Giro

Novo inibidor faz células tumorais responderem novamente à quimioterapia

Crédito: Reprodução/Pexels

A nova substância bloqueia uma proteína nas células cancerosas que normalmente transporta os medicamentos contra o câncer de volta para fora das células. (Crédito: Reprodução/Pexels)

Uma nova substância pode melhorar o tratamento de cânceres persistentes. Pesquisadores da Martin Luther University Halle-Wittenberg (MLU) e da University of Greifswald desenvolveram um novo inibidor que faz as células tumorais resistentes aos medicamentos responderem novamente à quimioterapia.

A nova substância bloqueia uma proteína nas células cancerosas que normalmente transporta os medicamentos contra o câncer de volta para fora das células. Os resultados foram publicados na revista científica Molecules.

+ Vacina da AstraZeneca e Coronavac são eficientes contra a variante do Brasil

Além da radioterapia, os agentes citotóxicos, também conhecidos como quimioterapia, são freqüentemente usados ​​para tratar o câncer. Eles evitam que as células se dividam e, portanto, as células cancerosas são incapazes de se multiplicar sem controle.

Os agentes citotóxicos continuam a ser uma forma de tratamento muito importante porque têm um efeito geral, ou seja, atuam em diferentes tipos de câncer ”. No entanto, alguns tumores são resistentes à quimioterapia. Eles possuem certas proteínas que transportam as drogas de volta para fora da célula cancerosa.

O grupo de pesquisa de Hilgeroth desenvolveu agora uma nova classe de substâncias que inibe uma dessas proteínas de transporte: a proteína 4 resistente a múltiplas drogas (MRP4). Ele desempenha um papel particular na leucemia, segundo o professor Christoph Ritter do Instituto de Farmácia da Universidade de Greifswald. A proteína transporta mensageiros químicos que parecem contribuir para o desenvolvimento desse tipo de câncer.

As novas substâncias podem ter dois efeitos positivos simultaneamente: prevenir o transporte de mensageiros promotores do câncer e garantir que a quimioterapia comece a funcionar novamente. No entanto, se forem bem-sucedidos em outros testes, eles só serão administrados em pacientes com tumores contendo a proteína de transporte MRP4.

Um pré-rastreamento que usa marcadores para identificar o tipo e as características de um câncer específico já faz parte do tratamento padrão. São usados ​​medicamentos adaptados ao tipo e às características do câncer. Um inibidor diferente seria então usado em uma proteína de transporte diferente.

A eficácia deve agora ser confirmada em outros ensaios pré-clínicos. Os pesquisadores tentarão estabelecer o quão bem as drogas desenvolvidas recentemente inibem especificamente o MRP4, a fim de reduzir os efeitos colaterais. Se as substâncias forem um sucesso, vários anos de ensaios clínicos se seguirão para confirmar sua eficácia em pacientes.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel