Negócios

Stella Barros está de volta

Viaje para a Europa com a Stella Barros. Passe dias inesquecíveis no Caribe com a Stella Barros. Volte a Disney com a Stella Barros. Desde o começo de julho, os jornais exibem anúncios com os principais pacotes turísticos de uma das mais tradicionais agências do País. Só um detalhe: a Stella Barros faliu há um ano, vítima da derrocada de seu controlador americano, a Travel YA. Deixou órfãos vários franqueados ? obrigados a correr para outras empresas ? uma dívida R$ 14 milhões e clientes furiosos, que perderam dinheiro e tiveram que adiar suas viagens em virtude da situação da companhia. Mas a Stella Barros de agora é diferente. Na verdade, trata-se apenas do regresso da marca, adquirida num leilão, em fevereiro deste ano, por R$ 85 mil. O comprador foi a Assetur, agência de viagem que pertence ao grupo Asa, dono de seis companhias de turismo. O leilão foi realizado na véspera do último Carnaval e, segundo o mercado, poucos ficaram sabendo da disputa. Não demorou muito para surgirem as primeiras dúvidas sobre o negócio. ?O preço pago no leilão foi baixíssimo?, diz um executivo do setor. ?A marca Stella Barros foi avaliada, há poucos anos, em R$ 14 milhões?.

José Zuquim, presidente da Braztoa, entidade que reúne as operadoras de turismo, vai além. Em nota divulgada na semana passada, ele diz: ?A marca ?Stella Barros? foi adquirida em leilão por pessoas que já participaram societariamente daquela empresa no passado. A compradora tem como dono um ex-sócio da Stella Barros, Wagner Abrahão, além de Luís Barros, que trabalha na divisão de incentivos do grupo Asa, a Top Service?. Wagner Abrahão era acionista da SBTR (Stella Barros Turismo) e atuava no Rio de Janeiro. Luiz Barros era o sócio majoritário da Stella Barros. ?Ou seja, eles quebram e depois adquirem a marca, voltam a operar e fica tudo bem?, diz um concorrente. Procurados, os executivos da Assetur não quiseram se pronunciar. A única manifestação da empresa se deu em nota oficial, assinada pelo diretor geral Roberto Siqueira: ?A marca Stella Barros foi adquirida da massa falida, mediante autorização judicial, observando os princípios da legalidade. O sr. Wagner Abrahão não tem e nunca teve qualquer ligação com a Stella Barros Turismo Ltda. E o sr. Luiz Barros atua somente como funcionário de uma das empresas de nosso grupo?. Hoje, a Nova Stella Barros conta com uma modesta loja em São Paulo e outra no Rio. Siqueira diz que terá 50 unidades em cinco anos. Isso, se a concorrência deixar.