Negócios

Concorrência jovem nas pistas

A Move Mais, a novata no negócio de pagamento eletrônico de pedágio, aposta em tecnologias para atrair os clientes da concorrência

Concorrência jovem nas pistas

Estrada digital: a Move Mais, comandada pelo executivo Markswell Coelho, oferece um aplicativo com 16 serviços, além do sistema de pagamento (foto: Claudio Gatti)

Ao passar por algumas das 144 praças de pedágio das rodovias paulistas, os motoristas já podem perceber quatro logotipos estampados nas cancelas de pagamento automático. O mais recente deles é o da Move Mais, que pertence ao grupo paulistano Dux, dos mesmo controladores da concessionária SP Mar, que administra os trechos Sul e Leste do Rodoanel. A empresa, que já atua em São Paulo desde dezembro, acabou de conquistar a autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para operar também em pedágios das rodovias federais.

Com o sinal verde, a companhia espera concorrer de igual para igual com as gigantes Sem Parar, da CCR, a Auto Expresso, da DBTrans, e a ConectCar, controlada pelos grupos Ultra e Odebrecht. Para ganhar espaço em um mercado que, aparentemente, todos oferecem a mesmo serviço, a Move Mais aposta na diversificação e em novas tecnologias. “Estamos trazendo um serviço concierge para os motoristas e não apenas um sistema de pagamento de pedágios”, afirma Markswell Coelho, diretor-geral da Move Mais, sem revelar investimentos. Segundo Coelho, a ideia do concierge procura reproduzir a paparicação do cliente, típica da hotelaria.

Além do pagamento de pedágio, que inicialmente está sendo oferecido apenas pelo sistema pré-pago, o Move Mais oferecerá, através de um aplicativo, um cardápio de 16 variedades de serviços, como aviso do dia de rodízio do veículo, localização no estacionamento, lembrete para realizar a manutenção do carro, entre outros. “Queremos ocupar uma lacuna de mercado para quem procura serviços agregados e não só o pagamento de pedágio”, diz Coelho. Toda a estratégia de comunicação com os clientes será feita pela internet e redes sociais. “Devemos aumentar os serviços e o uso do sistema como meio de pagamento conforme a demanda dos usuários”, afirma o executivo, que está negociando a aceitação do Move Mais em estacionamento de shopping centers.

A ampliação dos serviços será fundamental para o sucesso ou fracasso da empresa. As concorrentes Sem Parar e ConectCar, por exemplo, já possibilitam abastecer o veículo em postos Shell e Ipiranga, respectivamente. Apesar de entrar apenas agora na disputa pela preferência dos motoristas, a Move Mais não é exatamente uma desconhecida no mercado. A companhia nasceu em 2012 para operar a tecnologia do Ponto a Ponto, que determina o valor do pedágio conforme o trecho percorrido da rodovia, já utilizada em vários países da Europa e em fase de testes no interior paulista. A escolha para começar por São Paulo tem uma explicação: 40% do mercado de pagamento automático de pedágio nacional está no Estado, que movimentou R$ 5,2 bilhões em 2013.