Tecnologia

Maior banco de moeda virtual Bitcoin pede concordata no Japão

 Mt. Gox teve prejuízo de US$ 500 milhões. Executivo da plataforma tenta não relacionar problemas financeiros com a moeda virtual

Maior banco de moeda virtual Bitcoin pede concordata no Japão

A plataforma bancária de Bitcoins Mt. Gox pediu concordata nesta sexta-feira 28, no Japão. A japonesa, que era um dos maiores bancos da moeda virtual, foi atacada por hackers e 850 mil unidades da moeda foram roubadas. Hoje, elas valeriam cerca de US$ 500 milhões.

Mark Karpeles, presidente do Mt. Gox, disse que o acontecido com seu banco foi um evento pontual e tentou amenizar a imagem do Bitcoin, que anda arranhada. “O mercado de Bitcoins continua forte e saudável”, disse.

Os ataques com sucesso a redes da deep web e bancos de bitcoins estão cada vez mais frequentes. O número de carteiras da moeda virtual sem lastro que foram limpadas por bandidos da rede já é considerável. Além do Mt. Gox, o Bitstamp, outro banco de Bitcoins, teve perdas milionárias.

Com os casos, a moeda começou a perder a confiança de alguns de seus usuários. Para piorar, geralmente esses ataques ficam sem solução e geram desconfiança dos usuários nas próprias plataformas. “Seria muito fácil para um banco de Bitcoin sumir com o dinheiro e culpar hackers”, afirmou o investidor londrino Kolin Buges.

Buges saiu de sua cidade para ir até o Japão, acompanhar de perto o trabalho dos responsáveis pelo MtGox em recuperar os valores roubados do banco de Bitcoins. Ele tinha US$ 155 mil guardados na plataforma. “Eu quero meu dinheiro de volta”, disse. “O MtGox terá que me pagar.”

O Bitcoin não tem lastro. A credibilidade da moeda está creditada em um cálculo matemático. Ao que parece, contudo, hackers estão cada vez mais perto de arrumar maneiras de burlar essa conta. Tanto que notícias de Bitcoins falsas já são mais frequentes.

A desconfiança crescente dos usuários começou a afetar o valor da moeda. No final de 2013, uma Bitcoin estava avaliada em cerca US$ 1 mil. Hoje, ela vale cerca de US$ 600. Cerca de 40% de desvalorização em um mês.

A queda de valor e de confiança nesse período pode ser crucial para o avanço do Bitcoin como opção de pagamento online e até offline. Hoje, cerca de 3 mil estabelecimentos físicos espalhados pelo mundo, e das mais diversas finalidades, aceitam Bitcoin. “O motivo principal para o declínio de moedas alternativas é a baixa aceitação”, afirmou o historiador Dave Lee.

No caso do Bitcoin e da deep web, a defesa contra os hackers são os próprios hackers. Os especialistas em tecnologia – e hackers – por trás do novo Silk Road, todos anônimos, postaram uma série de possíveis soluções no blog da plataforma. Entre elas, eles querem desenvolver uma maneira de guardar seus Bitcoins offline. Segundo eles, a internet é muito perigosa. 

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?