Giro

Novo fechamento do comércio causa protestos em Manaus

Crédito: Divulgação/Secom Amazonas

Governador Wilson Lima em coletiva (Crédito: Divulgação/Secom Amazonas)

Comerciantes e lojistas de Manaus realizaram um protesto neste sábado 26, contra as novas medidas restritivas do comércio que começaram a vigorar hoje em todo o Amazonas. Por meio de decreto, o governador do Estado Wilson Lima determinou o fechamento de todo o comércio do Estado, que passa a atender apenas por meio de delivery ou drive-thru.

Por volta de 8h, os manifestantes ocuparam parte das avenidas Sete de Setembro e Eduardo Ribeiro, as principais do Centro Comercial de Manaus, e gritavam palavras de ordem contra o governador e a frase “Queremos trabalhar!”.

+ São Paulo fecha comércio e restaurantes durante festas de fim de ano
+ Vendas do comércio no Rio variam do otimismo ao pessimismo

“Não é justo em plena festa de final de ano o governador dar um duro golpe desse nos comerciantes e varejistas do Centro e de toda Manaus. Faltou diálogo com os comerciantes. O governador não teve competência para abrir diálogo com os representantes do comércio de Manaus”, disse Givanildo Marcos Maia, presidente da Associação dos Trabalhadores de Comércio Informal e coordenador das Galerias Populares.



Por volta de 9h30, os lojistas fecharam o principal terminal de ônibus de Manaus, o Terminal da Matriz, causando congestionamento que afetou o Centro Comercial. A manifestação prosseguiu até por volta de meio-dia, quando parte das vias do Terminal da Matriz foram liberadas de forma espontânea.

Decreto

O Governo do Amazonas anunciou, na quarta-feira, 23, medidas de restrição para conter o avanço da covid-19 no período das festividades de fim de ano. Segundo as medidas, no período de 26 de dezembro a 10 de janeiro de 2021, ficarão restritos o funcionamento de atividades não essenciais na capital e interior do Estado. De acordo com o último boletim da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), divulgado nessa sexta, 25, o estado registra 195.806 casos da doença e 5.161 mortes.

Segundo o governo, as medidas foram tomadas após avaliação do Comitê de Enfrentamento à covid-19, com base nos dados epidemiológicos da doença apresentados pela FVS-AM, que mostram elevado número de casos da doença e ocupação dos leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na rede hospitalar estadual e privada de saúde.

“Primeiro, não haverá lockdown. Nós não fizemos isso durante o pico da pandemia, que foi ali no final de abril, início de maio, e não será agora que nós vamos tomar uma decisão como essa. Nos últimos dias nós constatamos um aumento significativo dos casos do Coronavírus no Estado, sobretudo na ocupação da rede pública de saúde. Estamos baixando um decreto para restringir algumas atividades, e precisamos de 15 dias para que a gente diminua a taxa de transmissão”, afirmou o governador.

O governador enfatizou que todas as medidas têm sido avaliadas junto ao comitê de enfrentamento à covid-19 para adoção de medidas que preservem a vida da população.

“Tenho conversado muito com os membros do comitê, com o pessoal da Vigilância em Saúde, monitorando e entendendo quais medidas devemos tomar e que ações são necessárias para conter a disseminação do vírus, preservando a vida das pessoas, mas encontrando um equilíbrio de funcionamento mínimo das atividades econômicas”, destacou o governador.

O que fica restrito de 26 de dezembro a 10 de janeiro: Bares, restaurantes, lanchonetes, lojas de conveniência. Comércios que não são essenciais funcionarão por drive-thru e delivery até às 21h; Os shoppings devem funcionar também no sistema delivery e drive-thru; Eventos, casamentos e formaturas estão proibidos; Reuniões comemorativas suspensas; Os espaços públicos estarão fechados.

Os estabelecimentos com serviços essenciais, como padarias, supermercados, farmácias, vendas de gás, água e hotéis continuam abertos; Restaurantes dos hotéis apenas vão atender os hóspedes.

Os serviços de transporte intermunicipais estão mantidos, mas será reforçado o trabalho de fiscalização, respeitando a quantidade máxima de ocupação dessas embarcações. As atividades da Indústria também serão mantidas.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km