Herdeiro de uma imensa fortuna, o político já liderou três governos.

Nesta quinta-feira, ele prometeu “um governo de especialistas”, que não venham dos partidos políticos e “cuja missão será a aplicação de reformas econômicas, financeiras e administrativas”.

– “Nova batalha” –

A comunidade internacional espera que o novo governo empreenda amplas reformas antes de desbloquear a assistência financeira.

No Líbano – um país multirreligioso onde o presidente deve ser um cristão maronita, o primeiro-ministro um muçulmano sunita e o chefe do Parlamento um muçulmano xiita –, os líderes se veem muitas vezes forçados a um cabo de guerra sem fim que prolonga por meses a formação de governo.

“Terminadas as consultas, soará o apito para uma nova batalha, a batalha da formação” de governo, estimou o jornal Al-Akhbar, próximo ao Hezbollah, e que prevê ainda mais “tensões políticas”.

Hariri obteve o apoio da maioria dos deputados sunitas e do partido do líder druso Walid Jumblatt.

O bloco do Hezbollah, um peso-pesado na política libanesa, não expressou nenhuma preferência, mas seu principal aliado, o movimento Amal, apoiou a nomeação de Hariri, sugerindo um acordo tácito do Hezbollah xiita.

Sua designação ocorre em um momento de crise profunda no Líbano, ainda traumatizado pela explosão no porto de Beirute em 4 de agosto que matou mais de 200 pessoas e deixou milhares feridas.

Segundo as autoridades, a explosão ocorreu em um depósito que armazenava uma enorme quantidade de nitrato de amônio há mais de seis anos, “sem medidas de precaução”.

– Desafios gigantescos –

O atual governo de Hassan Diab renunciou, devido a essa tragédia, e deixa gigantescos desafios para o novo governo.

Há um ano, o Líbano foi palco de um protesto popular sem precedentes, que exigia a renovação da classe política e dos serviços públicos dignos, em um país submetido a cortes de eletricidade diários, assim como a melhora da situação econômica, que se agravou no último ano.

O Líbano vive uma desvalorização histórica da moeda nacional. Além disso, vivencia dezenas de milhares de demissões e cortes salariais, em um país em que metade da população vive na pobreza.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?