Economia

“Não achaquei ninguém”


Delúbio Soares voltou a sorrir. Dias atrás, o ex-tesoureiro petista recebeu uma pesquisa encomendada por alguns amigos sobre sua imagem. O resultado surpreendeu. Hoje, depois do terremoto do mensalão, mais de 70% dos brasileiros sabem quem ele é. E as principais características que atribuem a Delúbio são coragem, em primeiro lugar, e lealdade, em segundo. Só depois aparece a corrupção. Um dos companheiros de Delúbio brincou e sugeriu que ele se candidate a deputado por Goiás. Na conversa, chegou-se à conclusão de que o resultado decorre de um único fato: Delúbio não entregou ninguém e suportou todo o peso da crise sobre suas costas. Na semana passada, porém, ele foi alvejado por uma nova denúncia: a de que teria tentado extorquir o grupo Opportunity, do empresário Daniel Dantas, numa cifra entre US$ 40 e US$ 50 milhões. Em troca, o governo Lula deixaria de infernizar a vida do banqueiro. Aos amigos, que relataram à DINHEIRO suas declarações, Delúbio foi incisivo. ?Nunca achaquei ninguém?, disse ele. ?A história é bem diferente?.

De acordo com o Opportunity, Delúbio teria se encontrado com Carlos Rodenburg, sócio de Dantas, e o publicitário Marcos Valério de Souza no início de 2003. Nesse encontro, o ex-tesoureiro petista teria mencionado o tamanho da dívida deixada pelo PT nas eleições de 2002, o que foi interpretado como uma sugestão para que o Opportunity ajudasse o partido a cobrir seu ?furo? financeiro. Assim, o grupo de Dantas permaneceria no comando da Brasil Telecom. Sendo verdadeira essa versão, estaria caracterizada a extorsão. A versão de Delúbio é outra: o encontro foi pedido por Rodenburg para construir uma ponte com o PT. ?Eles é que pretendiam contribuir?, disse Delúbio a seus interlocutores. A doação sugerida, segundo Delúbio, seria próxima a R$ 3 milhões. Só que ela estaria condicionada à retirada de todas ações judiciais dos fundos de pensão estatais contra o Opportunity ? o que não teria sido aceito pelo PT. As dúvidas sobre esse caso poderiam ser esclarecidas se a CPI dos Bingos aprovasse a convocação de Dantas e Delúbio. No entanto, há no PT o temor de que Dantas traga a público elementos que evidenciem ações arbitrárias do governo contra o Opportunity. Delúbio, por sua vez, acredita que a história da extorsão será esquecida. ?Não vai colar?, disse aos amigos.

Mais confiante em relação ao futuro e também animado com sua defesa jurídica, Delúbio acaba de mudar de endereço. Ele trocou um apartamento nos Jardins, em São Paulo, por um imóvel modesto na região da Consolação. Lá, ele tem recebido petistas, sindicalistas e até empresários. Um dos amigos que continuam fiéis é Carlos Augusto Montenegro, presidente do Ibope. Num encontro recente, Montenegro teria dito ao ex-tesoureiro do PT que a reeleição já está assegurada. Em tom de deboche, afirmou até que a adversária de Lula poderia ser Heloísa Helena. A esperança de Delúbio é que, num segundo mandato de Lula, ele seja esquecido pela mídia e consiga provar que não obteve nenhuma vantagem financeira pessoal. ?Fiz tudo pelo partido?, tem dito. Pouco a pouco, esse personagem que foi um dos pivôs do mensalão sai de sua fase depressiva.