Negócios

Descobridor de talentos

O executivo Luis Rodrigues teve uma carreira discreta no voleibol. Como diretor da Nike, ele se transformou no principal caçador de craques do Brasil 

É difícil prever qual será o resultado obtido pela Seleção Brasileira de Futebol na Copa América, que acontece na Argentina. Mas a possibilidade de um jogador patrocinado pela americana Nike balançar as redes é muito grande. Afinal, nada menos que oito dos 11 titulares do time comandado por Mano Menezes são garotos-propaganda da fabricante de material esportivo baseada em Beaverton, no Estado americano do Oregon. No time atual, os holofotes estão direcionados para a dupla Neymar, 19 anos, e Paulo Henrique Ganso, 22 anos. Eles são as principais estrelas do portfólio de atletas patrocinados pela Nike do Brasil, composto por 200 esportistas. A maior parte deles foi incluída nesse grupo quando ainda não passavam de promessas. 

O responsável por garimpar os novos talentos cada vez mais cedo é Luis Alexandre Pontes Rodrigues, diretor de marketing esportivo da Nike. Como jogador de vôlei, seu maior feito foi a conquista da medalha de bronze no Pan-Americano de Indianápolis, em 1987. Mas é na posição de executivo que ele vem ocupando o lugar mais alto do pódio. À frente de uma equipe de dez funcionários, Rodrigues corre o Brasil em busca do que classifica como o “extracraque” – categoria na qual inclui, além dos citados acima, Ronaldo e Alexandre Pato. “Para entrar no time da Nike não basta ser bom de bola”, diz Rodrigues. 

 

72.jpg

Aposta de risco: “Quase todo dia alguém me liga dizendo que achou o novo Pelé”, diz Rodrigues

 

“Analisamos o aspecto técnico, mas também os vínculos familiares e a capacidade de atuar em equipe.” O trabalho executado pela divisão comandada por Rodrigues tem uma dinâmica muito particular. Exige faro apurado e uma rede de contatos em todos os cantos do País. É necessário, ainda, ter jogo de cintura para escapar das roubadas. “Quase todo dia alguém me liga dizendo que achou o novo Pelé”, afirma. Exageros à parte, é certo que seu telefone no escritório da Nike situado na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, é de longe o mais acionado na empresa.  

 

As sugestões, passadas por olheiros, são checadas com amigos e parceiros. Em seguida, Rodrigues ou um integrante de sua equipe vai a campo para entrevistar o atleta. A decisão final é tomada pelo sistema de colegiado, como forma de distribuir a responsabilidade e minimizar as falhas. “No ano passado, a cada quatro dias embarquei em um avião para acompanhar competições e observar atletas”, diz Rodrigues. Até integrar a galeria dos atletas que embolsam cifras milionárias, eles têm de percorrer um longo caminho. O primeiro contrato assinado com a Nike não prevê remuneração. O pagamento é feito por meio do fornecimento de material esportivo, além de roupas e calçados da linha casual da grife. 

 

73.jpg

 

 

Em um segundo momento, o salário pode variar, de acordo com o mercado, entre R$ 20 mil e R$ 30 mil por ano. Apenas quando o jogador se transforma em uma estrela é que as cifras se aproximam da casa do milhão de reais. Foi assim com Neymar, que ingressou no plantel da Nike em 2007. Somente dois anos depois, o moicano da Vila Belmiro começou a receber em espécie. Hoje, o craque do Santos e da Seleção Brasileira embolsa cerca de R$ 1 milhão por ano. Em todos os casos, o valor é sempre atrelado ao desempenho. 

Política considerada acertada pelo mercado. “Esse tipo de relacionamento ajuda na profissionalização do setor no Brasil”, diz o consultor José Carlos Brunoro, especialista em marketing esportivo. O departamento que hoje é comandado por Rodrigues surgiu em 1994. Naquele ano, a empresa enxergou a chance de marcar um gol de placa patrocinando a Seleção Brasileira. 

 

Afinal, o time canarinho sempre chega como um dos favoritos na Copa do Mundo, que, naquele ano, aconteceria na terra da Nike. Daí para a frente foi correr para a galera. Rodrigues não revela, mas sabe-se que a subsidiária contribui com uma parcela significativa das receitas da divisão que atingiram US$ 2 bilhões em 2010, um pouco mais de 10% das vendas globais, de US$ 19 bilhões.