Edição nº 1112 15.03 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

Rodrigo Caetano
Edição 08/04/2016 - nº 962

Maior empresa de internet do mundo, o Google, sinônimo de buscas na internet, doa 1% do seu lucro líquido para ações sem fins lucrativos, todos os anos. A filantropia faz parte do negócio criado por Larry Page e Sergey Brin desde a criação da companhia. A responsável por gerenciar esses recursos, que ultrapassam US$ 100 milhões, é a americana Jacquelline Fuller, diretora-geral da Google.org, braço de filantropia da empresa. Filha de um diplomata americano, a executiva estava dando os primeiros passos na carreira do pai quando aceitou um trabalho numa pequena startup, que funcionava em cima de uma pizzaria. Era a Gates Foundation, hoje Bill e Melinda Gates Foundation, criada por Bill Gates, fundador da Microsoft, a maior fundação de caridade do mundo, com ativos que ultrapassam US$ 36 bilhões. Desde então, ela se dedica a financiar projetos que tenham capacidade de gerar impactos humanitários ao redor do planeta. No Brasil, o Google realiza este ano, pela segunda vez, o Impact Challenge, iniciativa que vai destinar R$ 10 milhões a ideias inovadoras desenvolvidas no País, em qualquer setor. A empresa também está destinando US$ 1 milhão para ajudar a combater a epidemia de zika na região. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Jacquelline fala sobre a necessidade de levar a filantropia para dentro das empresas e como a informação pode ajudar a conter desastres humanitários.

DINHEIRO – A sra. está com medo do vírus zika?
JACQUELLINE FULLER –
 Na verdade, não. Trabalhei para a Fundação Bill e Melinda Gates e morei na Índia, onde também há dengue. Quando estava em Nova Délhi, houve um surto da doença. Estou acostumada.

DINHEIRO – Existe desinformação em relação ao surto de zika aqui no Brasil e é por isso que o Google está se envolvendo nessa questão?
JACQUELLINE – 
Em relação ao zika, estamos fazendo algumas coisas. Esse é um bom exemplo de como o poder da informação, e, mais importante, da informação correta e oficial, é muito importante em uma situação na qual há pânico generalizado. A primeira coisa que fizemos é garantir que as buscas feitas no mecanismo levem a dados corretos sobre sintomas e tratamento. Também doamos US$ 1 milhão à Unicef para ajudar nos trabalhos na região. Além disso, há um grupo de desenvolvedores do Google ajudando a criar uma plataforma que identifique potenciais focos de zika, correlacionando informações sobre deslocamentos de pessoas, clima, entre outras.

DINHEIRO – Essa falta de informação ou pânico exagerado já aconteceu em outras crises, como a do ebola na África, há dois anos… 
JACQUELLINE –
 A melhor forma de agir nesses casos é ter a certeza de que temos a informação com base científica e torná-la disponível para a população. Mas sempre surgem muitos rumores.

DINHEIRO –O Google, como a principal fonte de buscas na internet, se sente responsável, de alguma forma, por essa situação?
JACQUELLINE –
 Nós vimos, tanto no Brasil quanto no resto do mundo, que as buscas por zika vírus subiram três mil por cento. As pessoas usam o Google por que querem encontrar informações confiáveis. Por isso a empresa fez disso uma prioridade.

DINHEIRO – Quais são as iniciativas que o Google está conduzindo na área de filantropia no Brasil?
JACQUELLINE –
 Além do investimento de US$ 1 milhão no combate ao zika, estamos realizando, pela segunda vez no País, o nosso Impact Challenge, que é o maior programa de filantropia da companhia. Fizemos esse programa em 2014 e foi tão bem-sucedido que resolvemos voltar, algo que raramente acontece. Estamos procurando ideias inovadoras pelo mundo que receberão investimentos do Google.

DINHEIRO – Que tipo de inovação a empresa busca?
JACQUELLINE –
 Na última vez que estivemos aqui, investimos em ideias que abrangem tópicos que vão desde violência doméstica, até refrigeradores a energia solar. Mas pode ser educação, meio ambiente ou qualquer outro tópico. Estamos buscando, na verdade, ideias que possam ter grande impacto e cujos times tenham capacidade de desenvolvê-las.

DINHEIRO – E qual é o impacto desses investimentos para os negócios do Google?
JACQUELLINE –
 A filantropia tem sido parte da visão do Google desde o início. A ideia de devolver à sociedade parte do que ganhamos é algo que está ligado ao que somos, como companhia. É uma expressão dos nossos valores e da crença em criar oportunidades em todo o mundo. E entendemos que a melhor maneira do Google ser útil, em termos de filantropia, é ajudando empreendedores a transformar suas ideias em realidade.

DINHEIRO – Mas como fazer filantropia sem parecer oportunista?
JACQUELLINE –
 É justo que as pessoas perguntem às companhias o que elas estão fazendo à sociedade e para devolver parte do que ganharam. Olhando para o que estamos fazendo, localmente, temos um bom exemplo do que significa uma companhia ser realmente responsável. Nosso time no Brasil foi quem propôs para a companhia levar as iniciativas para o País. É ele que faz todo o trabalho pesado. Isso foi muito importante para garantir que todas as regiões brasileiras pudessem participar do projeto.

DINHEIRO – É importante, então, que as iniciativas sejam conduzidas localmente, em conjunto com a comunidade, ao contrário de iniciativas globais que buscam padronizar programas em diferentes regiões…
JACQUELLINE – 
Absolutamente. São as lideranças locais, que, no Brasil, decidiram rodar o programa, que fazem a maior parte do trabalho e desenham as ações e a melhor abordagem para cada região.

DINHEIRO – Então, esse é o futuro da filantropia, ações locais e oriundas das empresas?
JACQUELLINE – 
Eu acredito que as empresas têm de dar algum retorno. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, dos mais de US$ 300 bilhões doados por entidades privadas, no último ano, menos de 5% vêm de corporações. O Google doa 1% dos lucros, todo ano, e isso está ajudando a criar uma nova expectativa e, talvez, uma regra que diz: nossa empresa deveria estar envolvida com a filantropia, ajudando a criar soluções locais para os problemas da sociedade. A filantropia deve estar incorporada às companhias.

DINHEIRO – Os funcionários percebem esse envolvimento da empresa?
JACQUELLINE – 
É realmente impressionante o nível de suporte que recebemos de todos os funcionários. Só no Brasil, em 2014, mais de dois mil colaboradores participaram do Impact Challenge. Foi o maior engajamento que já tivemos. Isso mostra como essa questão faz parte dos valores das pessoas dentro da companhia.

DINHEIRO – O Google.org atua de forma autônoma do Google?
JACQUELLINE – 
Fazemos parte do Google. As decisões que tomamos sobre para quem doar, onde doar e o que doar passam pela companhia. Mas todas as nossas doações são feitas de uma maneira que, pela lei americana, não podem gerar nenhum retorno financeiro à empresa. A companhia “separa” 1% do seu lucro líquido e confia na Google.org para investir em ações sem fins lucrativos, com o objetivo de causar impacto humanitário.

DINHEIRO – De alguma forma, o Google recebe incentivos fiscais?
JACQUELLINE – 
Todas as doações feitas pela companhia são tratadas como qualquer outra despesa comercial. Não há um tratamento fiscal especial. É uma despesa como as outras.

DINHEIRO – A sra. percebe uma dificuldade das pessoas em acreditar que uma empresa é capaz de tomar uma iniciativa como essas sem possuir finalidade lucrativa, ou seja, apenas para devolver algo à sociedade?
JACQUELLINE – 
Nossos fundadores veem a filantropia como uma parte fundamental do negócio. Partimos desse valor. E, como eu disse, aqueles 2 mil funcionários que voluntariaram mostram que as pessoas sentem orgulho disso. Não só da empresa, mas do que estão fazendo e do seu País também. Há uma série de benefícios em investir em filantropia, não financeiros. Hoje, nos ajuda a criar um sentimento nas pessoas envolvidas de que, quando tiverem uma grande ideia, haverá alguém apoiando.


NEGÓCIOS


Confiança na Previdência leva Ibovespa aos 100 mil pontos pela 1ª vez

Mercado financeiro

Confiança na Previdência leva Ibovespa aos 100 mil pontos pela 1ª vez

 Uber fará IPO de US$ 120 bilhões em abril

Abertura de capital

Uber fará IPO de US$ 120 bilhões em abril

O IPO da empresa deve acontecer em abril de 2019, poucas semanas após a oferta inicial de ações da Lyft, sua principal concorrente

Governo corre para protocolar Previdência dos militares no dia 20

reforma

Governo corre para protocolar Previdência dos militares no dia 20

Gillette lança campanha inédita para a reciclagem de lâminas de barbear

sustentabilidade

Gillette lança campanha inédita para a reciclagem de lâminas de barbear

Movimento está sendo feita em parceria com a Terracycle e transformará os materiais bicicletários, bancos para praças e tigelas de alimentos para animais.

Setor cervejeiro tem melhor resultado de vendas no carnaval em 4 anos

crescimento

Setor cervejeiro tem melhor resultado de vendas no carnaval em 4 anos

Para fugir dos juros do cartão, brasileiro ressuscita crediário

boletos

Para fugir dos juros do cartão, brasileiro ressuscita crediário

Projeção de superávit comercial em 2019 cai para US$ 50,00 bi, mostra Focus

comércio internacional

Projeção de superávit comercial em 2019 cai para US$ 50,00 bi, mostra Focus

Conheça os programas exclusivos do streaming da Apple

entretenimento

Conheça os programas exclusivos do streaming da Apple

Apesar de poucos detalhes do serviço terem sido divulgados, filmes e séries exclusivas da plataforma tiveram alguns detalhes vazados


Mercado financeiro


Dólar cai abaixo de R$ 3,80 com cenário externo positivo e fluxo estrangeiro

Câmbio

Dólar cai abaixo de R$ 3,80 com cenário externo positivo e fluxo estrangeiro

Previsão do BC para câmbio permanece em R$ 3,70 em 2019

boletim focus

Previsão do BC para câmbio permanece em R$ 3,70 em 2019


Blogs

Gloria Collell, a mulher que cria as linhas especiais da Freixenet

Por Suzana Barelli

Por Suzana Barelli

Gloria Collell, a mulher que cria as linhas especiais da Freixenet

Natural de uma família que produz vinho na Catalunha, ela chegou à enologia depois de desistir de um curso de direito. Na Freixenet, trabalha como enóloga, mas com um pé no marketing e na criação


Negócios


América Móvil quer comprar Nextel Brasil por US$ 905 milhões

Dona da Claro

América Móvil quer comprar Nextel Brasil por US$ 905 milhões

Disney constrói usina solar e espera diminuir 50% de suas emissões até 2020

Energia limpa

Disney constrói usina solar e espera diminuir 50% de suas emissões até 2020

A energia gerada é suficiente para atender a demanda de dois dos seus quatro parques do complexo Walt Disney World, na Flórida


Internacional


Boeing paga o preço de um gerenciamento de crise fracassado

737 MAX 8

Boeing paga o preço de um gerenciamento de crise fracassado

O herói que queria salvar ‘quantas vidas possível’ na Nova Zelândia

exemplo

exemplo

O herói que queria salvar ‘quantas vidas possível’ na Nova Zelândia

Trump é criticado por silêncio sobre supremacia branca

polêmica

polêmica

Trump é criticado por silêncio sobre supremacia branca

Caixas-pretas de avião da Ethiopian mostram semelhanças com acidente da Lion Air

acidentes

acidentes

Caixas-pretas de avião da Ethiopian mostram semelhanças com acidente da Lion Air


Colunas


A força do frango

moeda forte

A força do frango

Sinal verde para a moda brasileira

sustentabilidade

Sinal verde para a moda brasileira


Facebook muda o foco

dinheiro em bits

Facebook muda o foco

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire

cobiça

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire


Editorial

O que esperar do encontro Trump/ Bolsonaro

por Carlos José Marques

por Carlos José Marques

O que esperar do encontro Trump/ Bolsonaro

Bolsonaro parte para o encontro sob um vendaval de críticas por ter descartado o plano de uma comitiva mais técnica e empresarial, que poderia trazer negócios promissores ao País depois de longa e custosa temporada de distanciamento do parceiro norte-americano


Entrevista

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas

"A prioridade do governo deveria ser reduzir (o custo alto do País)"

Com 10 anos de operação e voando para 105 cidades, empresa fatura R$ 7 bilhões, é eleita a melhor aérea da América Latina e faz acordo para comprar Avianca. Otimista com o Brasil, o CEO Rodgerson diz que seu foco é o mercado doméstico


Finanças


Marfrig compra frigorífico nos EUA

dinheiro em ação

Marfrig compra frigorífico nos EUA

Vale a pena investir em fundos de recebíveis?

investidores

Vale a pena investir em fundos de recebíveis?

CVM estuda facilitar o acesso dos pequenos investidores aos fundos de recebíveis, cujo patrimônio cresceu 36,8% em 12 meses


Economia


Donald Trump e Jair Bolsonaro: namoro ou amizade?

diplomacia

Donald Trump e Jair Bolsonaro: namoro ou amizade?

Em sua primeira visita bilateral, Bolsonaro reforçará o alinhamento ideológico com o governo Trump e negociará acordos comerciais. O clima favorece

Brexit por um fio. Proposta de Theresa May não tem apoio do Parlamento

divórcio europeu

Brexit por um fio. Proposta de Theresa May não tem apoio do Parlamento

Proposta de Theresa May para saída negociada da UE não tem apoio do Parlamento Britânico e o caos impera na terra da rainha


Calote de R$ 2 bi em negócios com Venezuela, Cuba e Moçambique

Brasil

Calote de R$ 2 bi em negócios com Venezuela, Cuba e Moçambique

Venezuela, Moçambique e Cuba não pagaram financiamentos do BNDES feitos durante os governos Lula-Dilma. A dívida pode recair sobre o Tesouro

O polêmico leilão de presídios paulistas. Estado tem déficit de 108 mil vagas

Cárceres privados

O polêmico leilão de presídios paulistas. Estado tem déficit de 108 mil vagas

Programa de privatizações do governo paulista abrange 30 projetos de concessões, investimentos de R$ 40 bilhões — e um polêmico leilão de unidades carcerárias


Mercado Digital

Conheça Q, o assistente de voz sem gênero, nem mulher, nem homem

Conheça Q, o assistente de voz sem gênero, nem mulher, nem homem

Apresentado no SXSW, evento que mais discute os hypes tecnológicos pelo olhar da cultura e da política. Por isso é tão bacana


Negócios


Na contramão do streaming, o cinema ainda é a maior diversão

recorde de bilheteria

Na contramão do streaming, o cinema ainda é a maior diversão

Na contramão do streaming e alavancada pela rede mexicana Cinépolis, Brasil bate o recorde de salas e caminha para superar a marca de 185 milhões espectadores ao ano

Vinícolas criam estratégias para elevar exportações do espumante brasileiro

Mercado externo

Vinícolas criam estratégias para elevar exportações do espumante brasileiro

De olho na adequação do espumante brasileiro ao gosto dos consumidores de EUA, China e América Latina, vinícolas e Ibravim criam estratégia que pode aumentar as exportações em 30% este ano


Estilo

O passaporte para esquiar o ano todo

ikon pass

ikon pass

O passaporte para esquiar o ano todo

Lançado pela Alterra, o Ikon Pass permite esquiar em 38 montanhas, dos Estados Unidos à Austrália


Artigo

O futuro das telecomunicações: no espaço ou fundo do mar?

por António Nunes

por António Nunes

O futuro das telecomunicações: no espaço ou fundo do mar?

Os 2,7 mil satélites em órbita têm a vantagem de alcançar áreas remotas onde os cabos não chegam. Por outro lado, os mais de 400 cabos submarinos contam com maior capacidade de banda larga


A roda da fortuna da Iochpe-Maxion

Expansão

A roda da fortuna da Iochpe-Maxion

Líder global do segmento, com operações em 14 países, a brasileira Iochpe-Maxion agora quer conquistar a China

Nivea lucra com produtos para homens

beleza

Nivea lucra com produtos para homens

A linha masculina já representa 25% do negócio da empresa, que pretende ampliar ainda mais seu portfólio de produtos para esse público

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.