Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Temos que estar preparados para o impensável”

“Temos que estar preparados para o impensável”

10 perguntas Jean-Pierre Lehmann, professor emérito do IMD

Paula Bezerra
Edição 12/08/2016 - nº 980

A crise de refugiados da Europa chama a atenção do economista Jean-Pierre Lehmann. Não só pela crise humanitária, mas por identificação Nascido nos EUA, Lehmann é filho de refugiados da Segunda Guerra Mundial. Já adulto, ele voltou ao berço de sua família, onde iniciou sua carreira na escola suíça de negócios IMD. Ele concedeu a seguinte entrevista à DINHEIRO:

O setor privado está preparado para acompanhar as mudanças globais? 
Uma vez li que, depois da queda do muro de Berlim, a divisão de ideologias nunca mais aconteceria. Mas é só olharmos onde estamos agora. Situações catastróficas acontecendo em todos os lugares, incluindo o Brasil. Essas tendências perigosas, causadas pelo protecionismo e pelo nacionalismo, que vão contra a globalização, fazem com que pessoas como o Donald Trump e fenômenos como o Brexit ganhem espaço. E o mundo dos negócios não quer se envolver nisso.

Por quê?
Agora, com o Brexit, as empresas estão preocupadas com o Reino Unido. Mas o que elas fizeram antes? Nada. Existem razões para isso: elas não estão intelectualmente preparadas, o que faz com que a gestão não seja aplicada da melhor maneira. É uma questão de liderança, motivação. E compreender o que acontece com o planeta é um começo.

Como é possível mudar esse cenário?
Um teórico amigo meu disse que chegou o momento de pensar o impensável. O caso de imigração da Europa é um exemplo claro disso. A demografia do continente precisa de jovens, mas eles não sabem como utilizar isso. Dessa forma, as empresas precisam começar a pensar, investir, fazer acordos e negócios para fazer com que isso se torne algo vantajoso.

O Brexit colocou em xeque a globalização? 
Lembro que em 1990 me falaram que a globalização seria irreversível, e eu respondi “não fale isso.” Na verdade, o que mudou foi o que chamamos de globalização. Porém, as crises aumentam o protecionismo. Há uma visão que a globalização não está funcionando, porém, o que temos que admitir é que o mundo está mudando. As formas de se fazer comércio estão mudando.

O sr. acredita que é o fim da Organização Mundial do Comércio (OMC)? 
Sim. Não no quesito de deixar de existir, mas em funcionalidade. Eles não estão seguindo as mudanças do século XXI.

Quais são os principais impactos que o Brexit causará ao Reino Unido?
Durante um século inteiro, o Reino Unido foi um império. O cenário mudou. Ouvi de muitas pessoas “esperava isso de todos. Dos brasileiros, italianos, menos dos britânicos.” Se essa decisão pode culminar com o fim do Reino Unido? Sim, acredito que sim. Mas ainda é muito cedo para avaliarmos os impactos.

Devemos nos preocupar se Trump se tornar presidente dos EUA? 
Sim, muito. Será uma bagunça degenerada. O que está acontecendo é exatamente pensar no impensável. E o Trump é o impensável. Se você me dissesse em 2015 que ele seria o candidato do Partido Republicano, falaria “claro que não.” Acredito que temos que estar preparados para pensar o impensável. Isso é extremamente preocupante. Porém, diria de outra maneira. Não acho possível Trump ganhar, mas acho possível a Hillary Clinton perder. As pessoas não confiam nela. Eu não confio nela.

Mas as pesquisas eleitorais já apontam Hillary à frente de Trump… 
Sim. Mesmo que ele não se torne presidente dos EUA, o fenômeno Trump já é preocupante, por toda a ideia que ele propaga. Se ele se tornar presidente, então, será algo catastrófico.

Especialistas apontam que o BRICS está chegando ao fim. O sr. concorda? 
Não. Não há como chegar ao fim algo que nunca existiu. Para mim, o BRICS nunca existiu. Isso porque a China é um império, e não um mercado emergente. É por isso que não acredito no conceito dos BRICS. Isso nunca fez sentido. Eles não têm nada em comum economicamente, culturalmente, politicamente.

O Brasil está enfrentando uma grave recessão. Como analisa a crise?
Continuo acreditando que o Brasil tem um enorme potencial, porém, é necessário que haja abertura, não só comercial, mas, também, de pensamento da população.


Entrevista

Eduardo Giannetti da Fonseca

Eduardo Giannetti da Fonseca

"Os discursos econômicos dos candidatos que lideram as pesquisas são trágicos"

O economista mineiro e principal coordenador do plano econômico da candidata à Presidência Marina Silva, da Rede, tem engrossado o tom de voz ao criticar as propostas dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto


Economia


A economia em compasso de espera

apreensão

A economia em compasso de espera

Nas pesquisas eleitorais, Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT) avançam como favoritos ao segundo turno. Enquanto isso, empresários e consumidores colocam o pé no freio

Terceira via na Argentina?

internacional

Terceira via na Argentina?

Problemas de Macri e Kirchner abrem espaço para um nome moderado nas eleições de 2019. O ex-ministro da Fazenda, Roberto Lavagna, é o favorito


Negócios

Camisaria Colombo: venda à vista?

Varejo

Camisaria Colombo: venda à vista?

A Colombo fechou 200 lojas e diminuiu o mix de produtos. Com isso, pretende voltar ao lucro operacional neste ano e se prepara para uma nova negociação

Portas abertas para os venezuelanos

oportunidades

Portas abertas para os venezuelanos

Iniciativas lideradas por empresários, como Carlos Wizard, e por companhias, como Ericsson e Carrefour, estão oferecendo novas oportunidades aos refugiados

A fusão indigesta da Sapore

negociação

A fusão indigesta da Sapore

Diante do fracasso da união entre Sapore e IMC, seus executivos buscam alternativas para crescer


As Melhores da Dinheiro


Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

prestígio

Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

expectativa

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

Ao celebrar a batalha contra a pior crise econômica do País, executivos premiados na festa de as AS MELHORES DA DINHEIRO destacam a expectativa por reformas que abram caminho para o crescimento


Dinheiro digital

Uma empresa do barulho

napster

napster

Uma empresa do barulho

Depois de abalar o mundo no começo dos anos 2000, o Napster tenta se reinventar para voltar a brilhar em uma indústria que a própria companhia ajudou a criar


Finanças


Fundos poderão investir em criptomoedas

investidores

Fundos poderão investir em criptomoedas

Comissão de Valores Mobiliários libera aportes de fundos em moedas virtuais e investidores devem operar com mais segurança

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon

dinheiro em ação

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon


Estilo

Tiffany para os jovens

luxo

luxo

Tiffany para os jovens

Sinônimo de exclusividade, a joalheria americana quer conquistar os millennials com preços mais acessíveis


Colunas


O rugido de Trump

dinheiro da redação

O rugido de Trump

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Moeda forte

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Os vilões das praias

sustentabilidade

Os vilões das praias

A voz do camaleão do rock

cobiça

A voz do camaleão do rock

Sabotagem na Amazon

Dinheiro & tecnologia

Sabotagem na Amazon


Artigo

Não se esqueça do Congresso

Por Carlos Sambrana

Por Carlos Sambrana

Não se esqueça do Congresso

Você lembra em quem votou para deputado federal nas últimas eleições? Recorda qual foi o senador que escolheu?


Publieditorial

Gestão Ágil de Projetos

Insper apresenta:

Insper apresenta:

Gestão Ágil de Projetos

Solução traz um novo panorama de eficiência na implantação de projetos nas empresas

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.