Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“As empresas devem se preparar para os efeitos das mudanças climáticas”

“As empresas devem se preparar para os efeitos das mudanças climáticas”

Rosenildo Gomes Ferreira
Edição 11.07.2014 - nº 873

Ao longo de 2013, as seguradoras tiveram de desembolsar cerca de US$ 140 bilhões para cobrir indenizações ligadas a eventos climáticos, como furacões e chuvas torrenciais. O aumento da intensidade dessas catástrofes tem sido apontado como um dos efeitos do aquecimento global. Os cientistas não são unânimes nesse diagnóstico. Por via das dúvidas, as grandes corporações estão se preparando para um cenário ainda mais adverso. Uma das empresas que puxam essa fila é a Allianz, cujas receitas somaram € 110 bilhões (R$ 340 bilhões), no ano passado. “Em uma economia integrada, temos de levar em conta que ocorrências climáticas severas em um país podem gerar prejuízos em cascata nos demais”, afirma Karsten Löffler, CEO da Allianz Climate Solutions, divisão da gigante alemã dos seguros que trata dessa área. “Isso vale especialmente para o setor produtivo.” Em sua recente passagem pelo Brasil, Löffler, que também integra o Conselho Consultivo sobre Mudanças Climáticas da ONU, defendeu a criação de green bonds, títulos destinados a financiar projetos de energia renovável em países como o Brasil.

DINHEIRO – O que a Allianz está fazendo para atuar em um mundo onde as catástrofes climáticas e os prejuízos provocados por elas tendem a aumentar cada vez mais?
KARSTEN LÖFFLER –
É preciso ter em mente que as mudanças climáticas não podem ser facilmente ligadas a ocorrências de eventos extremos como tsunamis e furações. Para fazermos essa conexão é preciso um estudo mais profundo, usando inclusive modelos estatísticos, para mostrar a relação entre essas duas coisas. Dito isso, é importante que uma empresa de seguros se prepare para o futuro. Em muitos casos, o que podemos fazer é instruir nossos clientes que atuam perto de rios, por exemplo, a adotarem medidas para proteger suas instalações em relação a possíveis inundações. Trata-se de uma maneira simples de se precaver de fenômenos que podem gerar perdas importantes.

DINHEIRO – A divisão que o sr. dirige também presta consultoria para os clientes da Allianz nas questões relacionadas ao clima?
LÖFFLER –
Na verdade, esse trabalho é feito por cada uma das subsidiárias, pois o tema faz parte de nosso DNA. Minha função é colocar na perspectiva do grupo o que temos de fazer, como uma empresa global, para integrar os riscos associados às mudanças climáticas. Em uma economia globalizada, temos de levar em conta que inundações na Tailândia podem causar perdas para empresas japonesas, por exemplo, que ficam com sua produção comprometida pela falta de suprimento de matéria-prima. Sem contar a perda de informações relevantes, a partir da destruição de centros de computação em áreas afetadas por catástrofes.

DINHEIRO – E qual seria o caminho para minimizar esses riscos?
LÖFFLER –
Acho que existem muitas medidas a serem adotadas, no sentido de reduzirmos as emissões de dióxido de carbono (CO2). A lista inclui a implementação de instrumentos que privilegiem a produção e a venda de equipamentos mais eficientes, do ponto de vista energético, para serem usados pelas empresas e em nosso dia a dia, e até mesmo o incentivo para a adoção de energias limpas, como as fontes solar e eólica.

DINHEIRO – Nesse contexto, as medidas adotadas recentemente pelo presidente Barack Obama, dos Estados Unidos, com o objetivo de reduzir em 30% as emissões do país, representam uma nova forma de lidar com essa questão, uma vez que os mercados tradicionais de venda de crédito de carbono perderam o brilho?
LÖFFLER –
Você está certo quando diz que o mercado de carbono está desapontando os investidores. Os motivos são inúmeros, inclusive a crise econômica de agosto de 2008. Isso afetou a demanda por certificados de emissão de CO2. Acho que uma forma de trazer de volta essa discussão e reavivar o mercado de carbono é colocar os países em desenvolvimento nesse debate, além de criar mecanismos para regular e gerenciar as emissões desses títulos. Nesse contexto, a decisão do governo Obama em limitar as emissões é bastante positiva.

DINHEIRO – Do ponto de vista do setor financeiro, quais são as prioridades nesse debate?
LÖFFLER –
Não falo pelo setor financeiro. Mas se analisarmos o segmento de seguros, no qual a Allianz está inserida, destacaria a capacidade das empresas do setor de incorporar as mudanças climáticas ao centro de sua estratégia de negócios. Outro ponto importante seria a criação de produtos financeiros verdes, que tenham relevância do ponto de vista do investidor. Estou falando de bônus verdes e dos Bônus Climáticos, por exemplo, que seriam instrumentos que os bancos de desenvolvimento de países como os Estados Unidos, a Alemanha ou o Japão poderiam utilizar para bancar os custos da transição de uma economia fortemente apoiada na emissão de CO2. Isso valeria para financiar empresas e também países em desenvolvimento.

DINHEIRO – Que países o sr. acredita, estariam dispostos a adotar medidas desse tipo?
LÖFFLER –
Os bônus verdes seriam bônus convencionais, com a diferença de que os ganhos auferidos com esses títulos seriam utilizados em projetos destinados a reduzir as emissões de CO2, através do investimento em projetos de energia alternativa, por exemplo, ou naqueles com o objetivo de minorar os efeitos das mudanças climáticas, como a gestão da escassez da água ou do aumento do nível do mar. Qualquer governo que desejasse ampliar seus investimentos nessas áreas poderia lançar mão desse instrumento financeiro. No caso do Brasil, os bônus valeriam até mesmo para subsidiar a implementação da energia solar.

DINHEIRO – Mas existe demanda para esse tipo de título?
LÖFFLER –
Sem dúvida. Trata-se de um mercado com potencial enorme e que pode atrair muito mais investidores do que os “suspeitos de sempre”, como dizemos na gíria do mercado. Nessa lista eu incluiria todos que se preocupam com a questão da sustentabilidade, como os gestores de fundos de pensão e de grandes empresas tanto da Europa como dos Estados Unidos. Muitas vezes os acionistas dessas empresas e cotistas desses fundos têm dificuldade de alocar seus recursos, pois não encontram projetos que combinem com a visão de mundo de seus controladores. É importante levarmos em conta que, pelas estimativas do Banco Mundial, seria necessário investir cerca de US$ 170 bilhões por ano, até 2050, para cumprir as metas de redução das emissões de CO2. E esses bônus podem cumprir um papel importante para viabilizar esse objetivo.

DINHEIRO – O Brasil possui um dos maiores ativos de biodiversidade do planeta: a Floresta Amazônica. O sr. acredita que, nesse contexto, seria possível usar esse bioma como forma de arrecadar recursos a partir dos serviços ambientais prestados por ele?
LÖFFLER –
A Amazônia é um ecossistema crítico para a biodiversidade e para o clima mundial. Hoje, já existem mecanismos, como o REDD (redução das emissões por meio do combate ao desmatamento e à degradação florestal, na sigla em inglês). A Allianz é uma das empresas que já investiram nesse mecanismo para cobrir sua pegada de carbono, embora ela seja pequena. O ideal para o Brasil, além da vigilância sobre o desmatamento, seria criar seu próprio mercado de carbono, permitindo que empresas que atuam aqui pudessem comprar uma espécie de créditos da Amazônia, para cobrir suas emissões de CO2. Seria um primeiro passo para atrair capital para investir nessa área.

DINHEIRO – Mudando de assunto, um estudo realizado recentemente pela Allianz mostrou que a previdência de nenhum dos 50 países estudados estaria preparada para enfrentar os efeitos do envelhecimento da população. O fato de o Brasil ser um país jovem pode ser visto como uma vantagem nesse aspecto?
LÖFFLER –
Hoje o Brasil desfruta de uma situação confortável, com uma população com idade média de 31 anos, oito anos abaixo da média dos EUA e 16 anos abaixo da da Alemanha. Contudo, a situação irá mudar a partir de 2035. Isso porque a taxa de fecundidade, que já foi de 5,8 filhos, na década de 1970, caiu para 1,8 filho. Com isso, o número de pessoas trabalhando para sustentar os aposentados irá diminuir drasticamente, o que pode criar problemas para o governo, mas também oportunidades para empresas que atuam nos segmentos de previdência privada e cuidados de saúde. Nem o Estado nem o setor privado podem sozinhos dar conta dessa situação. Precisamos pensar em uma parceria entre as empresas privadas e esses dois agentes, que viabilize uma agenda para o futuro nessa área.

DINHEIRO – E como extrair dividendos desse fenômeno em países como o Brasil, nos quais os produtos financeiros, como seguros, não são acessíveis às pessoas de baixa renda?
LÖFFLER –
Do ponto de vista das seguradoras, creio que temos de tentar incluir o maior número de pessoas nesses mercados. Estamos trabalhando nesse sentido e um exemplo disso é o projeto-piloto de microsseguros na Índia. Nossa visão é no sentido de ampliar e disseminar a cultura do seguro em todos os níveis da pirâmide de consumo. Tratamos isso como um negócio como outro qualquer, que precisa gerar resultados para a empresa, e não uma ação social.

  • Dólar Comercial
    R$3,23200 +0,68%
  • Euro Comercial
    R$3,95250 +0,32%
  • Dow Jones
    25.949,10 +0,57%
  • Nasdaq
    7.296,4500 +0,49%
  • Londres
    7.746,62 -0,29%
  • Frankfurt
    13.262,30 +0,47%
  • Paris
    5.510,01 +0,01%
  • Madrid
    10.533,20 +0,63%
  • Hong Kong
    31.904,80 +1,81%
  • CDI Anual
    6,89% 0,00%

Mercado

Bolsa renova máxima e alcança a marca dos 80 mil pontos pela 1ª vez na história


Michel Temer vai a Davos vender um ‘novo’ Brasil

Fórum Econômico Mundial

Michel Temer vai a Davos vender um ‘novo’ Brasil

“Nosso cliente vai usar milhas para pagar o Uber”, diz presidente da Smiles

Moeda Forte

“Nosso cliente vai usar milhas para pagar o Uber”, diz presidente da Smiles

Conta dos Estados sai do azul para rombo de R$ 60 bilhões

Contas públicas

Conta dos Estados sai do azul para rombo de R$ 60 bilhões

MPF pede 386 anos de prisão para Cunha e 78 anos para Alves

Política

MPF pede 386 anos de prisão para Cunha e 78 anos para Alves

Emprego na indústria cresce 0,3% em novembro ante outubro

Mercado de trabalho

Emprego na indústria cresce 0,3% em novembro ante outubro


Blogs


PagSeguro: um novo unicórnio brasileiro a caminho

Bastidores da Empresas

PagSeguro: um novo unicórnio brasileiro a caminho

Se conseguir realizar o seu IPO nos Estados Unidos, a empresa brasileira do grupo de internet UOL conseguirá atingir um valor de mercado que pode variar entre US$ 5,4 bilhões e US$ 6,3 bilhões

Honda ultrapassa Nissan e novo Civic brilha no ranking mundial de 2017

República do Automóvel

Honda ultrapassa Nissan e novo Civic brilha no ranking mundial de 2017

Apesar dos esperados títulos da Toyota e do Corolla como marca e carro mais vendidos do mundo, o crescimento da Honda e do Civic foram os fatos mais relevantes da última temporada


Febre amarela

OMS considera o estado de São Paulo como área de risco para febre amarela

Saúde

OMS considera o estado de São Paulo como área de risco para febre amarela

Governo de São Paulo antecipa campanha de vacinação contra febre amarela

Campanha

Governo de São Paulo antecipa campanha de vacinação contra febre amarela

OMS estuda prazo de validade de vacina fracionada para a febre amarela

Vacina

OMS estuda prazo de validade de vacina fracionada para a febre amarela


TV Dinheiro

Quais são os riscos de investir em Bitcoin?

Dinheiro sem susto

Dinheiro sem susto

Quais são os riscos de investir em Bitcoin?

O jornalista Cláudio Gradilone, editor de finanças da Dinheiro, comenta o futuro da criptmoeda.


Mundo


Macron afirma que não permitirá nova ‘selva’ de migrantes em Calais

Presidente francês

Macron afirma que não permitirá nova ‘selva’ de migrantes em Calais

Guerra no Iêmen já matou ou feriu 5.000 crianças

Oriente Médio

Guerra no Iêmen já matou ou feriu 5.000 crianças

Mianmar e Bangladesh terão dois anos para repatriar refugiados rohingyas

Ásia

Mianmar e Bangladesh terão dois anos para repatriar refugiados rohingyas

Investimentos da China no exterior caem 29,4% em 2017

Gigante

Investimentos da China no exterior caem 29,4% em 2017

Não há solução mágica para crise da água, diz presidente do Conselho Mundial

Crise mundial

Não há solução mágica para crise da água, diz presidente do Conselho Mundial


Entrevista

‘A Aerolíneas Argentinas é uma empresa política’

Isela Costantini, general manager do grupo GST

Isela Costantini, general manager do grupo GST

‘A Aerolíneas Argentinas é uma empresa política’

Isela Costantini adora um desafio. Por isso ela aceitou o convite feito por Macri para assumir a Aerolíneas Argentinas. À DINHEIRO, ela conta os problemas enfrentados em seus anos à frente de uma das maiores estatais da Argentina e por que deixou a empresa


Economia


Importadores de carros ganham fôlego com o Rota 2030

Indústria automobilística

Importadores de carros ganham fôlego com o Rota 2030

Sem barreiras a veículos estrangeiros e com metas para ampliar a eficiência energética dos carros, nova política automotiva chacoalha desenho de forças do mercado nacional

Saiba quais são as obras que podem sair do papel com os novos leilões

Temporada aberta

Saiba quais são as obras que podem sair do papel com os novos leilões

Período eleitoral deve limitar execução de carteira de mais de 70 projetos federais de infraestrutura e de outros ativos oferecidos pelos Estados

Ele é o homem forte de Alckmin na economia

Persio Arida

Ele é o homem forte de Alckmin na economia

Persio Arida vai coordenar a equipe econômica do tucano na corrida presidencial

CVM proíbe fundos de investir em moedas virtuais

Controle

CVM proíbe fundos de investir em moedas virtuais

Xerife do mercado não considera a Bitcoin e outras criptomoedas como ativos financeiros

É possível dar um fim à crise da Venezuela?

América Latina

É possível dar um fim à crise da Venezuela?

Apesar da grave recessão e da hiperinflação, país faz aceno diplomático e paga parte da dívida com o brasil. até onde vai a reaproximação com o regime de Maduro?


Tecnologia


CES: as apostas das empresas de tecnologia para 2018

Nas curvas da tecnologia

CES: as apostas das empresas de tecnologia para 2018

TVs que podem ser enroladas, carros autônomos, tecnologia 5G e a briga particular entre Google e Amazon. A maior feira de eletroeletrônicos do mundo faz suas apostas no futuro

Como funciona o carro da Nissan guiado pela mente

Direção cerebral

Como funciona o carro da Nissan guiado pela mente

Tecnologia exibida pela Nissan conecta os carros diretamente ao cérebro dos motoristas


Negócios

Como Carlos Wizard pretende se tornar o mago do fast-food

Alimentos

Alimentos

Como Carlos Wizard pretende se tornar o mago do fast-food

Com Taco Bell, KFC e Pizza Hut, o bilionário Carlos Wizard Martins, fundador das escolas de idiomas Wizard, mostra apetite por um segmento que não para de crescer

Tolerância zero contra o machismo e o racismo

Fim da indulgência

Tolerância zero contra o machismo e o racismo

O protesto das atrizes no Globo de Ouro e a demissão do presidente da Salesforce no Brasil evidenciam uma nova ordem: os tempos de indulgência com o machismo e o racismo acabaram

Você já pensou em alugar um CEO?

Gestão

Você já pensou em alugar um CEO?

Executivos se unem e criam consultoria especializada em assumir o comando de empresas em dificuldade

A Philip Morris vai largar o vício?

Cigarros

A Philip Morris vai largar o vício?

A empresa jura que vai deixar de vender cigarros no Reino Unido, mas deve continuar no negócio


Finanças


A alta da bolsa é sustentável?

Disparou

A alta da bolsa é sustentável?

A expectativa de que Luiz Inácio Lula da Silva se torne inelegível no próximo dia 24 vem turbinando os preços das ações. Ainda dá para aproveitar esse movimento?

Esse investidor resolveu tirar férias... Para sempre

Descanso

Esse investidor resolveu tirar férias... Para sempre

Gestor de recursos que descobriu os mercados emergentes anuncia sua aposentadoria


Colunas


A inflexível “regra de ouro”

Editorial

A inflexível “regra de ouro”

A receita do China In Box

Moeda Forte

A receita do China In Box

Afasta de mim este cálice

Sustentabilidade

Afasta de mim este cálice

A aposta da Kodak nas moedas virtuais

Dinheiro & Tecnologia

A aposta da Kodak nas moedas virtuais

Gala brazuca

Cobiça

Gala brazuca


Artigo

O Partido da Justiça

Por Ralphe Manzoni Jr.

Por Ralphe Manzoni Jr.

O Partido da Justiça

Cada vez mais, o Judiciário está adotando um viés político em suas decisões, como mostra o caso de Cristiane Brasil

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.