Investidores

Compre sua casa por consórcio

Comprar um imóvel por consórcio sempre foi mais barato do que por meio de financiamento. Se não fosse assim, o que justificaria então uma pessoa esperar muitos meses (algo como 180) para ter as chaves nas mãos, sem sequer poder acompanhar passo a passo a obra? Enquanto num financiamento você tem uma data definida para receber a sua nova casa ? não mais que dois anos ? num consórcio é difícil de prever. Isso vai depender do sorteio ou se o seu lance for o maior do mês. Mas, se o tempo realmente não é problema, eis uma boa notícia: com a queda dos juros, as administradoras passaram a sugerir a troca do índice que reajusta as prestações. No lugar do Índice Nacional da Construção Civil (INCC), que mede a variação dos preços de materiais de construção, passaria a ser usada a TR. Essa alteração significa uma economia de até 35% para quem escolher o consórcio no lugar do financiamento.

?Com essa diferença, qualquer pessoa deveria pensar duas vezes antes de comprar uma casa?, diz Eriodes Battistella, presidente da Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac). Para entender bem o peso dessa mudança no seu bolso, é só comparar a variação dos índices nos últimos doze meses. A TR teve variação de 2,38% e o INCC variou 8,38%. Na compra de um imóvel de R$ 130 mil, por exemplo, a economia com a troca de índice é de mais de R$ 100 mil.

Se você ficou interessado, mãos à obra. A iniciativa de pedir a troca dos índices deve partir dos consorciados. A proposta precisa ser aprovada pela maioria do grupo. Mas, como toda mudança, a alteração também tem seu risco: o de redução do poder de compra. Assim como corrigem as prestações, os índices atualizam o valor da carta de crédito. Com os reajustes pela TR, esse crédito talvez não seja suficiente para comprar o que você tinha imaginado no princípio já que o valor de mercado dos imóveis acompanha o INCC. ?O índice da construção civil reflete melhor a variação do bem que o consorciado precisa adquirir?, diz Basílio Jafet, vice-presidente do Secovi, sindicato das incorporadoras e imobiliárias. ?É um risco que é preciso ser pesado.?

É isso que tem feito o advogado Geraldo Zwicker, de São Paulo. ?Preciso ter certeza de que a mudança não é um benefício apenas temporário.? Ele entrou num consórcio há um ano, deu um lance de 20% nos primeiros quatro meses e já está reformando a casa de R$ 50 mil onde será seu escritório. Mas ainda faltam 46 prestações de R$ 774. ?O único aspecto que faria a TR disparar em pouco tempo seria a retomada da alta dos juros?, diz Miguel de Oliveira, vice-presidente da Anefac, associação dos executivos em finanças. Outro ponto: nos financiamentos você tem mais tempo para pagar a dívida ? até 30 anos. As administradoras de consórcio não fecham grupos por mais de 15 anos.