Economia

Para Anatel, expansão da banda larga é inclusão social


O gerente de regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Bruno Ramos, afirmou hoje que, mais importante que a discussão em torno da reativação da Telebrás é o empenho do governo em promover a universalização da banda larga no País. O executivo, que participou do XXII Fórum Nacional, defendeu a expansão da banda larga como forma de inclusão social para a economia brasileira. Segundo ele, este é o modelo que o governo brasileiro vem tentando implementar para que, nos próximos dez anos, o País registrar um crescimento maior que o obtido na última década.

“O relevante é o Estado brasileiro colocando linhas de ação para que todos os brasileiros tenham condições a ter capacidade, e a partir daí poder utilizar as telecomunicações como subsídio para a introdução do indivíduo no meio onde se encontra”, disse. O executivo lembrou que, desde a privatização da telefonia no Brasil, foi possível elevar de 10 milhões para 190 milhões o número de acessos a celulares no Brasil.

O executivo não quis comentar notícias de que, com a entrada da Telebrás no mercado de banda larga e a possível transferência de toda a prestação de serviço da administração pública para a companhia, possa haver uma perda de R$ 20 bilhões para as empresas de telecomunicação no País. O executivo afirmou que a Anatel como órgão regulador tem como objetivo verificar se as atividades prestadas pela empresa estão dentro da legalidade.

Copyright © 2010 Agência Estado. Todos os direitos reservados.