Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

Rodrigo Caetano
Edição 08/04/2016 - nº 962

Maior empresa de internet do mundo, o Google, sinônimo de buscas na internet, doa 1% do seu lucro líquido para ações sem fins lucrativos, todos os anos. A filantropia faz parte do negócio criado por Larry Page e Sergey Brin desde a criação da companhia. A responsável por gerenciar esses recursos, que ultrapassam US$ 100 milhões, é a americana Jacquelline Fuller, diretora-geral da Google.org, braço de filantropia da empresa. Filha de um diplomata americano, a executiva estava dando os primeiros passos na carreira do pai quando aceitou um trabalho numa pequena startup, que funcionava em cima de uma pizzaria. Era a Gates Foundation, hoje Bill e Melinda Gates Foundation, criada por Bill Gates, fundador da Microsoft, a maior fundação de caridade do mundo, com ativos que ultrapassam US$ 36 bilhões. Desde então, ela se dedica a financiar projetos que tenham capacidade de gerar impactos humanitários ao redor do planeta. No Brasil, o Google realiza este ano, pela segunda vez, o Impact Challenge, iniciativa que vai destinar R$ 10 milhões a ideias inovadoras desenvolvidas no País, em qualquer setor. A empresa também está destinando US$ 1 milhão para ajudar a combater a epidemia de zika na região. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Jacquelline fala sobre a necessidade de levar a filantropia para dentro das empresas e como a informação pode ajudar a conter desastres humanitários.

DINHEIRO – A sra. está com medo do vírus zika?
JACQUELLINE FULLER –
 Na verdade, não. Trabalhei para a Fundação Bill e Melinda Gates e morei na Índia, onde também há dengue. Quando estava em Nova Délhi, houve um surto da doença. Estou acostumada.

DINHEIRO – Existe desinformação em relação ao surto de zika aqui no Brasil e é por isso que o Google está se envolvendo nessa questão?
JACQUELLINE – 
Em relação ao zika, estamos fazendo algumas coisas. Esse é um bom exemplo de como o poder da informação, e, mais importante, da informação correta e oficial, é muito importante em uma situação na qual há pânico generalizado. A primeira coisa que fizemos é garantir que as buscas feitas no mecanismo levem a dados corretos sobre sintomas e tratamento. Também doamos US$ 1 milhão à Unicef para ajudar nos trabalhos na região. Além disso, há um grupo de desenvolvedores do Google ajudando a criar uma plataforma que identifique potenciais focos de zika, correlacionando informações sobre deslocamentos de pessoas, clima, entre outras.

DINHEIRO – Essa falta de informação ou pânico exagerado já aconteceu em outras crises, como a do ebola na África, há dois anos… 
JACQUELLINE –
 A melhor forma de agir nesses casos é ter a certeza de que temos a informação com base científica e torná-la disponível para a população. Mas sempre surgem muitos rumores.

DINHEIRO –O Google, como a principal fonte de buscas na internet, se sente responsável, de alguma forma, por essa situação?
JACQUELLINE –
 Nós vimos, tanto no Brasil quanto no resto do mundo, que as buscas por zika vírus subiram três mil por cento. As pessoas usam o Google por que querem encontrar informações confiáveis. Por isso a empresa fez disso uma prioridade.

DINHEIRO – Quais são as iniciativas que o Google está conduzindo na área de filantropia no Brasil?
JACQUELLINE –
 Além do investimento de US$ 1 milhão no combate ao zika, estamos realizando, pela segunda vez no País, o nosso Impact Challenge, que é o maior programa de filantropia da companhia. Fizemos esse programa em 2014 e foi tão bem-sucedido que resolvemos voltar, algo que raramente acontece. Estamos procurando ideias inovadoras pelo mundo que receberão investimentos do Google.

DINHEIRO – Que tipo de inovação a empresa busca?
JACQUELLINE –
 Na última vez que estivemos aqui, investimos em ideias que abrangem tópicos que vão desde violência doméstica, até refrigeradores a energia solar. Mas pode ser educação, meio ambiente ou qualquer outro tópico. Estamos buscando, na verdade, ideias que possam ter grande impacto e cujos times tenham capacidade de desenvolvê-las.

DINHEIRO – E qual é o impacto desses investimentos para os negócios do Google?
JACQUELLINE –
 A filantropia tem sido parte da visão do Google desde o início. A ideia de devolver à sociedade parte do que ganhamos é algo que está ligado ao que somos, como companhia. É uma expressão dos nossos valores e da crença em criar oportunidades em todo o mundo. E entendemos que a melhor maneira do Google ser útil, em termos de filantropia, é ajudando empreendedores a transformar suas ideias em realidade.

DINHEIRO – Mas como fazer filantropia sem parecer oportunista?
JACQUELLINE –
 É justo que as pessoas perguntem às companhias o que elas estão fazendo à sociedade e para devolver parte do que ganharam. Olhando para o que estamos fazendo, localmente, temos um bom exemplo do que significa uma companhia ser realmente responsável. Nosso time no Brasil foi quem propôs para a companhia levar as iniciativas para o País. É ele que faz todo o trabalho pesado. Isso foi muito importante para garantir que todas as regiões brasileiras pudessem participar do projeto.

DINHEIRO – É importante, então, que as iniciativas sejam conduzidas localmente, em conjunto com a comunidade, ao contrário de iniciativas globais que buscam padronizar programas em diferentes regiões…
JACQUELLINE – 
Absolutamente. São as lideranças locais, que, no Brasil, decidiram rodar o programa, que fazem a maior parte do trabalho e desenham as ações e a melhor abordagem para cada região.

DINHEIRO – Então, esse é o futuro da filantropia, ações locais e oriundas das empresas?
JACQUELLINE – 
Eu acredito que as empresas têm de dar algum retorno. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, dos mais de US$ 300 bilhões doados por entidades privadas, no último ano, menos de 5% vêm de corporações. O Google doa 1% dos lucros, todo ano, e isso está ajudando a criar uma nova expectativa e, talvez, uma regra que diz: nossa empresa deveria estar envolvida com a filantropia, ajudando a criar soluções locais para os problemas da sociedade. A filantropia deve estar incorporada às companhias.

DINHEIRO – Os funcionários percebem esse envolvimento da empresa?
JACQUELLINE – 
É realmente impressionante o nível de suporte que recebemos de todos os funcionários. Só no Brasil, em 2014, mais de dois mil colaboradores participaram do Impact Challenge. Foi o maior engajamento que já tivemos. Isso mostra como essa questão faz parte dos valores das pessoas dentro da companhia.

DINHEIRO – O Google.org atua de forma autônoma do Google?
JACQUELLINE – 
Fazemos parte do Google. As decisões que tomamos sobre para quem doar, onde doar e o que doar passam pela companhia. Mas todas as nossas doações são feitas de uma maneira que, pela lei americana, não podem gerar nenhum retorno financeiro à empresa. A companhia “separa” 1% do seu lucro líquido e confia na Google.org para investir em ações sem fins lucrativos, com o objetivo de causar impacto humanitário.

DINHEIRO – De alguma forma, o Google recebe incentivos fiscais?
JACQUELLINE – 
Todas as doações feitas pela companhia são tratadas como qualquer outra despesa comercial. Não há um tratamento fiscal especial. É uma despesa como as outras.

DINHEIRO – A sra. percebe uma dificuldade das pessoas em acreditar que uma empresa é capaz de tomar uma iniciativa como essas sem possuir finalidade lucrativa, ou seja, apenas para devolver algo à sociedade?
JACQUELLINE – 
Nossos fundadores veem a filantropia como uma parte fundamental do negócio. Partimos desse valor. E, como eu disse, aqueles 2 mil funcionários que voluntariaram mostram que as pessoas sentem orgulho disso. Não só da empresa, mas do que estão fazendo e do seu País também. Há uma série de benefícios em investir em filantropia, não financeiros. Hoje, nos ajuda a criar um sentimento nas pessoas envolvidas de que, quando tiverem uma grande ideia, haverá alguém apoiando.


Entrevista

Eduardo Giannetti da Fonseca

Eduardo Giannetti da Fonseca

"Os discursos econômicos dos candidatos que lideram as pesquisas são trágicos"

O economista mineiro e principal coordenador do plano econômico da candidata à Presidência Marina Silva, da Rede, tem engrossado o tom de voz ao criticar as propostas dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto


Economia


A economia em compasso de espera

apreensão

A economia em compasso de espera

Nas pesquisas eleitorais, Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT) avançam como favoritos ao segundo turno. Enquanto isso, empresários e consumidores colocam o pé no freio

Terceira via na Argentina?

internacional

Terceira via na Argentina?

Problemas de Macri e Kirchner abrem espaço para um nome moderado nas eleições de 2019. O ex-ministro da Fazenda, Roberto Lavagna, é o favorito


Negócios

Camisaria Colombo: venda à vista?

Varejo

Camisaria Colombo: venda à vista?

A Colombo fechou 200 lojas e diminuiu o mix de produtos. Com isso, pretende voltar ao lucro operacional neste ano e se prepara para uma nova negociação

Portas abertas para os venezuelanos

oportunidades

Portas abertas para os venezuelanos

Iniciativas lideradas por empresários, como Carlos Wizard, e por companhias, como Ericsson e Carrefour, estão oferecendo novas oportunidades aos refugiados

A fusão indigesta da Sapore

negociação

A fusão indigesta da Sapore

Diante do fracasso da união entre Sapore e IMC, seus executivos buscam alternativas para crescer


As Melhores da Dinheiro


Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

prestígio

Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

expectativa

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

Ao celebrar a batalha contra a pior crise econômica do País, executivos premiados na festa de as AS MELHORES DA DINHEIRO destacam a expectativa por reformas que abram caminho para o crescimento


Dinheiro digital

Uma empresa do barulho

napster

napster

Uma empresa do barulho

Depois de abalar o mundo no começo dos anos 2000, o Napster tenta se reinventar para voltar a brilhar em uma indústria que a própria companhia ajudou a criar


Finanças


Fundos poderão investir em criptomoedas

investidores

Fundos poderão investir em criptomoedas

Comissão de Valores Mobiliários libera aportes de fundos em moedas virtuais e investidores devem operar com mais segurança

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon

dinheiro em ação

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon


Estilo

Tiffany para os jovens

luxo

luxo

Tiffany para os jovens

Sinônimo de exclusividade, a joalheria americana quer conquistar os millennials com preços mais acessíveis


Colunas


O rugido de Trump

dinheiro da redação

O rugido de Trump

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Moeda forte

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Os vilões das praias

sustentabilidade

Os vilões das praias

A voz do camaleão do rock

cobiça

A voz do camaleão do rock

Sabotagem na Amazon

Dinheiro & tecnologia

Sabotagem na Amazon


Artigo

Não se esqueça do Congresso

Por Carlos Sambrana

Por Carlos Sambrana

Não se esqueça do Congresso

Você lembra em quem votou para deputado federal nas últimas eleições? Recorda qual foi o senador que escolheu?


Publieditorial

Gestão Ágil de Projetos

Insper apresenta:

Insper apresenta:

Gestão Ágil de Projetos

Solução traz um novo panorama de eficiência na implantação de projetos nas empresas

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.