Geral

Imposto preguiçoso e perigoso

Alguns governadores eleitos apoiam a volta da CPMF 

Curiosamente, os que defendem a recriação do imposto são da base governista. A CPMF é, à primeira vista, um imposto quase inofensivo e preguiçoso, mas que incide em toda a cadeia produtiva. A saída é uma só: a realização de uma efetiva reforma tributária. A simples discussão sobre a volta da CPMF é uma afronta ao povo brasileiro. Autoridades do governo recém-eleito têm que investir tempo em discutir a reforma tributária e encaminhar o tema ao novo Congresso.

 

 

1 – Big business

Vendida

 

A coluna Líderes antecipou aqui em abril que a Wizard, de Carlos Martins, negociava a aquisição da rede de idiomas Yázigi.  Dito e feito. O Grupo Multi, dono da Wizard, acaba de anunciar a compra da Yázi-gi, uma transação avaliada em R$ 100 milhões. A aquisição fará o faturamento do grupo saltar para R$ 2,3 bilhões. Martins fechará 2010 com 3.520 unidades de ensino na América Latina, EUA, Ásia, África e Europa.

 

 

2 – Luxo

Novos voos

 

A Singapore Airlines, melhor companhia aérea do mundo, finalmente começará a voar para o Brasil. A partir de março de 2011, seus luxuosíssimos Boeing 777 farão três voos semanais no trajeto Cingapura/Barcelona/São Paulo. O nível de conforto a bordo da Singapore é extraordinário e o de exigência também. Para se ter uma ideia, as comissárias de bordo começam a trabalhar com 18 anos e são obrigadas a se aposentar com 25! 

 

11.jpg

 

 

3 – Saúde

Apagão

 

Brasileiros que estiveram na Walt Disney World, em Orlan-do, nos Estados Unidos, no último final de semana, ficaram impressionados com a constatação: de cada dez americanos, oito estavam acima do peso. Se o Magic Kingdom fosse um spa, 80% dos americanos estariam convidados a frequentá-lo para perder peso. E muito peso. A síndrome da obesidade já atinge a todos: idosos, jovens e crianças.

 

 

4 – Turismo

Disney VIP

 

Dica preciosa para quem não quer enfrentar as filas nos parques em Orlando. A Walt Disney World oferece serviço vip, com “personal guides”, que falam português, orientam e acompanham os turistas nas melhores atrações. Você faz num dia o que faria em três. O serviço varia de US$ 175 a US$ 315 por hora. Não é barato, mas vale a pena. 

 

10.jpg

 

 

5 – Bebidas 

Apagão

 

A LVMH prevê um apagão de espumantes e champanhes neste final de ano. As causas? No Brasil, as fortes chuvas que comprometeram a safra da uva e o crescimento de 20% da demanda, acima da capacidade produtiva do setor. Na França, a produção limitada de champanhe, que tem a Chi-na como megamercado. 

 

9.jpg

 

 

6 – Crédito

Pequenos em alta

 

O Santander atingiu uma carteira de R$ 7 milhões em microcrédito em São Paulo. Mais de quatro mil pequenos empreendedores são atendidos no Estado, principalmente em comunidades carentes como Heliópolis, Paraisópolis e Brasilândia, na capital paulista. As mulheres representam 69% dos clientes. 

 

14.jpg

 

 

7 – Calçados

Maianização

 

A Vulcabras, detentora da marca Azaleia, está “baianizando” sua produção. De olho no potencial do quarto maior exportador de calçados do País, levará 20 fornecedores para a Bahia nos próximos cinco anos. O grupo também está estimulando o surgimento de fornecedores locais. A Vulcabras faturou R$ 1,7 bilhão no acumulado dos últimos nove meses.

 

 

8 – Green business

Só cresce

 

Após o lançamento de sua linha de artefatos de papel, a KM Papel, de Daniel Klabin Wurzmann, única fabricante do País de papel reciclado branco para livros, cadernos e papel cut size, viu seu faturamento aumentar significativamente. A previsão é fechar o ano com receita de cerca de R$ 100 milhões.

 

 

9 – Alimentos

O dobro

 

A Gran Sapore, comandada por Daniel Mendez, fechará 2010 com quase o dobro do fa-turamento do ano passado: mais de R$ 1,7 bilhão.O desempenho deve-se ao seu braço Sapore Benefícios, criado em 2009 com a compra da gaúcha BQ, que ultrapassará a marca de R$ 700 milhões neste ano.

 

15.jpg

 

 

10 – Food

Teen Power

 

De olho nos mais de 15 milhões de pré-adolescentes que movimentam US$ 2 trilhões por ano em todo o mundo, a Brasil Foods resolveu mudar o conceito de suas linhas voltadas para esta faixa etária. Começou investindo R$ 8 milhões para reposicionar a marca Batavito, apostando pesado na interação produto/cliente em redes sociais. A companhia de Luiz Fernando Furlan quer ser re-ferência para este público.  

 

 

11 – Destino

Kirini Hotel, Santorini, Grécia

 

Casinhas brancas que se equilibram nos rochedos. Esse é o retrato de Santorini, uma das muitas – e lindas – ilhas gregas. Instalado numa casa de arquitetura típica, o Kirini Hotel é membro do Relais e Châteaux e transmite uma sensação de calma e sossego. As suítes avarandadas se abrem para os vulcões e o mar Egeu. Delícias gregas são oferecidas no bar do hotel, com vista para a enorme piscina de borda infinita. No intimista Basilico Gour-met, os jantares são servidos ao ar livre e à luz de velas. Diárias a partir de 415 euros.  

www.kirini.com

 

13.jpg

 

 

12 – Hotelaria 

Fome

 

Sol Meliá alcançou a posição de empresa espanhola de maior presença internacional. Nos últimos dois anos in-corporou um hotel por mês à sua rede. No Brasil, o grupo anunciou um megaresort na praia de Guaraju-ba, no belo e badalado litoral norte da Bahia.

 

 

13 – Objeto de desejo

Luxo al mare

 

The Beluga: Emperor of the Seven Seas. Assim é chamado o lançamento do iate de luxo que ganhou o título de Melhor Conceito de Superiate de uma das mais importantes feiras do setor, a Monaco Boat Show. Cinco megassuítes, biblioteca, sala de cinema, spa, academia, piscina de 14 metros, estufa, horta e uma boate completa são os destaques desse rei dos mares, que intencionalmente lembra uma baleia beluga.Quem pagar a bagatela de US$ 200 milhões leva para casa o que há de mais atual em design e luxo do setor náutico em todo o mundo.

 

8.jpg

 

 

14 – Entrevista

 

A Omint, operadora de saúde líder no segmento de alto padrão, completa 30 anos e comemora faturamento de R$ 550 milhões e 100 mil vidas em carteira. Confira na entrevista com Juan Carlos Villa Larroudet, presidente da Omint. 

 

12.jpg

Juan Carlos Villa Larroudet, presidente da Omint

 

Líderes – Qual a importância das operações brasileiras para a Omint? 


Juan Larroudet – A Omint completa 30 anos em 2010 e vive um ótimo momento no Brasil. Cresceu 11% no primeiro semestre de 2010 em relação ao mesmo período do ano passado. O número de vidas também aumentou. A operadora fechou o semestre com 92 mil associados, número 6% superior ao registrado em 2009. Vamos fechar o ano com faturamento de R$ 550 milhões e 100 mil vidas em carteira distribuídas principalmente em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Brasília.  

 

 

Líderes – Como se diferenciar num mercado tão competitivo? 


JL – Ao continuar oferecendo serviços e produtos exclusivos, diferenciados e de alta qualidade para nossos clientes. Somos os líderes do nicho de alto padrão, mas ainda temos muito que caminhar. Precisamos fazer com que mais pessoas conheçam nossos produtos. Vamos continuar trabalhando para oferecer mais serviços. Nossa missão para 2011 é continuar fazendo um bom trabalho.

 

 

Líderes – Quais as novidades para 2011?


JL – Estamos estendendo nossa rede de atendimento no Exterior para poder acom-panhar nossos associados em suas viagens. Queremos estar muito perto deles para ajudá-los caso necessitem. O que iremos oferecer é muito mais que um seguro de saúde interna-cional. Nossos clientes terão cobertura completa fora do Brasil, uma extensão de nossos cuidados no Exterior.

 

 

Aprovado


FICA - Acertada a decisão de Dilma Rousseff de manter Guido Mantega no comando do Ministério da Fazenda. Ela deu o primeiro sinal ao mercado da política econômica que vai adotar.

 

Reprovado


CREDIBILIDADE ZERO - A Deloitte falhou feio em não identificar o rombo no banco de Silvio Santos. A gigante não apontou os problemas que o PanAmericano tinha ao auditar o balanço de 2009. Deu no que deu.

 

“Faça o que puder, com o que tiver, onde estiver” – Theodore Roosevelt

 

Com Mariana Garbin e Daniela Filomeno Pereira