Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

Geral

Novas outorgas para empreendimentos hidrelétricos no rio Paraguai

A Agência Nacional de Águas (ANA) informou hoje (14) que vai suspender a outorga de novos empreendimentos hidrelétricos na região da bacia hidrográfica do Rio Paraguai, onde fica o Pantanal. A medida vale tanto para Usinas Hidrelétricas (UHE) quanto para Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e tem por objetivo evitar que futuros empreendimentos prejudiquem outros usos dos rios da região, principalmente a pesca e o turismo.

A suspensão vale até 31 de maio de 2020 e atingirá os empreendimentos hidrelétricos que não estavam em operação comercial até 18 de julho deste ano. A ANA aguarda a conclusão de estudo para verificar impactos dos empreendimentos sobre os recursos hídricos. Atualmente, segundo a agência, existem 144 aproveitamentos hidrelétricos em estudo na Região Hidrográfica do Paraguai, a maioria para construção de pequenas centrais hidrelétricas.

“A suspensão se estenderá pelo menos até a conclusão de estudo iniciado em novembro de 2016 pela ANA para investigar os efeitos socioeconômicos e ambientais da implantação desses empreendimentos sobre os demais usos da água e sobre os próprios recursos hídricos, como comprometimento da qualidade das águas ou alteração do regime hidrológico [chuvas]”, informou a agência reguladora.

Segundo a ANA, essa iniciativa inicia a implementação de ações regulatórias identificadas como necessárias no Plano de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraguai (PRH Paraguai), aprovado em março pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH).

O plano indentificou que esses empreendimentos podem interferir na estabilidade do ecossistema pantaneiro e na garantia dos usos múltiplos praticados na região.

Os pedidos de outorga afetados pela restrição são aqueles para a instalação de empreendimentos hidrelétricos em rios de domínio da União, ou seja, que atravessam mais de um estado ou fazem fronteiras, portanto, regulados pela ANA.

Dados do plano, mostram que o potencial hidrelétrico da região é explorado atualmente por sete hidrelétricas, 29 PCHs e 11 centrais geradoras hidrelétricas, totalizando uma capacidade instalada de 1.111 megawatts (MW).  Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a região possui um potencial adicional de geração de 1.172MW.

A agência disse ainda que vai revisar os procedimentos e metodologias de análise de outorgas para aproveitamentos hidrelétricos tão logo os resultados consolidados dos estudos estejam disponíveis para sub-bacias hidrográficas específicas. Disse ainda que vai “incorporar tais resultados junto aos procedimentos e critérios de outorga”.

Geral

Novas outorgas para empreendimentos hidrelétricos no rio Paraguai

A Agência Nacional de Águas (ANA) informou hoje (14) que vai suspender a outorga de novos empreendimentos hidrelétricos na região da bacia hidrográfica do Rio Paraguai, onde fica o Pantanal. A medida vale tanto para Usinas Hidrelétricas (UHE) quanto para Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e tem por objetivo evitar que futuros empreendimentos prejudiquem outros usos dos rios da região, principalmente a pesca e o turismo.

A suspensão vale até 31 de maio de 2020 e atingirá os empreendimentos hidrelétricos que não estavam em operação comercial até 18 de julho deste ano. A ANA aguarda a conclusão de estudo para verificar impactos dos empreendimentos sobre os recursos hídricos. Atualmente, segundo a agência, existem 144 aproveitamentos hidrelétricos em estudo na Região Hidrográfica do Paraguai, a maioria para construção de pequenas centrais hidrelétricas.

“A suspensão se estenderá pelo menos até a conclusão de estudo iniciado em novembro de 2016 pela ANA para investigar os efeitos socioeconômicos e ambientais da implantação desses empreendimentos sobre os demais usos da água e sobre os próprios recursos hídricos, como comprometimento da qualidade das águas ou alteração do regime hidrológico [chuvas]”, informou a agência reguladora.

Segundo a ANA, essa iniciativa inicia a implementação de ações regulatórias identificadas como necessárias no Plano de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraguai (PRH Paraguai), aprovado em março pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH).

O plano indentificou que esses empreendimentos podem interferir na estabilidade do ecossistema pantaneiro e na garantia dos usos múltiplos praticados na região.

Os pedidos de outorga afetados pela restrição são aqueles para a instalação de empreendimentos hidrelétricos em rios de domínio da União, ou seja, que atravessam mais de um estado ou fazem fronteiras, portanto, regulados pela ANA.

Dados do plano, mostram que o potencial hidrelétrico da região é explorado atualmente por sete hidrelétricas, 29 PCHs e 11 centrais geradoras hidrelétricas, totalizando uma capacidade instalada de 1.111 megawatts (MW).  Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a região possui um potencial adicional de geração de 1.172MW.

A agência disse ainda que vai revisar os procedimentos e metodologias de análise de outorgas para aproveitamentos hidrelétricos tão logo os resultados consolidados dos estudos estejam disponíveis para sub-bacias hidrográficas específicas. Disse ainda que vai “incorporar tais resultados junto aos procedimentos e critérios de outorga”.


Destaques


Finanças

Tá sobrando dinheiro

empréstimo

Tá sobrando dinheiro

Em 2018, as empresas brasileiras captaram um valor recorde em empréstimos sindicalizados. E 2019 promete ser melhor ainda

O leão à espreita das viúvas

investidores

O leão à espreita das viúvas

Governo estuda taxar dividendos por meio do IR. Isso pode afetar os investimentos, as empresas e quem vive de renda

Pode cair a especulativo

nota da vale

Pode cair a especulativo

E ele só queria um Conga. Hoje fatura R$ 6 milhões por ano

superação

superação

E ele só queria um Conga. Hoje fatura R$ 6 milhões por ano

A incrível história do menino pobre que ficou rico, ficou pobre de novo e hoje dá aulas ensinando os outros a ganhar dinheiro


ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Comando Militar versus USP

BB e Itaú: as preferidas do setor

Enquanto Bolsonaro não voltava

EDITORIAL

EDITORIAL

Enquanto Bolsonaro não voltava

O País andou nos últimos dias na cadência de espera pela melhora da saúde do presidente. Ficou tudo na dependência da alta de Bolsonaro


Entrevista

“Nosso grande combate é contra o dinheiro”

Fernanado Telles, diretor geral da Visa no Brasil

Fernanado Telles, diretor geral da Visa no Brasil

“Nosso grande combate é contra o dinheiro”

Um mundo cada vez menos dependente de bancos e sem moeda física. Este é o sonho da Visa e de seu líder no Brasil, que quer fazer da empresa a maior do mercado de pagamentos no País — e isso inclui uma revolução financeira em um paraíso natural


Economia


Aquele degrauzinho abaixo nos juros

previsão para taxa básica

Aquele degrauzinho abaixo nos juros

Mudanças nos cenários externo e interno reduzem previsão da taxa básica e mantém índice Selic no patamar mais baixo da história

R$ 400 bi em impostos. E o retorno?

tributos

R$ 400 bi em impostos. E o retorno?

E a conta só vai aumentar. Até o fim do ano, o impostômetro irá registrar que o brasileiro vai pagar uma conta de R$ 2,6 trilhões


Sem fronteiras para baixar o custo da energia

tarifas

Sem fronteiras para baixar o custo da energia

Governo Bolsonaro tem a rara oportunidade de reduzir tarifas caso vença o desafio de negociar bem o contrato de Itaipu, com o Paraguai, e do gasoduto binacional, com a Bolívia

A economia segundo Ricardo Boechat

homenagem

A economia segundo Ricardo Boechat

Genial nas análises, o jornalista morto em acidente aéreo era um grande defensor dos contribuintes brasileiros, combatendo injustiças com veemente indignação e rara clareza intelectual


Artigo

Brasil precisa investir em tecnologia para as cidades

por Jorge Arduh

por Jorge Arduh

Brasil precisa investir em tecnologia para as cidades

Sistemas de videovigilância baseados em Inteligência Artificial aprimoram a segurança, essencial para o futuro das cidades


Mercado Digital

Microsoft aposta no Brasil

inovação

inovação

Microsoft aposta no Brasil

Em visita ao País, o CEO da companhia, Satya Nadella, mostra como pretende revolucionar a tecnologia investindo em Inteligência Artificial


Negócios


O novo estilo Renner

rede varejista

O novo estilo Renner

A empresa aproveitou a crise para ampliar mercados, diversificar a operação e assumir o protagonismo no varejo de vestuário. O foco agora é avançar a transformação digital

O Dia depois de amanhã

crise

O Dia depois de amanhã

Passados os anos de forte crescimento nas vendas, a varejista lida com queda nas receitas e uma suspeita de fraude contábil


Estilo

O jazz não pode morrer, tá ligado?

cultura

cultura

O jazz não pode morrer, tá ligado?

Blue note, a casa que ajudou a preservar a história do gênero nos EUA, ganha versão paulistana em um endereço icÔnico da cidade: o Conjunto Nacional


Colunas


Cimed encontra a fórmula do crescimento

Moeda Forte

Cimed encontra a fórmula do crescimento

Seja caridoso: ajude o co-fundador do WhatsApp a se livrar de 10 Porsches

Cobiça

Seja caridoso: ajude o co-fundador do WhatsApp a se livrar de 10 Porsches


Spotify quer ser o YouTube do som

Dinheiro & Tecnologia

Spotify quer ser o YouTube do som

A culpa não é de São Pedro

Sustentabilidade

A culpa não é de São Pedro


Publieditorial

Gestão de Produção é uma exigência para o futuro da indústria. Como atender?

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini apresenta:

Gestão de Produção é uma exigência para o futuro da indústria. Como atender?


Publieditorial

Transformação Digital em serviços financeiros: o caminho para fidelizar o cliente

Dedalus apresenta:

Dedalus apresenta:

Transformação Digital em serviços financeiros: o caminho para fidelizar o cliente

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.