Edição nº 1040 12.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Os políticos estão cada vez mais distantes das pessoas”

“Os políticos estão cada vez mais distantes das pessoas”

André Jankavski
Edição 18.12.2015 - nº 947

O americano James Fishkin, professor da Universidade de Stanford, é considerado um dos maiores defensores da democracia no campo acadêmico. Ele é o líder do Centro para Democracia Deliberativa de Stanford, uma entidade que já elaborou 70 projetos em 23 países e em diversas empresas. A organização se propõe a orientar a população pela busca por soluções de problemas estruturais, desde saneamento básico até benefícios trabalhistas. Em recente visita ao Brasil, a convite do Instituto Atu­ação, de Curitiba, Fishkin avaliou o atual momento político mundial e afirmou que, quanto mais instruído o povo, mais forte estará a democracia. Confira, a seguir, sua entrevista:

DINHEIRO – O senhor ajudou a desenvolver a democracia deliberativa, uma metodologia que cria pequenos grupos para discutir problemas macroeconômicos. Como isso funciona?
JAMES FISHKIN – 
Reunimos grupos aleatórios de, mais ou menos, 300 pessoas. Dividimos os participantes de acordo com a proporção da região: mesma quantidade de ricos e pobres, negros e brancos, homens e mulheres. Fornecemos também materiais desenvolvidos com os mais diversos pontos de vista, tendo cuidado para não exercer qualquer tipo de influência. Nesse ambiente, mediado por alguém que não dá qualquer opinião sobre o assunto, o tempo de fala para cada pessoa é igual, então um aprende com o outro. Na maioria das vezes, a classe média aprende com o pobre.

DINHEIRO – Mas isso funciona na prática ou vira uma discussão de classes? Os que tiveram mais acesso à educação não se sobressaem nos debates?
FISHKIN –
 Funciona e é muito mais informativo. Os ricos pensam que sabem como o pobre vive, mas, na verdade, não fazem a mínima ideia do que é ser pobre. Por conta da informação e da televisão, os pobres sabem exatamente como a classe média e os ricos vivem. Então, muitas vezes, os que possuem curso superior não têm o conhecimento de como resolver o problema do outro, já que nunca viveram naquelas condições. Com a metodologia, conseguimos aproximar pessoas que nunca estariam juntas antes. As pessoas começam a ter mais contato com a realidade e passam a ter mais informações sobre o diferente, o desconhecido. Elas criam argumentos e enriquecem umas as outras. O povo consegue decidir por ele mesmo.

DINHEIRO – Essa metodologia pode ser aplicada em qualquer lugar?
FISHKIN –
 Sim, menos em lugares que estão em conflito. Precisamos de espaços calmos para discussão, mas já aplicamos esse tipo de metodologia em países desenvolvidos como Japão e Estados Unidos até em algumas das nações mais pobres da África. Pensávamos que na China não seria possível por conta do modelo político do país, mas já realizamos diversos debates lá e foram muito bem acolhidos pela população e autoridades.

DINHEIRO – Quais foram os maiores êxitos?
FISHKIN – 
Não existem maiores êxitos, mas bons exemplos do poder de transformação. Uma intervenção no Japão, em 2011, exemplifica isso muito bem. Naquele ano, houve uma discussão a respeito da previdência japonesa. A maioria, cerca de 59%, defendia que ela deveria ser privatizada, ligada a resultados financeiros, e os outros afirmavam que era assunto do governo. Depois dos debates, o percentual de apoiadores à iniciativa privada se inverteu e foi derrotada com 35% da preferência. Os aposentados preferiram a segurança de receber o seu dinheiro todo o mês do que ficar à mercê de variáveis macroeconômicas que poderiam aumentar ou não os seus subsídios. Tudo isso foi muito bem discutido na época.

DINHEIRO – Como as redes sociais podem ajudar nessa democratização?
FISHKIN – 
As redes sociais podem aumentar a participação popular, mas há momentos em que os discursos são polarizados. Podemos acompanhar discussão sobre direitos humanos, feminismo e afins, porém também vemos as redes sendo usadas para disseminar o medo e a intolerância. Com os últimos ataques terroristas em Paris e nos EUA, percebemos um aumento dos ataques aos refugiados na rede, onde até crianças foram ameaçadas. A mobilização que nós focamos é mais organizada e menos polarizada. Queremos que as pessoas debatam e não simplesmente concordem umas com as outras. Ao mesmo tempo, a internet nos ajuda com os programas de chamadas de voz e vídeo, que aproxima pessoas de diferentes regiões e barateia o processo.

DINHEIRO – A internet tem aumentado essa polarização?
FISHKIN –
 Hoje, se alguém quer debater sobre políticas públicas ou, simplesmente, se manter mais informado, procura falar com as pessoas que já conhece. Pior: vai atrás daqueles que concordam com ele. Afinal, é mais fácil falar sobre a previsão do tempo com uma pessoa que discorda de você, do que fazer um debate sensato. A internet, em alguns momentos, estimula essa divisão. As pessoas preferem ir aos portais com os quais elas se identificam em vez de buscarem entender o que o outro lado pensa. E o que acontece? Ninguém tem a menor ideia do que motiva e defende aquele que pensa diferente. Uns consideram os outros alienígenas e vice-versa. Porém, em alguns momentos, eles têm opiniões similares em diversos pontos, mas não ficam sabendo pela simples falta de conversa.

DINHEIRO – Mas por que esse problema não ocorre na democracia deliberativa?
FISHKIN –
 As pessoas passam a ter a oportunidade de discutir com outras de diferentes pontos de vista. Elas precisam ter acesso às melhores informações possíveis, não a boatos ou falsidades. Quando você oferece isso, a população vai discutir entre si e chegar a um acordo. E o melhor de tudo é que você consegue alcançar um resultado científico de toda aquela discussão. Então, de forma bem simples, é isso o que a democracia deliberativa faz. Deixa as pessoas debaterem e chegarem a uma solução por elas mesmas.

DINHEIRO – Esse modelo pode ser replicado em empresas?
FISHKIN – 
Não só pode como já é. O modelo é usado dentro das empresas e para elas. Muitas companhias de energia elétrica, por exemplo, já consultaram a população nesses moldes para saber qual seria a melhor forma de produzir eletricidade. No Texas, depois da pesquisa deliberativa, o percentual de pessoas que aceitaram pagar mais pela energia eólica, menos poluente, passou de 50% a 85%. Além disso, a metodologia pode ser aplicada com os próprios funcionários a respeito dos erros cometidos pela empresa e até mesmo possíveis benefícios. Atuamos em algumas companhias, mas não posso citar os nomes.

DINHEIRO – Como o senhor enxerga o atual momento político mundial?
FISHKIN – 
Os políticos estão cada vez mais distantes das pessoas. Se você olhar as taxas de aprovação dos legisladores dos países democráticos ao redor do mundo, são muito baixas. A média é em torno de 11 e 12%.

DINHEIRO – Por que isso está ocorrendo?
FISHKIN – 
Os representantes não estão entregando as políticas que eles deveriam entregar para os seus eleitores. A elite política faz mais por ela do que pelo povo que representa. Isso pode ser visto no Japão, passando pela Europa e EUA, até chegar na América Latina, especialmente no Brasil. O problema é sistêmico.

DINHEIRO – O senhor enxerga uma solução para esse problema?
FISHKIN – 
Eu acredito na democracia, mas não vejo uma solução em específico para servir como salvação. Existem várias formas da democracia e não há exemplo perfeito. A solução, então, pode vir da junção desses sistemas imperfeitos. Cingapura, por exemplo, é um autoritarismo benevolente. Lá, os sistemas públicos de educação, segurança e saúde funcionam, mas as pessoas não são livres para escolherem seus comandantes e nem de darem opiniões políticas. Em outros países, acontece o oposto. Então, é necessário encontrar um denominador comum entre esses modelos políticos e que haja alguma convergência.

DINHEIRO – Em alguns países, como nos EUA e no Brasil, estão surgindo movimentos mais conservadores. Como o sr. analisa essa onda? Estamos mais conservadores do que antes?
FISHKIN –
 Há uma diferença entre democracia liberal e democracia. A liberal está preocupada em proteger os direitos individuais das pessoas. Ela segue a tendência da maioria, mesmo que essa maioria esteja reprimindo a minoria. Mussolini, Hitler e Napoleão faziam referendos, mas eles não eram democratas. O que está acontecendo nos Estados Unidos, com a liderança de Donald Trump no Partido Republicano, é algo que nem boa parte dos americanos está entendendo o que ocorre.

DINHEIRO – Como o senhor vê o processo de impeachment no Brasil? A pesquisa deliberativa poderia auxiliar nesse caso?
FISHKIN – 
Não acompanho de perto o caso, mas é visível que o governo está passando por dificuldades. Os escândalos, juntamente com as manifestações e a economia em crise, o pressionam ainda mais. A pesquisa deliberativa poderia trazer um cenário mais real para a discussão. Não abordaria somente a visão da oposição, mas proporcionaria um diálogo entre diferentes pontos de vista. Isso traria resultados construtivos.

  • Dólar Comercial
    R$3,17100 +0,06%
  • Euro Comercial
    R$3,73060 +0,01%
  • Dow Jones
    23.106,20 +0,47%
  • Nasdaq
    6.616,2000 -0,11%
  • Londres
    7.549,83 +0,45%
  • Frankfurt
    13.059,00 +0,49%
  • Paris
    5.387,07 +0,48%
  • Madrid
    10.220,00 +0,03%
  • Hong Kong
    28.711,80 +0,05%
  • CDI Anual
    8,14% 0,00%

IBGE

Trabalho por conta própria com registro cresceu em meio à crise


Dos 44 votos a favor de Aécio, 19 são alvo da Lava Jato

Senador mineiro

Dos 44 votos a favor de Aécio, 19 são alvo da Lava Jato

“Na América Latina, 372 mil pessoas vivem de vender no Mercado Livre”, diz Stelleo Tolda, do Mercado Livre

Programa Moeda Forte

“Na América Latina, 372 mil pessoas vivem de vender no Mercado Livre”, diz Stelleo Tolda, do Mercado Livre

Brasil cumpre indicador de liquidez de curto prazo (LCR), diz Comitê de Basileia

Bancos

Brasil cumpre indicador de liquidez de curto prazo (LCR), diz Comitê de Basileia

Bovespa abre em alta, em dia de vencimento do índice Ibovespa Futuro

Mercado financeiro

Bovespa abre em alta, em dia de vencimento do índice Ibovespa Futuro

Governo estuda venda de R$ 10 bi em crédito de risco da Caixa para o BNDES

Socorro

Governo estuda venda de R$ 10 bi em crédito de risco da Caixa para o BNDES


Comércio eletrônico


Amazon começa a vender eletrônicos no País e ameaça expansão de rivais

Marketplace

Amazon começa a vender eletrônicos no País e ameaça expansão de rivais

Como o Magazine Luiza pretende enfrentar a Amazon?

Varejo

Como o Magazine Luiza pretende enfrentar a Amazon?

Empresa prepara novos recursos para seu marketplace em 2018, como integração de loja física e online, venda de anúncios e um meio de pagamento próprio


Economia


Atividade econômica do Brasil encolhe 0,38% em agosto

Banco Central

Atividade econômica do Brasil encolhe 0,38% em agosto

Incentivo

Camex zera tarifas de importação de três bens de informática e telecomunicações

Imóveis

Materiais e mão de obra na construção sobem menos no IGP-10 de outubro

Preços

IGP-10 avança para 0,49% em outubro, aponta FGV


TV Dinheiro


A Amazônia pode alcançar um modelo sustentável?

Programa Dinheiro e Sustentabilidade

A Amazônia pode alcançar um modelo sustentável?

Erick Thau, da Técnica, fala sobre a crédito, impacto da queda dos juros e inadimplência

Papo de Economista

Erick Thau, da Técnica, fala sobre a crédito, impacto da queda dos juros e inadimplência


Blogs


Como Vicente Falconi foi fundamental para sucesso de Lemann, Telles e Sicupira?

Artigo

Como Vicente Falconi foi fundamental para sucesso de Lemann, Telles e Sicupira?

Em prefácio para o livro "Vicente Falconi, o que importa é o resultado", da jornalista Cristiane Correa, Marcel Telles, um dos sócios da 3G, conta como conheceu o consultor e avalia como ele foi fundamental para o sucesso das empresas compradas por ele, Lemann e Sicupira

As profecias de Blade Runner sobre Inteligência Artificial irão se realizar?

Ficção ou realidade?

Ficção ou realidade?

As profecias de Blade Runner sobre Inteligência Artificial irão se realizar?

Para vestir a casa e a vida

Empreendedorismo sustentável

Empreendedorismo sustentável

Para vestir a casa e a vida

Crise? A economia criativa não sabe o que é isso

Cultura digital

Cultura digital

Crise? A economia criativa não sabe o que é isso


Entrevista

Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz na América Latina

Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz na América Latina

"A economia está no caminho certo"

Schiemer, ao anunciar investimento de R$ 2,4 bilhões, afirma que o pior da crise ficou para trás e que suas vendas neste segundo semestre endossam as teses de que a economia está em recuperação


Negócios


A BRF tem o desafio de escolher quem irá liderar sua recuperação

Jogo pelo Poder

A BRF tem o desafio de escolher quem irá liderar sua recuperação

Depois de anunciar a saída do CEO Pedro Faria, a companhia tem o desafio de escolher quem irá liderar sua recuperação

“O dinheiro perderá a relevância”, diz Paula Paschoal, diretora do PayPal

10 perguntas para

“O dinheiro perderá a relevância”, diz Paula Paschoal, diretora do PayPal

10 perguntas para Paula Paschoal, diretora geral do PayPal no Brasil


Finanças


O que buscam os três ex-sócios da XP que se uniram para investir em fintechs

Nova Economia

O que buscam os três ex-sócios da XP que se uniram para investir em fintechs

Três ex-sócios da XP se unem para investir em fintechs e fazer com essas startups o mesmo que Lemann, Sicupira e Telles fizeram no passado ao transformar a gestão dos negócios

Saiba como aproveitar as oportunidades no mercado de imóveis com menos risco

Fundos imobiliários

Saiba como aproveitar as oportunidades no mercado de imóveis com menos risco

Os analistas são unânimes: há muitas oportunidades no mercado de imóveis. A boa notícia é que, em breve, será possível aproveitá-las com menos risco. Saiba como.


Economia

Banco Central tem a chance para resolver os dilemas da economia brasileira

Inflação surpreendente

Banco Central tem a chance para resolver os dilemas da economia brasileira

Com o IPCA rodando abaixo dos 3% ao ano e um PIB ainda anêmico, o Banco Central tem espaço para ser mais ousado na queda dos juros. O momento é propício para gerar crescimento econômico e reduzir o desemprego, sem necessariamente despertar o dragão inflacionário

Catalunha sofre com fuga de empresas em meio a imbróglio com a Espanha

Luta Solitária

Catalunha sofre com fuga de empresas em meio a imbróglio com a Espanha

Após ser pressionado, movimento separatista recua e pede mediação para conquistar a independência da Espanha. Nesse imbróglio, empresas já anunciam saída da região

O nobel Richard Thaler mostra como decisões pessoais afetam a economia

Não confie na estatística

O nobel Richard Thaler mostra como decisões pessoais afetam a economia

Prêmio Nobel ao americano Richard Thaler valoriza seu esforço para entender o impacto de reações individuais inesperadas em teorias clássicas. Os estudos são referência para que companhias e governos não confiem cegamente em modelos


Mercado Digital


Por que a Nissan, a Gerdau e a Stefanini estão usando jogos eletrônicos para melhorar seus desempenhos

Brincadeira de gente grande

Por que a Nissan, a Gerdau e a Stefanini estão usando jogos eletrônicos para melhorar seus desempenhos

Empresas como Nissan, Gerdau e Stefanini estão descobrindo que usar técnicas de jogos eletrônicos pode ser a melhor estratégia para treinar e engajar seus funcionários

A fabricante de processadores para celulares MediaTek alcança a liderança na América Latina

Atrás da tela

A fabricante de processadores para celulares MediaTek alcança a liderança na América Latina

Fabricante de processadores taiwanesa conquista a liderança do mercado latino-americano e ganha cada vez mais espaço no Brasil


Artigo

Queremos eleições todo ano

Investimento público

Investimento público

Queremos eleições todo ano

O nível de investimento público aumenta quando o cidadão vai às urnas, uma demonstração que a máquina pública trabalha só para fins eleitorais


Colunas


O que Brasília ainda pode fazer pelo Brasil

Editorial

O que Brasília ainda pode fazer pelo Brasil

O cofre do Renova BR

Moeda Forte

O cofre do Renova BR

Violência política

Sustentabilidade

Violência política

Microsoft admite derrota nos smartphones

Dinheiro & Tecnologia

Microsoft admite derrota nos smartphones

A chance de ter um Da Vinci

Cobiça

A chance de ter um Da Vinci


Publieditorial

Os melhores do CNA

CNA apresenta

CNA apresenta

Os melhores do CNA

Premiação anual reconhece a atuação dos franqueados da rede de ensino de idiomas