Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Os políticos estão cada vez mais distantes das pessoas”

“Os políticos estão cada vez mais distantes das pessoas”

André Jankavski
Edição 18/12/2015 - nº 947

O americano James Fishkin, professor da Universidade de Stanford, é considerado um dos maiores defensores da democracia no campo acadêmico. Ele é o líder do Centro para Democracia Deliberativa de Stanford, uma entidade que já elaborou 70 projetos em 23 países e em diversas empresas. A organização se propõe a orientar a população pela busca por soluções de problemas estruturais, desde saneamento básico até benefícios trabalhistas. Em recente visita ao Brasil, a convite do Instituto Atu­ação, de Curitiba, Fishkin avaliou o atual momento político mundial e afirmou que, quanto mais instruído o povo, mais forte estará a democracia. Confira, a seguir, sua entrevista:

DINHEIRO – O senhor ajudou a desenvolver a democracia deliberativa, uma metodologia que cria pequenos grupos para discutir problemas macroeconômicos. Como isso funciona?
JAMES FISHKIN – 
Reunimos grupos aleatórios de, mais ou menos, 300 pessoas. Dividimos os participantes de acordo com a proporção da região: mesma quantidade de ricos e pobres, negros e brancos, homens e mulheres. Fornecemos também materiais desenvolvidos com os mais diversos pontos de vista, tendo cuidado para não exercer qualquer tipo de influência. Nesse ambiente, mediado por alguém que não dá qualquer opinião sobre o assunto, o tempo de fala para cada pessoa é igual, então um aprende com o outro. Na maioria das vezes, a classe média aprende com o pobre.

DINHEIRO – Mas isso funciona na prática ou vira uma discussão de classes? Os que tiveram mais acesso à educação não se sobressaem nos debates?
FISHKIN –
 Funciona e é muito mais informativo. Os ricos pensam que sabem como o pobre vive, mas, na verdade, não fazem a mínima ideia do que é ser pobre. Por conta da informação e da televisão, os pobres sabem exatamente como a classe média e os ricos vivem. Então, muitas vezes, os que possuem curso superior não têm o conhecimento de como resolver o problema do outro, já que nunca viveram naquelas condições. Com a metodologia, conseguimos aproximar pessoas que nunca estariam juntas antes. As pessoas começam a ter mais contato com a realidade e passam a ter mais informações sobre o diferente, o desconhecido. Elas criam argumentos e enriquecem umas as outras. O povo consegue decidir por ele mesmo.

DINHEIRO – Essa metodologia pode ser aplicada em qualquer lugar?
FISHKIN –
 Sim, menos em lugares que estão em conflito. Precisamos de espaços calmos para discussão, mas já aplicamos esse tipo de metodologia em países desenvolvidos como Japão e Estados Unidos até em algumas das nações mais pobres da África. Pensávamos que na China não seria possível por conta do modelo político do país, mas já realizamos diversos debates lá e foram muito bem acolhidos pela população e autoridades.

DINHEIRO – Quais foram os maiores êxitos?
FISHKIN – 
Não existem maiores êxitos, mas bons exemplos do poder de transformação. Uma intervenção no Japão, em 2011, exemplifica isso muito bem. Naquele ano, houve uma discussão a respeito da previdência japonesa. A maioria, cerca de 59%, defendia que ela deveria ser privatizada, ligada a resultados financeiros, e os outros afirmavam que era assunto do governo. Depois dos debates, o percentual de apoiadores à iniciativa privada se inverteu e foi derrotada com 35% da preferência. Os aposentados preferiram a segurança de receber o seu dinheiro todo o mês do que ficar à mercê de variáveis macroeconômicas que poderiam aumentar ou não os seus subsídios. Tudo isso foi muito bem discutido na época.

DINHEIRO – Como as redes sociais podem ajudar nessa democratização?
FISHKIN – 
As redes sociais podem aumentar a participação popular, mas há momentos em que os discursos são polarizados. Podemos acompanhar discussão sobre direitos humanos, feminismo e afins, porém também vemos as redes sendo usadas para disseminar o medo e a intolerância. Com os últimos ataques terroristas em Paris e nos EUA, percebemos um aumento dos ataques aos refugiados na rede, onde até crianças foram ameaçadas. A mobilização que nós focamos é mais organizada e menos polarizada. Queremos que as pessoas debatam e não simplesmente concordem umas com as outras. Ao mesmo tempo, a internet nos ajuda com os programas de chamadas de voz e vídeo, que aproxima pessoas de diferentes regiões e barateia o processo.

DINHEIRO – A internet tem aumentado essa polarização?
FISHKIN –
 Hoje, se alguém quer debater sobre políticas públicas ou, simplesmente, se manter mais informado, procura falar com as pessoas que já conhece. Pior: vai atrás daqueles que concordam com ele. Afinal, é mais fácil falar sobre a previsão do tempo com uma pessoa que discorda de você, do que fazer um debate sensato. A internet, em alguns momentos, estimula essa divisão. As pessoas preferem ir aos portais com os quais elas se identificam em vez de buscarem entender o que o outro lado pensa. E o que acontece? Ninguém tem a menor ideia do que motiva e defende aquele que pensa diferente. Uns consideram os outros alienígenas e vice-versa. Porém, em alguns momentos, eles têm opiniões similares em diversos pontos, mas não ficam sabendo pela simples falta de conversa.

DINHEIRO – Mas por que esse problema não ocorre na democracia deliberativa?
FISHKIN –
 As pessoas passam a ter a oportunidade de discutir com outras de diferentes pontos de vista. Elas precisam ter acesso às melhores informações possíveis, não a boatos ou falsidades. Quando você oferece isso, a população vai discutir entre si e chegar a um acordo. E o melhor de tudo é que você consegue alcançar um resultado científico de toda aquela discussão. Então, de forma bem simples, é isso o que a democracia deliberativa faz. Deixa as pessoas debaterem e chegarem a uma solução por elas mesmas.

DINHEIRO – Esse modelo pode ser replicado em empresas?
FISHKIN – 
Não só pode como já é. O modelo é usado dentro das empresas e para elas. Muitas companhias de energia elétrica, por exemplo, já consultaram a população nesses moldes para saber qual seria a melhor forma de produzir eletricidade. No Texas, depois da pesquisa deliberativa, o percentual de pessoas que aceitaram pagar mais pela energia eólica, menos poluente, passou de 50% a 85%. Além disso, a metodologia pode ser aplicada com os próprios funcionários a respeito dos erros cometidos pela empresa e até mesmo possíveis benefícios. Atuamos em algumas companhias, mas não posso citar os nomes.

DINHEIRO – Como o senhor enxerga o atual momento político mundial?
FISHKIN – 
Os políticos estão cada vez mais distantes das pessoas. Se você olhar as taxas de aprovação dos legisladores dos países democráticos ao redor do mundo, são muito baixas. A média é em torno de 11 e 12%.

DINHEIRO – Por que isso está ocorrendo?
FISHKIN – 
Os representantes não estão entregando as políticas que eles deveriam entregar para os seus eleitores. A elite política faz mais por ela do que pelo povo que representa. Isso pode ser visto no Japão, passando pela Europa e EUA, até chegar na América Latina, especialmente no Brasil. O problema é sistêmico.

DINHEIRO – O senhor enxerga uma solução para esse problema?
FISHKIN – 
Eu acredito na democracia, mas não vejo uma solução em específico para servir como salvação. Existem várias formas da democracia e não há exemplo perfeito. A solução, então, pode vir da junção desses sistemas imperfeitos. Cingapura, por exemplo, é um autoritarismo benevolente. Lá, os sistemas públicos de educação, segurança e saúde funcionam, mas as pessoas não são livres para escolherem seus comandantes e nem de darem opiniões políticas. Em outros países, acontece o oposto. Então, é necessário encontrar um denominador comum entre esses modelos políticos e que haja alguma convergência.

DINHEIRO – Em alguns países, como nos EUA e no Brasil, estão surgindo movimentos mais conservadores. Como o sr. analisa essa onda? Estamos mais conservadores do que antes?
FISHKIN –
 Há uma diferença entre democracia liberal e democracia. A liberal está preocupada em proteger os direitos individuais das pessoas. Ela segue a tendência da maioria, mesmo que essa maioria esteja reprimindo a minoria. Mussolini, Hitler e Napoleão faziam referendos, mas eles não eram democratas. O que está acontecendo nos Estados Unidos, com a liderança de Donald Trump no Partido Republicano, é algo que nem boa parte dos americanos está entendendo o que ocorre.

DINHEIRO – Como o senhor vê o processo de impeachment no Brasil? A pesquisa deliberativa poderia auxiliar nesse caso?
FISHKIN – 
Não acompanho de perto o caso, mas é visível que o governo está passando por dificuldades. Os escândalos, juntamente com as manifestações e a economia em crise, o pressionam ainda mais. A pesquisa deliberativa poderia trazer um cenário mais real para a discussão. Não abordaria somente a visão da oposição, mas proporcionaria um diálogo entre diferentes pontos de vista. Isso traria resultados construtivos.


Entrevista

Eduardo Giannetti da Fonseca

Eduardo Giannetti da Fonseca

"Os discursos econômicos dos candidatos que lideram as pesquisas são trágicos"

O economista mineiro e principal coordenador do plano econômico da candidata à Presidência Marina Silva, da Rede, tem engrossado o tom de voz ao criticar as propostas dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto


Economia


A economia em compasso de espera

apreensão

A economia em compasso de espera

Nas pesquisas eleitorais, Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT) avançam como favoritos ao segundo turno. Enquanto isso, empresários e consumidores colocam o pé no freio

Terceira via na Argentina?

internacional

Terceira via na Argentina?

Problemas de Macri e Kirchner abrem espaço para um nome moderado nas eleições de 2019. O ex-ministro da Fazenda, Roberto Lavagna, é o favorito


Negócios

Camisaria Colombo: venda à vista?

Varejo

Camisaria Colombo: venda à vista?

A Colombo fechou 200 lojas e diminuiu o mix de produtos. Com isso, pretende voltar ao lucro operacional neste ano e se prepara para uma nova negociação

Portas abertas para os venezuelanos

oportunidades

Portas abertas para os venezuelanos

Iniciativas lideradas por empresários, como Carlos Wizard, e por companhias, como Ericsson e Carrefour, estão oferecendo novas oportunidades aos refugiados

A fusão indigesta da Sapore

negociação

A fusão indigesta da Sapore

Diante do fracasso da união entre Sapore e IMC, seus executivos buscam alternativas para crescer


As Melhores da Dinheiro


Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

prestígio

Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

expectativa

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

Ao celebrar a batalha contra a pior crise econômica do País, executivos premiados na festa de as AS MELHORES DA DINHEIRO destacam a expectativa por reformas que abram caminho para o crescimento


Dinheiro digital

Uma empresa do barulho

napster

napster

Uma empresa do barulho

Depois de abalar o mundo no começo dos anos 2000, o Napster tenta se reinventar para voltar a brilhar em uma indústria que a própria companhia ajudou a criar


Finanças


Fundos poderão investir em criptomoedas

investidores

Fundos poderão investir em criptomoedas

Comissão de Valores Mobiliários libera aportes de fundos em moedas virtuais e investidores devem operar com mais segurança

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon

dinheiro em ação

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon


Estilo

Tiffany para os jovens

luxo

luxo

Tiffany para os jovens

Sinônimo de exclusividade, a joalheria americana quer conquistar os millennials com preços mais acessíveis


Colunas


O rugido de Trump

dinheiro da redação

O rugido de Trump

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Moeda forte

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Os vilões das praias

sustentabilidade

Os vilões das praias

A voz do camaleão do rock

cobiça

A voz do camaleão do rock

Sabotagem na Amazon

Dinheiro & tecnologia

Sabotagem na Amazon


Artigo

Não se esqueça do Congresso

Por Carlos Sambrana

Por Carlos Sambrana

Não se esqueça do Congresso

Você lembra em quem votou para deputado federal nas últimas eleições? Recorda qual foi o senador que escolheu?


Publieditorial

Gestão Ágil de Projetos

Insper apresenta:

Insper apresenta:

Gestão Ágil de Projetos

Solução traz um novo panorama de eficiência na implantação de projetos nas empresas

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.