Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

Rodrigo Caetano
Edição 08/04/2016 - nº 962

Maior empresa de internet do mundo, o Google, sinônimo de buscas na internet, doa 1% do seu lucro líquido para ações sem fins lucrativos, todos os anos. A filantropia faz parte do negócio criado por Larry Page e Sergey Brin desde a criação da companhia. A responsável por gerenciar esses recursos, que ultrapassam US$ 100 milhões, é a americana Jacquelline Fuller, diretora-geral da Google.org, braço de filantropia da empresa. Filha de um diplomata americano, a executiva estava dando os primeiros passos na carreira do pai quando aceitou um trabalho numa pequena startup, que funcionava em cima de uma pizzaria. Era a Gates Foundation, hoje Bill e Melinda Gates Foundation, criada por Bill Gates, fundador da Microsoft, a maior fundação de caridade do mundo, com ativos que ultrapassam US$ 36 bilhões. Desde então, ela se dedica a financiar projetos que tenham capacidade de gerar impactos humanitários ao redor do planeta. No Brasil, o Google realiza este ano, pela segunda vez, o Impact Challenge, iniciativa que vai destinar R$ 10 milhões a ideias inovadoras desenvolvidas no País, em qualquer setor. A empresa também está destinando US$ 1 milhão para ajudar a combater a epidemia de zika na região. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Jacquelline fala sobre a necessidade de levar a filantropia para dentro das empresas e como a informação pode ajudar a conter desastres humanitários.

DINHEIRO – A sra. está com medo do vírus zika?
JACQUELLINE FULLER –
 Na verdade, não. Trabalhei para a Fundação Bill e Melinda Gates e morei na Índia, onde também há dengue. Quando estava em Nova Délhi, houve um surto da doença. Estou acostumada.

DINHEIRO – Existe desinformação em relação ao surto de zika aqui no Brasil e é por isso que o Google está se envolvendo nessa questão?
JACQUELLINE – 
Em relação ao zika, estamos fazendo algumas coisas. Esse é um bom exemplo de como o poder da informação, e, mais importante, da informação correta e oficial, é muito importante em uma situação na qual há pânico generalizado. A primeira coisa que fizemos é garantir que as buscas feitas no mecanismo levem a dados corretos sobre sintomas e tratamento. Também doamos US$ 1 milhão à Unicef para ajudar nos trabalhos na região. Além disso, há um grupo de desenvolvedores do Google ajudando a criar uma plataforma que identifique potenciais focos de zika, correlacionando informações sobre deslocamentos de pessoas, clima, entre outras.

DINHEIRO – Essa falta de informação ou pânico exagerado já aconteceu em outras crises, como a do ebola na África, há dois anos… 
JACQUELLINE –
 A melhor forma de agir nesses casos é ter a certeza de que temos a informação com base científica e torná-la disponível para a população. Mas sempre surgem muitos rumores.

DINHEIRO –O Google, como a principal fonte de buscas na internet, se sente responsável, de alguma forma, por essa situação?
JACQUELLINE –
 Nós vimos, tanto no Brasil quanto no resto do mundo, que as buscas por zika vírus subiram três mil por cento. As pessoas usam o Google por que querem encontrar informações confiáveis. Por isso a empresa fez disso uma prioridade.

DINHEIRO – Quais são as iniciativas que o Google está conduzindo na área de filantropia no Brasil?
JACQUELLINE –
 Além do investimento de US$ 1 milhão no combate ao zika, estamos realizando, pela segunda vez no País, o nosso Impact Challenge, que é o maior programa de filantropia da companhia. Fizemos esse programa em 2014 e foi tão bem-sucedido que resolvemos voltar, algo que raramente acontece. Estamos procurando ideias inovadoras pelo mundo que receberão investimentos do Google.

DINHEIRO – Que tipo de inovação a empresa busca?
JACQUELLINE –
 Na última vez que estivemos aqui, investimos em ideias que abrangem tópicos que vão desde violência doméstica, até refrigeradores a energia solar. Mas pode ser educação, meio ambiente ou qualquer outro tópico. Estamos buscando, na verdade, ideias que possam ter grande impacto e cujos times tenham capacidade de desenvolvê-las.

DINHEIRO – E qual é o impacto desses investimentos para os negócios do Google?
JACQUELLINE –
 A filantropia tem sido parte da visão do Google desde o início. A ideia de devolver à sociedade parte do que ganhamos é algo que está ligado ao que somos, como companhia. É uma expressão dos nossos valores e da crença em criar oportunidades em todo o mundo. E entendemos que a melhor maneira do Google ser útil, em termos de filantropia, é ajudando empreendedores a transformar suas ideias em realidade.

DINHEIRO – Mas como fazer filantropia sem parecer oportunista?
JACQUELLINE –
 É justo que as pessoas perguntem às companhias o que elas estão fazendo à sociedade e para devolver parte do que ganharam. Olhando para o que estamos fazendo, localmente, temos um bom exemplo do que significa uma companhia ser realmente responsável. Nosso time no Brasil foi quem propôs para a companhia levar as iniciativas para o País. É ele que faz todo o trabalho pesado. Isso foi muito importante para garantir que todas as regiões brasileiras pudessem participar do projeto.

DINHEIRO – É importante, então, que as iniciativas sejam conduzidas localmente, em conjunto com a comunidade, ao contrário de iniciativas globais que buscam padronizar programas em diferentes regiões…
JACQUELLINE – 
Absolutamente. São as lideranças locais, que, no Brasil, decidiram rodar o programa, que fazem a maior parte do trabalho e desenham as ações e a melhor abordagem para cada região.

DINHEIRO – Então, esse é o futuro da filantropia, ações locais e oriundas das empresas?
JACQUELLINE – 
Eu acredito que as empresas têm de dar algum retorno. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, dos mais de US$ 300 bilhões doados por entidades privadas, no último ano, menos de 5% vêm de corporações. O Google doa 1% dos lucros, todo ano, e isso está ajudando a criar uma nova expectativa e, talvez, uma regra que diz: nossa empresa deveria estar envolvida com a filantropia, ajudando a criar soluções locais para os problemas da sociedade. A filantropia deve estar incorporada às companhias.

DINHEIRO – Os funcionários percebem esse envolvimento da empresa?
JACQUELLINE – 
É realmente impressionante o nível de suporte que recebemos de todos os funcionários. Só no Brasil, em 2014, mais de dois mil colaboradores participaram do Impact Challenge. Foi o maior engajamento que já tivemos. Isso mostra como essa questão faz parte dos valores das pessoas dentro da companhia.

DINHEIRO – O Google.org atua de forma autônoma do Google?
JACQUELLINE – 
Fazemos parte do Google. As decisões que tomamos sobre para quem doar, onde doar e o que doar passam pela companhia. Mas todas as nossas doações são feitas de uma maneira que, pela lei americana, não podem gerar nenhum retorno financeiro à empresa. A companhia “separa” 1% do seu lucro líquido e confia na Google.org para investir em ações sem fins lucrativos, com o objetivo de causar impacto humanitário.

DINHEIRO – De alguma forma, o Google recebe incentivos fiscais?
JACQUELLINE – 
Todas as doações feitas pela companhia são tratadas como qualquer outra despesa comercial. Não há um tratamento fiscal especial. É uma despesa como as outras.

DINHEIRO – A sra. percebe uma dificuldade das pessoas em acreditar que uma empresa é capaz de tomar uma iniciativa como essas sem possuir finalidade lucrativa, ou seja, apenas para devolver algo à sociedade?
JACQUELLINE – 
Nossos fundadores veem a filantropia como uma parte fundamental do negócio. Partimos desse valor. E, como eu disse, aqueles 2 mil funcionários que voluntariaram mostram que as pessoas sentem orgulho disso. Não só da empresa, mas do que estão fazendo e do seu País também. Há uma série de benefícios em investir em filantropia, não financeiros. Hoje, nos ajuda a criar um sentimento nas pessoas envolvidas de que, quando tiverem uma grande ideia, haverá alguém apoiando.

  • Dólar Comercial
    R$3,78300 -1,63%
  • Euro Comercial
    R$4,42990 -1,01%
  • Dow Jones
    25.106,80 +0,17%
  • Nasdaq
    7.844,8700 +0,25%
  • Londres
    7.678,79 -0,07%
  • Frankfurt
    12.573,10 -0,89%
  • Paris
    5.403,30 -0,25%
  • Madrid
    9.730,20 +0,09%
  • Hong Kong
    28.224,50 +0,76%
  • CDI Anual
    6,39% 0,00%

Comércio internacional

Brasil quer mais debate sobre acordos em cúpula Mercosul-Aliança do Pacífico


Rumo investe R$ 250 milhões nos terminais ferroviários do Centro-Oeste

Negócios

Rumo investe R$ 250 milhões nos terminais ferroviários do Centro-Oeste

Volkswagen dará férias, mas amplia produção

Montadora alemâ

Volkswagen dará férias, mas amplia produção

Lucro da GE cai para US$ 800 milhões no 2º trimestre, mas fica acima da projeção

Multinacional

Lucro da GE cai para US$ 800 milhões no 2º trimestre, mas fica acima da projeção

Lucro líquido da TIM cresce 53,2% no 2º trimestre ante um ano, para R$ 335 mi

Telefonia

Lucro líquido da TIM cresce 53,2% no 2º trimestre ante um ano, para R$ 335 mi

Bancos colocam em dúvida renovação de contrato entre Multiplus e Latam

Programa de fidelidade

Bancos colocam em dúvida renovação de contrato entre Multiplus e Latam


Política

Pressão do Planalto fez ‘Centrão’ procurar Alckmin

Eleições

Pressão do Planalto fez ‘Centrão’ procurar Alckmin

PT faz investida para ter PCdoB e sugere vaga na chapa para Manuela

Eleições

PT faz investida para ter PCdoB e sugere vaga na chapa para Manuela

Ciro Gomes quer preencher o vazio deixado por Lula

Eleições

Ciro Gomes quer preencher o vazio deixado por Lula


Mundo


Trump ameaça sobretaxar os US$ 505 bilhões de importações da China

Guerra comercial

Trump ameaça sobretaxar os US$ 505 bilhões de importações da China

Antes do G20, Lagarde vai à Argentina por acordo com o FMI

Economia

Antes do G20, Lagarde vai à Argentina por acordo com o FMI

União Europeia diz que plano britânico para pós-Brexit desperta ‘questões’

Brexit

União Europeia diz que plano britânico para pós-Brexit desperta ‘questões’

Hackers roubam 1,5 milhão de informações médicas em Singapura

Segurança digital

Hackers roubam 1,5 milhão de informações médicas em Singapura

WhatsApp limita envio de mensagens na Índia para frear boatos

Aplicativo

WhatsApp limita envio de mensagens na Índia para frear boatos


Artigo

Que direitos o governo tem sobre nossos dados?

Por Gisele Truzzi

Por Gisele Truzzi

Que direitos o governo tem sobre nossos dados?

Impactos da futura Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) no cenário brasileiro


Entrevista

CARLO PEREIRA, MEMBRO DO CONSELHO DO PACTO GLOBAL DA ONU

CARLO PEREIRA, MEMBRO DO CONSELHO DO PACTO GLOBAL DA ONU

"As empresas perceberam que a corrupção não traz valor para ninguém"

O brasileiro Carlo Pereira é o secretário-geral da Rede Brasil para o Pacto Global e presidente do conselho das 78 redes locais. Com isso, foi eleito para o conselho global do Pacto


Negócios

Arezzo abocanha o mundo

Internacionalização

Arezzo abocanha o mundo

Líder no segmento de calçados femininos para o público A e B, a empresa brasileira aposta na internacionalização dos seus produtos para conquistar o mercado externo

Alitalia em busca do equilíbrio

Aviação

Alitalia em busca do equilíbrio

A Alitalia, tradicional companhia aérea italiana, busca sócios e investidores para voltar a crescer. E escolhe o Brasil como um de seus mercados estratégicos

Cencosud: o Brasil não é para amadores

Varejista chilena

Cencosud: o Brasil não é para amadores

Dez anos depois de ingressar no País, a varejista chilena Cencosud enfrenta um cenário dramático, com quedas consecutivas nas vendas de suas cinco redes de supermercados. Entenda o que levou a empresa a essa situação


Finanças


Os gestores que conseguem driblar a crise econômica

Estratégia

Os gestores que conseguem driblar a crise econômica

O primeiro semestre foi um período de solavancos para os fundos multimercados, mas alguns gestores conseguiram bons resultados. Conheça suas estratégias

A aposta virtual da Toro

Educação financeira

Educação financeira

A aposta virtual da Toro

André Laport vira sócio da Goldman Sachs

Olhando para fora

Olhando para fora

André Laport vira sócio da Goldman Sachs

Rede ataca mercados de PagSeguro e Cielo

Em ação

Em ação

Rede ataca mercados de PagSeguro e Cielo


Mercado digital

Três bilionários e uma obsessão

Rumo ao espaço

Três bilionários e uma obsessão

Conheça os planos e saiba por que os fundadores das gigantes Virgin, Tesla e Amazon querem levar o homem para o espaço

A nova jogada do R10

Ronaldinho Gaúcho

A nova jogada do R10

Depois de desfilar seu talento nos gramados, Ronaldinho Gaúcho investe no campo das criptomoedas

Herança MIlionária

Hugo Barra

Herança MIlionária

Um dos brasileiros mais influentes no mercado de tecnologia, Hugo Barra embolsa R$ 923 milhões com o IPO da Xiaomi


Economia

Um povo refém dos juros

Endividamento

Endividamento

Um povo refém dos juros

Um estudo exclusivo da Fecomercio-SP mostra que o pagamento de juros corrói 10,8% da renda média das famílias brasileiras. O custo dos financiamentos, de R$ 354,7 bilhões, é maior do que o gasto com itens como restaurante, aluguel e plano de saúde


Colunas


O estrago irreparável da greve

Editorial

O estrago irreparável da greve

O voo da Avianca

Moeda Forte

O voo da Avianca

Calor escaldante

Sustentabilidade

Calor escaldante

Velhos problemas na Uber

Dinheiro & Tecnologia

Velhos problemas na Uber

O último recorde da Aston Martin

Cobiça

O último recorde da Aston Martin


Artigo

As lições de gestão da Copa do Mundo

Por Márcio Kroehn

Por Márcio Kroehn

As lições de gestão da Copa do Mundo

A França tinha o maior número de filhos de imigrantes, uma integração de estilos. Se fosse uma empresa, seria a diversidade de talentos dentro de uma estratégia de sucesso

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.