Edição nº 1045 17.11 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Temos que estar preparados para o impensável”

“Temos que estar preparados para o impensável”

10 perguntas Jean-Pierre Lehmann, professor emérito do IMD

Paula Bezerra
Edição 12.08.2016 - nº 980

A crise de refugiados da Europa chama a atenção do economista Jean-Pierre Lehmann. Não só pela crise humanitária, mas por identificação Nascido nos EUA, Lehmann é filho de refugiados da Segunda Guerra Mundial. Já adulto, ele voltou ao berço de sua família, onde iniciou sua carreira na escola suíça de negócios IMD. Ele concedeu a seguinte entrevista à DINHEIRO:

O setor privado está preparado para acompanhar as mudanças globais? 
Uma vez li que, depois da queda do muro de Berlim, a divisão de ideologias nunca mais aconteceria. Mas é só olharmos onde estamos agora. Situações catastróficas acontecendo em todos os lugares, incluindo o Brasil. Essas tendências perigosas, causadas pelo protecionismo e pelo nacionalismo, que vão contra a globalização, fazem com que pessoas como o Donald Trump e fenômenos como o Brexit ganhem espaço. E o mundo dos negócios não quer se envolver nisso.

Por quê?
Agora, com o Brexit, as empresas estão preocupadas com o Reino Unido. Mas o que elas fizeram antes? Nada. Existem razões para isso: elas não estão intelectualmente preparadas, o que faz com que a gestão não seja aplicada da melhor maneira. É uma questão de liderança, motivação. E compreender o que acontece com o planeta é um começo.

Como é possível mudar esse cenário?
Um teórico amigo meu disse que chegou o momento de pensar o impensável. O caso de imigração da Europa é um exemplo claro disso. A demografia do continente precisa de jovens, mas eles não sabem como utilizar isso. Dessa forma, as empresas precisam começar a pensar, investir, fazer acordos e negócios para fazer com que isso se torne algo vantajoso.

O Brexit colocou em xeque a globalização? 
Lembro que em 1990 me falaram que a globalização seria irreversível, e eu respondi “não fale isso.” Na verdade, o que mudou foi o que chamamos de globalização. Porém, as crises aumentam o protecionismo. Há uma visão que a globalização não está funcionando, porém, o que temos que admitir é que o mundo está mudando. As formas de se fazer comércio estão mudando.

O sr. acredita que é o fim da Organização Mundial do Comércio (OMC)? 
Sim. Não no quesito de deixar de existir, mas em funcionalidade. Eles não estão seguindo as mudanças do século XXI.

Quais são os principais impactos que o Brexit causará ao Reino Unido?
Durante um século inteiro, o Reino Unido foi um império. O cenário mudou. Ouvi de muitas pessoas “esperava isso de todos. Dos brasileiros, italianos, menos dos britânicos.” Se essa decisão pode culminar com o fim do Reino Unido? Sim, acredito que sim. Mas ainda é muito cedo para avaliarmos os impactos.

Devemos nos preocupar se Trump se tornar presidente dos EUA? 
Sim, muito. Será uma bagunça degenerada. O que está acontecendo é exatamente pensar no impensável. E o Trump é o impensável. Se você me dissesse em 2015 que ele seria o candidato do Partido Republicano, falaria “claro que não.” Acredito que temos que estar preparados para pensar o impensável. Isso é extremamente preocupante. Porém, diria de outra maneira. Não acho possível Trump ganhar, mas acho possível a Hillary Clinton perder. As pessoas não confiam nela. Eu não confio nela.

Mas as pesquisas eleitorais já apontam Hillary à frente de Trump… 
Sim. Mesmo que ele não se torne presidente dos EUA, o fenômeno Trump já é preocupante, por toda a ideia que ele propaga. Se ele se tornar presidente, então, será algo catastrófico.

Especialistas apontam que o BRICS está chegando ao fim. O sr. concorda? 
Não. Não há como chegar ao fim algo que nunca existiu. Para mim, o BRICS nunca existiu. Isso porque a China é um império, e não um mercado emergente. É por isso que não acredito no conceito dos BRICS. Isso nunca fez sentido. Eles não têm nada em comum economicamente, culturalmente, politicamente.

O Brasil está enfrentando uma grave recessão. Como analisa a crise?
Continuo acreditando que o Brasil tem um enorme potencial, porém, é necessário que haja abertura, não só comercial, mas, também, de pensamento da população.


Entrevista

'O próximo presidente será  um liberal reformista'

Flávio Rocha, dono da Riachuelo

Flávio Rocha, dono da Riachuelo

'O próximo presidente será um liberal reformista'

Nos últimos meses, Rocha se viu sob os holofotes do noticiário judicial, acusado de caluniar e difamar uma procuradora que aponta irregularidades de sua empresa. "Existe, claramente, um cerco burocrático que se manifesta de forma ameaçadora."


Negócios

Como Parente fez a estatal voltar ao lucro e se blindar contra a corrupção

Petrobras volta a sorrir

Como Parente fez a estatal voltar ao lucro e se blindar contra a corrupção

A empresa voltou ao lucro, diminuiu sua dívida em R$ 90 bilhões e está se blindando contra a corrupção

Por que a busca por sossego e quietude está em alta

A indústria do silêncio

Por que a busca por sossego e quietude está em alta

Momentos sem estímulos ou barulhos têm se tornado um negócio estratégico para diversas empresas e setores, de spas a restaurantes, de aeroportos a fabricantes de fones de ouvido. Entenda por que a busca por sossego e quietude está em alta

'Há oportunidades enormes no mercado árabe'

10 perguntas para Rubens Hannun

'Há oportunidades enormes no mercado árabe'


Economia


Governo lança última cartada para aprovar a Reforma da Previdência

É mini, mas essencial

Governo lança última cartada para aprovar a Reforma da Previdência

Governo Temer lança última cartada para aprovar a reforma da Previdência em seu mandato. Uma vitória vale R$ 400 bilhões de economia, fôlego para o próximo presidente e uma surpresa positiva ao mercado

Com a Venezuela quebrada, Brasil corre risco de perder US$ 6 bilhões

Colapso

Com a Venezuela quebrada, Brasil corre risco de perder US$ 6 bilhões

Após um “calote seletivo”, o governo de Nicolás Maduro caminha para o colapso econômico. Para o Brasil, que vê o comércio bilateral despencar, sobra o risco de perder até US$ 6 bilhões e ter de lidar com um vizinho falido e em insurreição social


Finanças


Empresas nacionais se inspiram na Bitcoin e planejam suas próprias criptomoedas

Moedas virtuais à brasileira

Empresas nacionais se inspiram na Bitcoin e planejam suas próprias criptomoedas

Empresas nacionais se inspiram no sucesso da Bitcoin e planejam o lançamento de suas próprias criptomoedas, buscando recursos e aumentos de vendas. Mas o BC e a CVM advertem para os riscos

Após quedas em vendas, inadimplência e distratos, ações de incorporadoras ressurgem

Aurora na construção

Após quedas em vendas, inadimplência e distratos, ações de incorporadoras ressurgem

Após sofrerem com queda das vendas, inadimplência e distratos, ações das incorporadoras voltam a subir. Veja quais são as recomendações dos analistas


Colunas


A quebra dos cartéis sindicais

Editorial

A quebra dos cartéis sindicais

“O Brasil é um dos países mais hostis do mundo para fazer negócios ”

Moeda Forte

“O Brasil é um dos países mais hostis do mundo para fazer negócios ”

A virada energética

Sustentabilidade

A virada energética

Natal antecipado

Dinheiro & Tecnologia

Natal antecipado

Arte latina em alta

Cobiça

Arte latina em alta


Artigo

A hora de investir em startups no Brasil é agora

Por Pierre Schurmann

Por Pierre Schurmann

A hora de investir em startups no Brasil é agora

A economia dá sinais claros de melhora e não é mais preciso um caminhão de capital para colocar uma startup na estrada ou para investir


Publieditorial

Os investimentos não podem parar

Segredo dos vencedores

Segredo dos vencedores

Os investimentos não podem parar

O sucesso do esporte paralímpico brasileiro e as lições das grandes potências mostram que, sem forte aporte de recursos, não se constroem campeões