Negócios

A NOVA CHANCE DA LUCENT

Na história recente do capitalismo, algumas tragédias corporativas têm o poder de sintetizar uma era. A ascensão e queda da Lucent Technologies ? fabricante de equipamentos para infra-estrutura e redes de telecomunicações ? é uma delas. A companhia floresceu no rastro da ?exuberância irracional? e da bolha especulativa que acompanharam os mercados de telefonia e internet, chegando a exibir receitas de US$ 31 bilhões e ações cotadas a US$ 84 na Bolsa de Valores de Nova York. Mas no balanço de 2002, a realidade era bem diferente. O faturamento encolheu para módicos US$ 12,32 bilhões, enquanto os papéis da companhia despencaram para menos de US$ 1. Na última semana, a Lucent tentava virar mais uma página de sua curta e conturbada história. Henry Schacht, o homem-forte da empresa e que ocupava a presidência do conselho de administração, passou o bastão para sua pupila Patricia Russo. Ela assume com prestígio suficiente para acumular a chefia de operações e a presidência da empresa. Caberá a esta executiva levar adiante o doloroso processo de reestruturação ? cujo cardápio incluiu venda de ativos, demissão de funcionários e corte de despesas ? e finalmente cumprir a promessa feita aos investidores de recolocar as contas no azul. Essa tem sido a obsessão da dupla desde que Schacht retornou à Lucent, no final de 2000, para arrumar a casa.

Pat Russo não perdeu tempo. Reuniu os principais acionistas da Lucent, na semana passada, para contar seu plano de ação. Para começo de conversa colocou todos os números na mesa: ?Temos US$ 4,4 bilhões em caixa, montante suficiente para bancar nossas necessidades operacionais até o final do ano, sem recorrer a empréstimos bancários?, garantiu ela. Disse também que o pesado ajuste ? que culminou em uma redução superior a US$ 4 bilhões nas despesas fixas ? não comprometeu a competitividade da companhia. Isto porque, apesar de Schacht ter ?cortado no osso?, algumas áreas vitais como a Bell Labs, o braço de pesquisa da Lucent, foram preservadas. Com isso, será possível continuar brigando em pé de igualdade com as rivais Alcatel, Nortel, Siemens e Ericsson. ?Nossa prioridade é voltar a ter lucro em nosso balanço. E isso será conseguido até o final do ano?, garantiu.

Pat também fez uma avaliação de cada uma das regiões onde sua companhia opera. Ao que tudo indica, o Brasil não representará grande preocupação. ?Ela (Pat Russo) conhece e apóia o trabalho realizado pela filial brasileira?, garante Virgílio Martins, diretor de Marketing e Relações Públicas da Lucent no Brasil. O tal trabalho, de que fala Martins, pode ser resumida em uma única palavra: criatividade. Aproveitando-se da infra-estrutura montada no País ? onde já investiu US$ 250 milhões, desde que instalou sua fábrica em Campinas (SP), em 1997 ?, a companhia decidiu ir atrás de clientes mundo afora. ?Estamos exportando equipamentos para China, Índia, Guiné Bissau, Indonésia e os Estados Unidos?, festeja José Roberto Campos, presidente da Divisão de Soluções para Redes Integradas da Lucent. No ano passado, as vendas externas garantiram receita líquida de R$ 90 milhões, 170% acima de 2001. ?Nosso carro-chefe são as estações rádio-base e as centrais de comutação para telefonia fixa?, completa o executivo.

Além disso, a filial também decidiu ampliar a linha de itens fabricados aqui, incluindo a família de equipamentos para o segmento de banda larga (que permite a transmissão de dados e voz em altíssima velocidade). Desta forma, Campos espera levar vantagem sobre as concorrentes que importam esses produtos. Uma estratégia acertada, segundo o analista da área de telecomunicações da consultoria Frost & Sullivan, Paulo Hoffman: ?Boa parte dos investimentos das operadoras de telefonia fixa, neste ano, deverá ser direcionada para esta área?, aponta.

Veja também

+ Bolsonaro posta foto com filha e rebate crítica: “Já tomou Caracu hoje?”

+ Faça em casa receita de pudim com milho e leite condensado

+ Ex-capa da Playboy é presa acusada de tráfico de drogas em rede de prostituição

+ Com bumbum à mostra, Ivy Moraes filosofa no Instagram

+ Saiba por que as farmacêuticas vêm testar vacinas no Brasil

+ Namorada de Marco Verratti exibe fotos sensuais

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Auxílio emergencial: Caixa credita hoje parcela para nascidos em janeiro

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?