Investidores

10 perguntas para Cássia D’ Aquino

A consultora de finanças pessoais Cássia D?Aquino vai direto ao ponto: para ter saúde financeira, não basta organizar um orçamento mensal. É preciso, em primeiro lugar, uma auto-análise profunda sobre as crenças e influências que determinam seu relacionamento com o dinheiro. O início do ano pode ser um bom momento para iniciar essa avaliação e começar a poupar. Para que o projeto não fique apenas na promessa, Cássia listou à DINHEIRO algumas recomendações úteis.

Qual o primeiro passo para quem pretende aproveitar a virada de ano para organizar
a vida financeira?
A primeira atitude é refletir sobre por que você está numa situação ruim ? quais as influências e práticas em relação ao dinheiro que estão na base do seu modo de lidar com a moeda.

Identificadas as causas da dificuldade de se organizar, qual é a próxima medida?
É preciso se perguntar, honestamente, se você realmente deseja a mudança,
se está disposto a comprar esse desafio. Só depois de responder a essa questão
é que se deve passar à ação.

Que atitudes práticas podem ser adotadas de imediato?
Primeiro, faça uma lista de todos os cheques pré-datados do Natal e reserve dinheiro para eles. Depois, pague as contas urgentes. Fixar um orçamento básico é essencial. Ponha numa planilha todas as despesas e fontes de receita.

Algumas pessoas desanimam só de pensar em elaborar uma planilha…
É chato mesmo. Mas não tem mágica. Só existe duas maneiras de equilibrar o orçamento: aumentar os ganhos ou cortar despesas. Para isso, é preciso conhecer sua real situação financeira.

Muita gente desiste do plano porque estabelece metas inatingíveis.
O segredo é estabelecer objetivos de curto prazo. Economizar é como fazer exercício físico: se você não faz há 10 anos, não adianta querer começar com 300 abdominais. Você não vai juntar R$ 1 milhão no primeiro ano.

Quais são os outros erros comuns?
Achar que só o fato de ter uma poupança já é suficiente. É muito comum pessoas que têm dívidas e aplicações ao mesmo tempo, o que é absurdo. Primeiro, pague todas as dívidas e depois comece a poupar.

Há boas chances dessa decisão ser mantida ao longo do tempo?
Promessas desse tipo são como dieta. No começo, você jura que atingirá seus objetivos. Mas, em geral, desiste no primeiro obstáculo. O segredo é concentrar a atenção no resultado que o planejamento financeiro irá trazer.

Iniciar o processo é a etapa mais difícil da mudança?
Sim, a tomada inicial de consciência requer coragem. É nessa hora que você descobre quais são aquelas pessoas que ?moram? dentro de você ? pai, mãe, marido, etc. ? e que influem nas suas crenças sobre dinheiro, mesmo de forma inconsciente.

Como manter a motivação depois de passada a euforia inicial?
Em geral, se a pessoa cumpre a proposta durante três meses, ela consegue continuar. Mas, se você extrapolar o limite, não se culpe. A dificuldade de se
planejar é uma síndrome nacional.

Há um senso comum de que certas pessoas não têm habilidade para organizar as finanças.
Lidar com dinheiro não é algo nato. Todo mundo precisa aprender. Em educação financeira, há quatro princípios básicos: aprender a ganhar dinheiro, aprender a gastar, poupar e, principalmente, aprender a doar.