Negócios

Carlos Wizard compra rede de lojas Mundo Verde

No fim do ano passado, quando vendeu o grupo Multi por quase R$ 2 bilhões para a britânica Pearson, no maior negócio de educação do País, Carlos Martins anunciou que tiraria um ano sabático. Desde dezembro, o empresário passou por lugares como Finlândia, China, República Checa e Havaí. Mas a promessa de ficar um ano longe dos negócios foi quebrada.

Oito meses após se desfazer do maior grupo privado de cursos de idiomas e de ensino profissionalizante no Brasil, dono de marcas como Wizard, Skill e Yázigi, Carlos Martins anunciou a compra da maior rede de produtos naturais e orgânicos da América Latina, a Mundo Verde. O negócio, que está sujeito à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), não teve valor divulgado.

“Meus filhos estavam ‘caçando’ oportunidades e nos identificamos com o conceito de alimentação saudável da marca”, afirma Martins. “Nosso conhecimento do setor de franquias, por sua vez, vai ajudar na expansão da empresa”, acrescenta. Com 335 lojas e um faturamento estimado para este ano de R$ 400 milhões, a rede pertencia desde 2009 ao fundo de private equity Axxon, que investiu na ocasião R$ 5 milhões na companhia, dona, na época, de 126 lojas. “Entramos em contato com eles há quase três meses e as negociações foram muito rápidas. Como pertencia a um fundo, a companhia já tinha balanço auditado e não corríamos o risco de encontrar surpresas”, explica Martins.

O empresário vai assumir a presidência do Conselho da empresa e seu filho, Charles Martins, ocupará a presidência executiva da rede. A meta dos novos donos, para 2018, é transformar a Mundo Verde em uma empresa de R$ 1 bilhão de faturamento, com cerca de 600 lojas. De acordo com o consultor Marcelo Cherto, apesar de ser líder isolada em seu setor, a rede tem ainda um grande potencial de expansão. “O setor de alimentação saudável cresce a taxas muito altas e a busca por mais saúde não é uma moda. É uma tendência mundial”, explica Cherto.

Para Cherto, o desafio da família Martins no controle da companhia é estender para os franqueados, de forma mais estruturada, ferramentas de controle financeiro, para organizar melhor estoques e fluxo de caixa. “O fundo de private equity já fez um grande trabalho lá dentro, ao criar uma central de compras e organizar a logística”, explica Cherto. “Depois dessa organização da estrutura central, o próximo passo seria pensar em cada lojinha.”

A Mundo Verde foi fundada em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, pela empresária Isabel Maria Antunes Joffe. Após uma temporada nos Estados Unidos, onde se interessou pelos alimentos naturais e orgânicos, Isabel decidiu abrir uma pequena loja. Seis anos depois, em 1993, a empresária decidiu dar início à rede por meio de franqueados.

Forbes

Na lista dos bilionários da revista Forbes desde que embolsou R$ 1,3 bilhão com a venda dos seus 78% no Grupo Multi (o restante pertencia ao Kinea, gestora de recursos do Itaú Unibanco), Carlos Martins possui ainda investimentos imobiliários e participação em empresas como a Vale Presente, uma parceira com a MasterCard. O empresário curitibano, de 57 anos, deu início ao grupo Multi nos anos 80, quando largou o emprego em uma multinacional para dar aulas particulares de inglês na sua própria casa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.