Finanças

“Eu desafio a BM&FBovespa”

Enquanto engolia a Cetip, a BM&FBovespa atuava para impedir a entrada de um concorrente no País. Agora, a americana ATS recorre ao Cade contra práticas desleais e Arthur Machado, seu CEO no Brasil, parte para a briga

“Eu desafio a BM&FBovespa”

Arthur Machado, presidente da ATS Brasil: “A BM&FBovespa não pode querer ser a única participante do mercado brasileiro de capitais” (foto: Claudio Gatti)

Um documento encaminhado pela BM&FBovespa, em outubro do ano passado, provocou a ira nos executivos da Americas Trading System (ATS). Após 10 meses de intensas negociações para a prestação de um serviço para o lançamento de uma nova bolsa de valores no mercado brasileiro de capitais, a companhia presidida por Edemir Pinto, mesmo obrigada por lei, se recusava a oferecer sua infraestrutura à candidata a concorrente. A decisão era o que faltava para a ATS entender que a BM&FBovespa está disposta a atrasar a chegada de qualquer novo participante.

Desde então, o presidente da ATS Brasil, Arthur Machado, ex-sócio da Ágora Corretora (vendida para o Bradesco em março de 2008, por R$ 830 milhões), trabalha para reverter essa barreira. Praticante de artes marciais, ele não se intimida quando alguém o convoca para a briga. Mas, neste caso, Machado foi em busca de um árbitro: abriu um processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), protocolado na tarde de quinta-feira 7, questionando as práticas anticoncorrenciais impostas, segundo ele, pela BM&FBovespa.

“Por ser monopolista, a força da BM&FBovespa é muito grande”, diz Machado. “Ela tem fins lucrativos e sua agenda prioritária são seus negócios privados, não o desenvolvimento do mercado. Por isso, ela não pode querer ser a única participante.” Desde que anunciou a criação de uma nova bolsa de valores, há quase quatro anos, a ATS, joint venture entre o grupo Americas Trading Group e a NYSE Euronext, dona da bolsa de Nova York, encontrou uma barreira quase intransponível no mercado brasileiro, que está além da regulação: a intransigência da BM&FBovespa.

Dona de um lucrativo monopólio, que se aprofunda com a fusão bilionária com a Cetip (leia reportagem aqui), a bolsa comandada por Edemir Pinto atua sozinha nas três infraestruturas básicas que formam esse mercado: negociação de compra e venda de ações; liquidação e compensação (chamadas de clearings); e custódia de títulos. Em mercados mais desenvolvidos, como nos Estados Unidos, liquidação, compensação e custódia são considerados serviços de utilidade pública e prestados por uma empresa, ao contrário da Europa, que deixa a competição aberta entre as clearings. 

Em todos eles, claro, há mais de uma bolsa para negociação de ações. No Brasil, tudo fica sob uma única empresa. E até a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), que foi uma empresa separada até 2008, acabou incorporada para atender apenas aos interesses da BM&FBovespa . “Não há lucro em clearing e custódia para haver competição, mas a BM&FBovespa quer manter sua estrutura verticalizada e monopolista e não fornecer esses serviços”, acusa Machado. “O efeito é que o Brasil ficou com um mercado de capitais extremamente concentrado.”

No documento de 307 páginas entregue ao Cade, a ATS questiona, especificamente, a recusa da BM&FBovespa de prestar o serviço de custódia para uma nova bolsa de valores. Anteriormente, a empresa sediada no centro velho de São Paulo já havia abdicado de oferecer a liquidação e a compensação. Isso só seria possível quando a unificação de suas quatro clearings, uma antiga demanda das corretoras para acabar com duplicidades e liberar garantias financeiras depositadas, estivesse finalizada. O projeto, que era para ter terminado em 2014, continua inacabado.

A ATS entendeu que a legislação brasileira não era contrária à competição entre clearings e decidiu investir R$ 100 milhões na criação de um negócio próprio, igual ao da BM&FBovespa. “O trâmite burocrático entre a CVM e o Banco Central não é trivial. São muitas etapas a cumprir, com muita complexidade”, diz Caio Weil Villares, presidente da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias. “Viabilizar uma nova bolsa demanda muito tempo e investimento.”

A Americas Clearing System (ACS), da ATS, foi criada para evitar uma longa disputa com a BM&FBovespa e para obter a licença do BC, que cuida da segurança sistêmica do mercado. Mas a autoridade monetária exige que, antes de dar a chancela a uma nova clearing, sejam entregues os detalhes operacionais e técnicos de como o serviço de custódia será ligado à liquidação. É um raio-x preventivo para o BC visualizar como será o controle de registro e de guarda dos títulos negociados. O problema é que a BM&FBovespa não aceita acordo prévio com a ACS, travando a chancela do BC.

Em documento assinado por Cícero Augusto Nunes Vieira Neto, diretor executivo de operações, clearing e depositária, a BM&FBovespa disse em outubro passado que “avaliará a formalização de proposta de prestação de serviços de depósito centralizado para a ACS somente após obtida a autorização junto aos órgãos reguladores competentes, para funcionar como entidade de compensação de liquidação”. Resultado: a ACS não consegue sair do papel. “A BM&FBovespa utiliza uma série de práticas anticoncorrenciais, que culminam na depositária”, acusa Machado.

“A lei é clara e específica sobre a custódia, obrigando o acesso de forma igualitária e concorrencial a todos, mas a BM&FBovespa tem uma interpretação diferente. E, como não existo, não negocia comigo.” Nos últimos anos, a ATS não foi a única a ter problemas para a criação de uma nova bolsa no País. A operadora Bats Global Markets havia se associado à gestora de recursos Claritas, em 2011, para o lançamento de uma concorrente à BM&FBovespa. Pessoas que participaram do projeto disseram à DINHEIRO que a deterioração da economia e as barreiras de acesso à infraestrutura local, que exigiriam um grande aporte de recursos, levaram às empresas a desistir do negócio (procurada, a Claritas não quis se manifestar).

A parceria com a NYSE permite à ATS ter fôlego financeiro e paciência para aguentar a disputa. “A união entre a Cetip e BM& FBovespa dificulta a chegada de qualquer concorrente estrangeiro, pois é muito difícil começar um projeto do zero”, diz Raymundo Magliano Neto, presidente da Magliano Corretora. “A concorrência melhora a competição, por isso sou contrário à fusão e ao monopólio.” Seu pai, Raymundo Magliano Filho, foi presidente da Bovespa. Procurado pela DINHEIRO na semana passada, Edemir Pinto não concedeu entrevista.

Em carta enviada à revista, em novembro de 2015, ele contestou a reportagem “O monopólio da Bolsa”, que mostrava a concentração de mercado que ocorreria com a fusão com a Cetip. Ele afirmou que “o mercado de ADRs norte americano transaciona um volume financeiro superior ao da BM&FBovespa em ações de companhias brasileiras. Portanto, esse ‘monopólio’ mencionado pela revista não se confirma”. Não é bem assim. Os participantes brasileiros não podem acessar o mercado externo diretamente e com a mesma facilidade. As corretoras, por exemplo, ficam reféns do único local de negociação, que não atrai empresas estrangeiras para lançar seus BDRs (Brazilian Depositary Receipt), como a bolsa americana faz com as brasileiras.

Para o presidente da megabolsa nacional, “a combinação das centrais depositárias da Cetip e da BM&FBovespa de forma alguma constituirá obstáculo para o surgimento de novas bolsas concorrentes no Brasil. Isso porque a Instrução da CVM 541, de 20/12/2013, obriga as centrais depositárias a prestar serviços para outras bolsas ou contrapartes centrais (clearings) estabelecidas no Brasil”. Até agora, porém, os concorrentes não viram as palavras de Edemir Pinto se transformarem em prática.

—–

“O mercado de capitais brasileiro é do tamanho da Mongólia”

Arthur Machado, sócio fundador da ATS Brasil

Como o sr. avalia a fusão entre a BM&FBovespa e a Cetip?
Se eu fosse acionista das duas empresas acharia excepcional fazer um gigante. Mas para o mercado é horroroso, porque a agenda anticoncorrencial vai aumentar. A BM&FBovespa criará uma agenda infinita de projetos tecnológicos para nunca chegar à abertura de mercado. O que ela quer é garantir uma barreira de entrada enorme. Sem falar que pagar ágio em monopólio é a antecipação de uma política de aumento de preço. Sem a abertura, o mercado brasileiro de capitais vai continuar concentrado, pequeno e sem exercer seu papel para ajudar a economia do País.

Por que a bolsa brasileira é um monopólio se há concorrência da bolsa de Nova York, onde há várias empresas listadas?
Não é verdade. Ela é monopolista porque os investidores brasileiros não podem comprar ativos no exterior. Os investidores institucionais até conseguem, mas é uma compra limitada e controlada. Todos são reféns de um único agente. A BM&FBovespa só não é monopolista para os IPOs.

Qual é a consequência de uma única bolsa no País?
O efeito é que o Brasil ficou extremamente concentrado, com números que não representam a economia. O País está entre as maiores economias do mundo e tem um mercado de capitais do tamanho da Mongólia ou do Vietnã. O volume de mercado em relação ao PIB é muito pequeno. No mercado de ações são 10 empresas que fazem mais da metade do volume; em contratos futuros, apenas quatro companhias respondem por 90% do volume. A bolsa de valores é o mercado símbolo do capitalismo, mas o monopolista diz que ter competição não é bom. Avisamos isso à CVM, porque quem se beneficia do sistema não tem por que reformá-lo.

Por que a ATS quer ser uma nova bolsa de negociação de ações?
Vimos as chances de competição e descobrimos que o Brasil é 27 vezes mais caro que o mercado americano e europeu. Existe uma distorção gigantesca entre o tamanho da economia e a relevância do mercado de capitais, que é a 24ª em termos de volume. Há uma concentração grande de produtos e de corretoras. É o clássico modelo de ausência de competição, por isso investimos e avançamos muito na criação da bolsa. Chegamos a implementar sistemas e controles, fizemos a auditoria que era necessária. Hoje, 65 pessoas trabalham em tempo integral olhando a bolsa e implementando o data center.

O investimento não é desproporcional ao tamanho do mercado?
O problema é que os dados de investimento são baseados na ineficiência da BM&FBovespa. As margens dela são muito altas. A margem de lucro é de 80%, ou seja, ela podia baixar o preço de forma absurda para aumentar a liquidez do mercado. Não existe crescimento de mercado sem abertura. Mercados só crescem com competição.

Como o sr. explica o investimento do fundo de pensão Postalis?
O Postalis é um investidor indireto, feito através de um fundo chamado ETB, que na época estava sob gestão do BNY Mellon. Essa questão é mal interpretada, como se os fundos de pensão fossem um problema. Parte da nossa estratégia, que sempre foi aberta, é tê-los como sócios. Eles, como os grandes investidores institucionais no mundo, têm o perfil de ter uma área que aceita correr certo tipo de risco. Os fundos, como o Postalis, não são um problema. E não cabe a mim julgar se ele teve problema na gestão dele, para isso tem regulador. Pela nossa transparência, nunca tivemos problemas. Tanto é que a CPI, efetivamente, não fez nenhum questionamento.