Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Os bancos não sobreviverão às novas tecnologias”

“Os bancos não sobreviverão às novas tecnologias”

Natália Flach

Apenas dois dos 20 maiores bancos americanos que operavam nos anos 1980 permanecem em atividade. O morticínio decorreu da incapacidade de as instituições financeiras se adaptarem à tecnologia disruptiva dos cartões de crédito e débito. Atualmente, seis anos após a crise do subprime, crescem os riscos de a história se repetir, tanto pela inovação incessante quanto pela entrada de gigantes da tecnologia, como o Google, no processamento de pagamentos online. Para combater essa onda, os bancos vêm buscando ficar mais próximos de seus clientes finais, eliminando intermediários financeiros.

Na Europa, os cartões private label, emitidos por lojas, estão voltando com força e nos Estados Unidos a estratégia passa por parcerias com varejistas. “É uma guerra para os intermediários e um processo inevitável para os bancos”, diz Philip Heasley, presidente da ACI Payment Systems. Ele sabe o que fala. Seus clientes incluem 250 varejistas globais e 21 dos 25 maiores bancos do mundo. Sua empresa processa US$ 13 trilhões em pagamentos por dia, mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) americano. No Brasil, cinco dos dez maiores bancos e as principais redes de processamento de cartões trabalham com a ACI.

DINHEIRO – Após a crise, os bancos parecem estar mais fortes do que nunca, mas o sr. diz que eles estão sendo ameaçados. Por quê?
PHILIP HEASLEY –
Principalmente por causa das novas exigências dos clientes. Quando eu era jovem, costumava usar cheque e usava o canhoto para anotar as despesas. Agora, todo mundo usa caixas eletrônicos ou checa a sua conta online. O que os clientes mais querem é poder pagar contas em sua moeda, seja um cartão, seja um celular, em qualquer lugar do mundo, sem riscos e com custo baixo. A conectividade e a conveniência são muito importantes. Por isso, a tendência é que as economias fiquem cada vez mais abertas e que as transações aconteçam cada vez mais rapidamente. Para os bancos e para as autoridades reguladoras, transferências em tempo real trazem um benefício muito grande, que é a redução do risco de fraude. No entanto, essa rapidez exige investimentos pesados em tecnologia. Alguns países da Ásia nunca tiveram acesso a sistemas como esses e estão tentando construir tudo do zero. Os países da Europa estão derrubando os seus muros financeiros e regulatórios e estão se conectando em uma Europa única. A tendência mundial é evoluir de sistemas velhos e lentos para outros mais rápidos.

DINHEIRO – Por que essa evolução tecnológica é uma ameaça para os bancos?
HEASLEY –
O sistema como um todo tem problemas. A tecnologia dos smartphones e tablets permite efetuar compras online, mas o cartão de crédito pode levar até três dias para liberar a transação. Isso significa que o consumidor pode receber o produto em casa antes de o cartão processar o pagamento, o que mostra que há algo errado. O maior gargalo é provocado pela deficiência de infraestrutura, mas isso está prestes a mudar, e essas mudanças não serão lideradas pelos bancos, mas por empresas de meios de pagamento.

DINHEIRO – Qual é o impacto disso sobre o sistema?
HEASLEY –
Para se defenderem, os bancos buscam ficar mais perto dos seus clientes e eliminar os intermediários da cadeia de pagamentos. Estamos assistindo a uma corrida que vai mudar tudo o que conhecemos. Algumas empresas vão conseguir mudar o seu perfil e sobreviver. Outras não. É uma guerra do ponto de vista dos intermediários e um processo inevitável vendo pelo lado dos bancos. Todas as vezes que surge uma tecnologia disruptiva, capaz de destruir os negócios que conhecemos, algumas empresas se reinventam e outras sucumbem. Isso já ocorreu antes.

DINHEIRO – Quando?
HEASLEY –
Quando os cartões de débito e de crédito se tornaram produtos de massa nos Estados Unidos, durante a década de 1980, o país enfrentava uma crise imobiliária. Dos 20 maiores bancos americanos apenas dois sobreviveram, o Citicorp e o New York Chemical Manufacturing Company, que hoje se chama JP Morgan Chase. Todos os outros quebraram, porque acreditaram que eram poderosos demais para falir. Estamos saindo agora de outra crise no mercado imobiliário e os presidentes dos bancos se lembram muito bem do que aconteceu há 34 anos, por isso estão menos resistentes à mudança. Um dos maiores banqueiros americanos me disse “eu tenho 20% dos consumidores dos Estados Unidos e apenas 3% do negócio de intermediação, por isso estou disposto a abrir mão do intermediador se eu puder atingir diretamente o consumidor, pois essa relação é muito valiosa”.

DINHEIRO – Isso quer dizer que os bancos planejam lançar bandeiras próprias? Como esse movimento deve mudar os negócios?
HEASLEY –
Os grandes bancos estão começando a questionar se precisam mesmo de Visa e Mastercard, visto que atendem 10% ou 15% dos clientes do país. Por que não usar suas próprias marcas? Há um bom exemplo na França, o sistema Carte Bleue (cartão de pagamentos lançado por seis bancos franceses em 1967 e que atualmente tem 32 milhões de cartões, emitidos por 37 bancos). Como os bancos queriam que ele fosse um plástico aceito internacionalmente o transformaram em um Visa. Agora, querem voltar ao sistema antigo, pois poderão fazer todas as transações rapidamente e sozinhos. Há movimentos semelhantes na Ásia e na Austrália. Outro movimento vem de parcerias de bancos diretamente com varejistas. Essas empresas não têm margens muito grandes, então, se conseguirem 0,5% nas vendas já é algo enorme. Por isso os bancos estão oferecendo suas marcas (private labels) diretamente para os varejistas, que hoje aceitam Visa e Mastercard.

DINHEIRO – Qual é o papel da regulação nesse cenário?
HEASLEY –
Quando Visa e Mastercard foram inventadas, a tecnologia era manual e muito mais cara. Essas empresas cobravam taxas elevadas para processar cada transação, e isso virou um monopólio legalizado. Ou seja, o preço se mantinha estável. Foi então que os reguladores entraram para mudar esse cenário e determinaram que as taxas fossem reduzidas. Com isso, havia um incentivo para que fossem adotadas novas tecnologias para aumentar as margens.

DINHEIRO – Com tantos casos de fraudes nos últimos anos, os bancos estão mais seguros?
HEASLEY –
Acho que os bancos estão mais seguros, até porque estão mais saudáveis do que antes da crise financeira. Porém, sempre vai haver uma batalha entre quem quer roubar os bancos e quem quer protegê-los. Qualquer movimentação de dinheiro, seja em papel moeda, seja em cheque ou eletrônica, é um alvo potencial de desvio ou de fraude. O problema é que muitos países têm feito vista grossa para roubos que acontecem fora de suas fronteiras. Isso se transformou em um problema de soberania.

DINHEIRO – Um dos argumentos da indústria de meios de pagamento é que as transações eletrônicas facilitam a inclusão bancária. Estima-se que 40% da população brasileira não tenha conta em bancos. O que pode ocorrer no futuro?
HEASLEY –
Nos Estados Unidos, o sistema financeiro é bem desenvolvido e lá 25% das pessoas não têm conta em banco. Isso mostra que o Brasil não está tão atrás assim. O que acontece lá é que o processo de inclusão bancária tem tido uma grande participação do varejo. O Walmart, que é um grande varejista, está fornecendo cheques para os clientes que não têm conta em banco, aumentando assim o seu poder de compra. Por quê? Para concorrer com a Amazon, que tem facilitado muito para as pessoas comprarem. Agora, pense nas mudanças que podem ocorrer com uma empresa como o Google, que tem informações sobre varejistas e consumidores, possui uma grande competência técnica e capacidade operacional. É certo que a empresa adoraria ligar vendedores e compradores sem ter de passar pelos bancos.

DINHEIRO – O sr. acredita que os não bancarizados vão passar a fazer compras pelo celular sem passar pelos bancos?
HEASLEY –
Acho que ainda estamos em um estágio inicial de desenvolvimento deste mercado. Os varejistas vão liderar esse movimento ao fazer parcerias com empresas, como a Apple, para vender os seus produtos.

DINHEIRO – Como sua empresa está nesse contexto e quais são os mercados que ainda não são muito explorados?
HEASLEY –
Somos uma empresa de meios de pagamento, estamos por trás das transações por celular, internet e na proteção contra fraude. Nós prestamos serviços para as companhias que não querem investir em tecnologia. Aí podemos processar os pagamentos por elas. Não fazemos isso no Brasil, mas é algo que podemos passar a oferecer.

DINHEIRO – Quem são os seus clientes?
HEASLEY –
Se olhar a lista das 500 maiores empresas dos Estados Unidos, quase todas são nossas clientes, nomes como Visa, Mastercard, Apple, McDonalds. Atendemos 17 dos 20 maiores varejistas do mundo. Também temos negócios com 1.500 pequenos bancos, mas o nosso foco são os grandes. Cerca de 40% das nossas receitas vêm dos Estados Unidos e o restante de outros países.

DINHEIRO – Qual é a sua atuação no Brasil?
HEASLEY –
Chegamos ao Brasil, em 1996. Nesse ano, o País tornou-se nossa maior operação na América Latina. Isso nos levou a uma mudança de estratégia. Antes, administrávamos os negócios a partir de Miami, mas percebemos que era preciso ter uma base local. Tivemos de contratar mais pessoas, e atualmente temos escritórios na Colômbia, no México e na Argentina. Esperamos que o maior crescimento da América Latina venha do Brasil. Apesar dos altos e baixos, o País está no caminho certo. Tem ficado mais fácil para os estrangeiros fazerem negócios aqui.

DINHEIRO – O desempenho econômico brasileiro mais fraco pode afetar os resultados?
HEASLEY –
Não acho que vai haver qualquer impacto. Existem muito mais oportunidades do que riscos. Os bancos brasileiros vão se dar bem aqui e na América Latina. Hoje, as instituições financeiras americanas estão usando nossa tecnologia para que os clientes possam fazer compras com o seu smartphone e isso é uma tendência que podemos expandir para todo o mundo muito rapidamente.

  • Dólar Comercial
    R$3,47800 -0,22%
  • Euro Comercial
    R$4,21000 -0,77%
  • Dow Jones
    24.322,30 +0,99%
  • Nasdaq
    7.118,6800 +1,64%
  • Londres
    7.421,43 +0,57%
  • Frankfurt
    12.500,50 +0,63%
  • Paris
    5.453,58 +0,74%
  • Madrid
    9.902,30 +0,45%
  • Hong Kong
    30.007,70 -1,06%
  • CDI Anual
    6,39% 0,00%

Finanças

CMN permite a fintechs intermediarem empréstimos


Ibovespa sobe 1,57% e retoma patamar dos 86 mil pontos

Bolsa de valores

Ibovespa sobe 1,57% e retoma patamar dos 86 mil pontos

Acionistas suspendem assembleia da BRF sem contagem de votos

Eleição do conselho

Acionistas suspendem assembleia da BRF sem contagem de votos

Vale diz que ainda está em negociação com Glencore e acredita em sucesso

Mineração

Vale diz que ainda está em negociação com Glencore e acredita em sucesso

BNDES vai repassar R$ 148 bilhões para o governo em agosto

Contas públicas

BNDES vai repassar R$ 148 bilhões para o governo em agosto

EDP anuncia investimento de mais de R$ 400 milhões no Espírito Santo

Energia

EDP anuncia investimento de mais de R$ 400 milhões no Espírito Santo


TV Dinheiro

Devo comprar ações da Hering?

Bolsa

Bolsa

Devo comprar ações da Hering?

No programa Dinheiro em Ação, Cláudio Gradilone, editor de finanças da Dinheiro, recebe Shin Lai, analista da Upside Investor. Neste segundo bloco, ele analisa o momento do setor varejista e as perspectivas de crescimento dos papéis da Hering em 2018


Negócios


Montadoras asiáticas lideram ranking de usados

Veículos

Montadoras asiáticas lideram ranking de usados

Pesquisa da InstaCarro aponta as montadoras que sofrem menos (e mais) com a depreciação no mercado de usados

Empreiteira

S&P corta rating da Odebrecht de CCC para CCC-, com perspectiva negativa

Enel faz nova oferta de R$ 32,20 por ação da Eletropaulo

Energia

Energia

Enel faz nova oferta de R$ 32,20 por ação da Eletropaulo

Via Varejo aprova adiantamento de até R$ 400 mi para Cnova

Dívida

Dívida

Via Varejo aprova adiantamento de até R$ 400 mi para Cnova


Blogs


Os novos projetos da Vino Beato

O Mundo dos Vinhos

Os novos projetos da Vino Beato

Água para beber, para produzir e para gerar riquezas

Sustentabilidade

Água para beber, para produzir e para gerar riquezas

Conheça a paulistana General Water, que cresce 20% ao ano com a prospecção de água e tratamento de esgoto para grandes consumidores


Mundo


EUA devem impor tarifas à UE no dia 1º de maio, diz alemão

Guerra do aço

EUA devem impor tarifas à UE no dia 1º de maio, diz alemão

Senado americano confirma Mike Pompeo como secretário de Estado

Estados Unidos

Senado americano confirma Mike Pompeo como secretário de Estado

Após Macron, Merkel viaja a Washington para tentar convencer Trump

Agenda global

Após Macron, Merkel viaja a Washington para tentar convencer Trump

Cúpula intercoreana renova esperanças de paz

encontro histórico

Cúpula intercoreana renova esperanças de paz

Acesso à internet por TV já supera tablet, diz IBGE

mercado digital

Acesso à internet por TV já supera tablet, diz IBGE


Entrevista

'Há uma lacuna grande no Brasil. Quem entrar e investir vai capturar valor'

Bedy Yang, sócia da 500 Startups

Bedy Yang, sócia da 500 Startups

'Há uma lacuna grande no Brasil. Quem entrar e investir vai capturar valor'

Quando se trata de startups, a paranaense Bedy Yang, de 39 anos, está no centro do mundo. Não porque trabalha no coração do Vale do Silício. Mas porque é sócia do fundo de venture capital 500 Startups, um dos mais ativos da atualidade


Finanças


A Cielo se prepara para contraatacar

Meios de pagamento

A Cielo se prepara para contraatacar

Para enfrentar o PagSeguro e as fintechs, a empresa prepara um pacote de lançamentos, que inclui uma máquina para atender os pequenos negócios

Como os Millennials investem

Investidores

Como os Millennials investem

Jovens entre 18 e 35 anos são conservadores e ao mesmo tempo plugados no mundo digital. Eles entram no mercado financeiro com o objetivo de diminuir as incertezas do futuro


Economia

Qual o salário mínimo que o Brasil deve ter

Valor real

Qual o salário mínimo que o Brasil deve ter

O próximo presidente terá de definir como dosar os reajustes do piso salarial brasileiro à nova realidade econômica do País. O desafio é escolher entre o ideal e o possível

Números de EUA e Brasil se parecem, mas realidades são opostas

Inflação

Números de EUA e Brasil se parecem, mas realidades são opostas

Desde 2007, no período pré-crise, os índices de preços do Brasil e dos Estados Unidos não estavam tão próximos. Na prática, no entanto, há muito mais diferenças do que semelhanças entre as duas economias

Presidente americano adiciona o risco bélico em meio a uma guerra comercial

General Trump

Presidente americano adiciona o risco bélico em meio a uma guerra comercial

Bombardeio na Síria adiciona incertezas militares num cenário econômico internacional já conturbado pela disputa comercial entre EUA e China


Mercado Digital

Como a Microsoft está lidando com a crise do Vale do Silício

Em boas mãos

Em boas mãos

Como a Microsoft está lidando com a crise do Vale do Silício

Sob o comando de Satya Nadella, a empresa fundada por Bill Gates reformula seus negócios e consegue escapar da crise que abala as empresas de tecnologia americanas


Negócios

VLI Logística está de cofre cheio à espera das concessões

Transporte

VLI Logística está de cofre cheio à espera das concessões

A VLI Logística, uma das maiores empresas de transporte ferroviário do País, se diz pronta para desembolsar o maior volume de investimentos de sua história. Só depende da renovação antecipada das concessões, que deve atrair R$ 30 bilhões em recursos

Existe saída para a BR Pharma?

Farmacêutica

Existe saída para a BR Pharma?

O fundo Lyon Capital, do empresário Paulo Remy, e o PPLA, empresa de investimento do BTG Pactual, estão brigando para saber qual deles não vai ficar com a encrencada rede de farmácias. Entenda a história

A Supreme se torna a marca descolada de luxo

Estilo

A Supreme se torna a marca descolada de luxo

A marca americana de streetwear Supreme, que está entre as preferidas dos adolescentes, conquistou parceiros de prestígio como Louis Vuitton, Rimowa e Lacoste


Colunas


A bomba fiscal

Editorial

A bomba fiscal

Um novo capítulo para o Citi

Moeda Forte

Um novo capítulo para o Citi

Combustível que vem do esgoto

Sustentabilidade

Combustível que vem do esgoto

Otimismo sem freio

Dinheiro & Tecnologia

Otimismo sem freio

O esplendor do mar

Cobiça

O esplendor do mar


Artigo

Maduros, sim. Velhos, nunca

Por Cláudio Gradilone

Por Cláudio Gradilone

Maduros, sim. Velhos, nunca

Facilitar que os cidadãos permaneçam produtivos vai reduzir a pressão sobre as contas do INSS e preservar o conhecimento de décadas de experiência


Como fazer sua marca romper com o óbvio

Caso Smiles

Como fazer sua marca romper com o óbvio

Loja física deve virar centro de distribuição, diz Magazine Luiza

Debate

Debate

Loja física deve virar centro de distribuição, diz Magazine Luiza

“Marcas precisam se comunicar com simplicidade”, diz CEO da Kantar

Eric Salama

Eric Salama

“Marcas precisam se comunicar com simplicidade”, diz CEO da Kantar

“PIB terá forte correlação com marca Brasil”, diz CEO da The Store WPP

David Roth

David Roth

“PIB terá forte correlação com marca Brasil”, diz CEO da The Store WPP


As Melhores da DINHEIRO 2018

Sua empresa não pode ficar de fora

Premiação

Premiação

Sua empresa não pode ficar de fora

As inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2018 estão abertas. Saiba como participar

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.