Economia

Nove países sul-americanos fazem aliança contra crime organizado no Brasil

Nove países sul-americanos fazem aliança contra crime organizado no Brasil

Vista geral de reunião dos ministros da Segurança Pública de países sul-americanos no ministério da Justiça, em Brasília, 23 de junho de 2022 - AFP



Ministros e funcionários de nove países sul-americanos anunciaram nesta quinta-feira (23) uma aliança estratégica de cooperação na luta contra o crime organizado transnacional, em um encontro convocado pelo governo brasileiro em Brasília.

Autoridades de Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname e Uruguai, além das locais, destacaram a prioridade no combate às atividades criminosas em múltiplos territórios e a necessidade de “implementar ações concertadas”, segundo a declaração enviada à AFP pelo ministério da Justiça e Segurança brasileiro.

+ ‘O crime organizado se estruturou na região amazônica’, diz liderança indígena

Argentina e Chile tiveram representação, mas não rubricaram o documento, que foi validado pelo secretário-geral da Interpol, Jurgen Stock, e pelo secretário-executivo da Ameripol, Marcio Nunes de Oliveira.



O Brasil promoveu a aproximação em “uma aliança contra a criminalidade, de caráter estratégico e soberano entre os nosso ministérios, uma aliança que expanda o tradicional sistema de policiamento ostensivo para acoes coordenadas de prevenção de ilícitos”, descreveu o ministro de Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, na abertura do evento que terminará nesta sexta-feira.

Esta aliança se propõe a “troca de dados de inteligencia que permita um melhor diagnóstico e prevenção dos ilícitos transnacionais”, explicou.

As autoridades sul-americanas que assinaram a declaração consideram, entre outras iniciativas, a proposta do Brasil, de reunir agentes de segurança dos diferentes países para trabalhar juntos no Centro de Cooperação Policial Internacional com sede no Rio de Janeiro.


Segundo Torres, o objetivo é favorecer a troca de informações de Inteligência, ações integradas e planejamento de investigações criminais conjuntas.

A colaboração permitirá desenvolver operações com resultados contundentes, afirmou o ministro.

Ele deu como exemplo a Operação Nova Aliança entre o Brasil e o Paraguai, que apreendeu do tráfico ilegal 5.400 toneladas de maconha, o equivalente a 162 milhões de dólares, de 7.000 toneladas apreendidas no mundo em 2021, segundo dados de seu ministério.

Os representantes dos nove países acertaram manter reuniões semestrais para avaliar o rumo da aliança.