Economia

Nasce Dinheiro Rural


Foi, pode-se dizer, a primeira colheita do mais novo produto do agronegócio brasileiro. Entre autoridades, empresários e executivos das principais empresas ligadas aos diversos segmentos de atividades do campo, cerca de trezentas pessoas estiveram na segunda-feira 8 na churrascaria Fogo de Chão, em São Paulo, para conferir o lançamento da DINHEIRO RURAL, revista mensal voltada ao setor que hoje responde por um terço do PIB nacional e garante 100% do superávit de US$ 30 bilhões do País no comércio exterior. Fruto de uma aposta inédita da Editora Três, a edição número 1 da publicação foi saudada, entre outros, pelos governadores Geraldo Alckmin, de São Paulo, e Germano Rigotto, do Rio Grande do Sul. ?A revista será, sem dúvida, uma importante ferramenta para os empresários do campo?, afirmou Rigotto. ?DINHEIRO RURAL une o bom jornalismo à grande vocação brasileira?, arrematou Alckmin. Antes deles, ao apresentar a nova publicação, Domingo Alzugaray, editor e diretor responsável da Editora Três, resumiu sua linha editorial: ?Nossa missão será atuar na defesa e na consolidação do agronegócio brasileiro?.

De produtores rurais a fabricantes de fertilizantes e laboratórios de medicamentos veterinários, das indústrias de máquinas e automóveis aos banqueiros que atuam no crédito agrícola, toda a imensa cadeia produtiva do setor testemunhou o compromisso. ?A revista dará ao assunto a importância que ele realmente tem?, disse, sob o olhar de Fábio Meirelles, vice-presidente da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil. ?DINHEIRO RURAL é tão pioneira como nossa empresa?, comparou Celso Freitas, da Tortuga, gigante brasileira do ramo de nutrição animal. Um dos temas mais recorrentes entre os convidados foi a sintonia da Editora Três com o momento econômico brasileiro. ?O surgimento de uma revista antenada à relevância econômica do agronegócio tem tudo para se transformar em referência no setor?, comentou Miguel Jorge, vice-presidente executivo do Santander-Banespa, em conversa com o ex-presidente da Fiesp Mário Amato. ?A iniciativa vem em boa hora?, acrescentou o diretor de Agronegócios do Banco do Brasil, Ives Cézar Fulber. O papel do campo na balança comercial brasileira também foi ressaltado. ?Grande parte do saldo de US$ 5 bilhões que o Brasil obteve em transações com a China foi proveniente das exportações de alimentos?, lembrou Charles A. Tang, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China. ?DINHEIRO RURAL trará mais informações sobre oportunidades no setor, o que será ótimo para os dois países.? A idéia de que a boa informação gera bons negócios é compartilhada por Ricardo Pezati, da Ford Caminhões. ?Quando fico sabendo que há expansão no plantio da soja no Rio Grande do Sul, por exemplo, já destino uma produção maior de um determinado modelo de caminhão visando aquele mercado?, afirmou. Para o vice-presidente da Toyota, Luiz Carlos Andrade Jr., DINHEIRO RURAL será um ótimo instrumento de divulgação para a montadora. ?Vamos lançar uma nova linha de utilitários em 2005. Mostrá-la na revista é fundamental para atingir o público-alvo.?