Negócios

L’OCCITANE DÁ UM BANHO NO MERCADO

Em 1976, o estudante de literatura Olivier Baussan instalou uma destilaria na garagem de sua casa no sul da França e iniciou a criação de sabonetes e óleos essenciais de forma quase artesanal. Meio filósofo, meio poeta, ele não acreditava que aquela aventura poderia realmente se tornar um negócio. Mas foi o que aconteceu. A L?Occitane é hoje uma rede de perfumaria e cosméticos de gabarito internacional: mais de 200 lojas instaladas em 42 países. Inclusive no Brasil, onde dez unidades foram abertas pela dupla Silvia Gambin e Alberto Rebollo, associados da grife francesa desde 1996. ?Como todos os produtos são naturais, os brasileiros se identificaram com a marca?, afirma Silvia. Não foi ao acaso que os franceses escolheram São Paulo como sede da primeira experiência da empresa com um megaespaço, onde quatro ambientes estarão reunidos. Além da própria loja, contará com uma área com cerca de 50 tipos de azeite de oliva e vários complementos, um restaurante e um spa. Em novembro, os empresários abrirão o En Provence, num casarão de mais de 400 metros quadrados no bairro paulistano dos Jardins.

Inspiração. Para erguer o espaço, cerca de R$ 1 milhão foram investidos no negócio. ?Nós apresentamos a proposta e a matriz gostou?, confidencia Silvia. Para chegar ao modelo final, porém, ela e o colega empresário se inspiraram numa butique de azeites que Baussan criou há três anos na França e expandiu por outros nove países, como Bélgica, Áustria e Japão. Nos próximos anos, além de fazer com que o novo empreendimento ganhe a adesão dos brasileiros ? que não têm por aqui algo similar ? a dupla planeja dar uma arrancada na rede de lojas tradicionais. ?Em quatro anos, abriremos mais 20 unidades?, prevê Rebollo. Até o momento, os investimentos da L?Occitane no mercado nacional consumiram cerca de R$ 4,5 milhões. É mais uma tacada da queridinha de estrelas como Madonna, Julia Roberts e Leonardo Di Caprio.