Giro

Nova York voltará a verificar vacinas aprovadas pelo governo Trump

Crédito: AFP/Arquivos

Um tubo que contém uma potencial vacina contra a covid-19 em um centro de pesquisa dos laboratórios Novavax, em Gaithersburg - AFP/Arquivos (Crédito: AFP/Arquivos)

O estado de Nova York não confia no governo Trump e voltará a verificar as vacinas contra a covid-19 aprovadas por Washington antes de distribuir aos seus 20 milhões de habitantes, disse o governador Andrew Cuomo.

O governador democrata, que acusa o presidente Donald Trump e seu governo republicano de ter politizado a pandemia de coronavírus, disse na quinta-feira que criaria uma comissão responsável por supervisionar a distribuição de vacinas.

China quer produzir mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 por ano

Brasil adere a aliança para aceleração da vacina contra a covid-19

“A vacina é segura? Não vou confiar no governo federal e não a recomendaria aos nova-iorquinos com base na opinião do governo federal”, disse Cuomo em uma coletiva de imprensa.

“Quando o governo federal terminar sua avaliação e disser que é segura, criaremos nossa própria comissão de avaliação (…) para que eu possa olhar para a câmera e dizer aos nova-iorquinos que podem se vacinar com total segurança”.

As declarações confirmam o clima de crescente desconfiança em relação às futuras vacinas nos Estados Unidos. Uma pesquisa publicada em 17 de setembro pelo Instituto Pew indicou que metade dos americanos recusariam ser vacinados se a vacina fosse disponibilizada agora, uma porcentagem que dobrou desde maio.

Outra pesquisa publicada em 10 de setembro pela Kaiser Family Foundation apontou que 62% dos americanos se preocupam com as pressões exercidas pelo governo federal sobre a agência que homologa os medicamentos, a Food and Drug Administration (FDA), para que aprove uma vacina o quanto antes, sem garantir sua eficácia e segurança.

Trump, que busca ser reeleito em 3 de novembro, promete há várias semanas a chegada de uma vacina para enfrentar a pandemia que já deixou mais de 200.000 mortos em seu país, mais do que em qualquer outra nação do mundo.

Apenas um laboratório americano, Pfizer, acredita que é possível ter uma vacina para outubro, mas a vacina não chegaria à maior parte dos americanos até abril de 2021, segundo Trump, ou até mesmo meados de 2021, de acordo com as autoridades.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?