Investidores

A retomada dos IPOs

Animadas por melhores expectativas para a economia, empresas brasileiras ensaiam uma volta ao mercado de capitais, diante de um renovado apetite de investidores estrangeiros

A retomada dos IPOs

IPO da Alliar, em outubro: até agora, o único lançamento do ano (foto: Divulgação)

Na noite de quarta-feira 7, Luiz Alves, gestor do fundo Versa, da GTI Investimentos, dormiu pouco. Como muitos analistas e gestores, ele varou a madrugada analisando as centenas de páginas do prospecto da Oferta Pública Inicial ações (IPO, na sigla em inglês) da construtora Tenda, divisão de moradias populares da Gafisa. Como o Versa investe na Gafisa, Alves precisava decidir se exerceria seu direito de preferência na compra dos papéis da Tenda, que deve ocorrer ainda neste ano. O prospecto também foi objeto de estudos de Guilherme Vilazante, analista de construção civil da empresa de análise financeira independente Eleven Financial.

Veterano de mercado, Vilazante se dividiu entre o calhamaço e a votação da mesa diretora do Senado que definiria a permanência ou não de Renan Calheiros no comando da Casa. Ele recomenda a compra da ação da Tenda. O preço de lançamento esperado é de no máximo R$ 16,50, mas o papel tem possibilidades de valorização de 43%, a R$ 24,00. “A controladora, a Gafisa, precisa vender ativos para reduzir seu endividamento. Mas a Tenda passou por uma reestruturação bem sucedida e já opera com rentabilidade e índices de eficiência superiores à média do setor”, escreveram Vilazante e Raul Grego Lemos, em um relatório ao qual DINHEIRO teve acesso.

Procurada, a Tenda não comentou devido ao período de silêncio obrigatório que antecede os lançamentos. O interesse renovado dos profissionais de mercado tem uma justificativa muito clara. A abertura de capital da Tenda deve medir o apetite dos investidores estrangeiros por companhias brasileiras que estréiam em Bolsa. Devido à crise, o período entre 2014 e 2016 foi tenebroso para o mercado de capitais. Houve apenas um IPO por ano: o da Ouro Fino Saúde Animal em 2014, o da Par Corretora, ligada à Caixa Econômica Federal, em 2015, e o da companhia de medicina diagnóstica Alliar, em outubro passado. Um IPO bem-sucedido poderá destravar diversos processos.

Entre eles, o da gestora de condomínios logísticos Log Commercial Properties, o das locadoras de veículos Unidas e Movida, controlada pelo grupo JSL. Sérgio Fischer Teixeira de Souza, CEO da Log, confirmou o interesse em abrir capital quando o mercado se mostrar favorável. “Os recursos financiariam nosso plano de expansão, que prevê a duplicação da Área Bruta de Locação (ABL) dos atuais 700 mil metros quadrados para 1,5 milhão de metros quadrados em cinco anos, dependendo da demanda e das condições do mercado”, diz ele. Segundo Ana C. Ribeiro, da empresa de análise Capright, a diversificação geográfica é um dos pontos positivos da Log.

O fiel dessa balança, o interesse dos estrangeiros, parece estar favorável. “A manutenção de Renan Calheiros à frente do Senado foi bem-vista pelos estrangeiros, que interpretaram a decisão do Supremo como uma prova de estabilidade”, diz Adeodato Netto, chefe de mercado de capitais da Eleven. Para ele, a janela para novos IPOS está aberta, mas os investidores estão buscando companhias com bons fundamentos: endividamento baixo, receitas regulares e modelo de negócio sólidos. “Há apetite por Brasil”, diz ele. Alguns IPOs já estão bem adiantados.

Executivos da Sanepar, a companhia estatal de saneamento do Paraná, fizeram apresentações para investidores na semana passada. Já listada em Bolsa, a Sanepar busca dinheiro novo. Procurada, a empresa não comentou. A JBS divulgou um fato relevante na terça-feira 6, informando sua intenção de listar, na Bolsa de Nova York, a subsidiária JBS Foods International. A companhia vai reunir todos os negócios internacionais da JBS e a divisão de alimentos processados Seara. Outras aberturas esperadas pelo mercado são a da companhia aérea Azul e a da divisão da BRF que produz alimentos adequados aos preceitos islâmicos, conhecidos como halal. Procuradas, Movida, Unidas, JBS, Azul e BRF não comentaram.

—–

Quem vem lá
As próximas aberturas de capital:

Sadia Halal - Alimentos
Log Commercial Prop. – Galpões
Movida - Locação de Veículos
Sanepar - Saneamento
Tenda – Construção Civil
Unidas – Locação de Veículos

Fonte: analistas