Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Marcio Pochmann, assessor econômico da chapa presidencial do PT

Marcio Pochmann, assessor econômico do PT: nossa política é de gradualismo, não de choque

Divulgação

Marcio Pochmann, assessor econômico do PT: nossa política é de gradualismo, não de choque

Leonardo Motta
Edição 06/09/2018 - nº 1086

Como principal assessor econômico da chapa do PT nas eleições presidenciais, Marcio Pochmann é um dos responsáveis por desenhar propostas que fogem à regra da maioria dos programas apresentados pelos outros candidatos no pleito de 2018. O plano de governo prevê revisão do teto de gastos e a utilização dos bancos públicos para estimular o crédito, além de uma visão heterodoxa sobre o desafio das contas públicas. “A economia voltando a crescer, você tem mais arrecadação e abre espaço para tratar desse problema, que não negamos, que é o da situação fiscal grave do País.” Doutor em economia pela Universidade de Campinas (Unicamp), Pochmann foi presidente do Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada (Ipea) e, mais recentemente, decidiu ingressar na política. Concorreu a prefeito de Campinas em 2012 e agora tenta se eleger deputado federal por São Paulo. Em entrevista, ele rechaça a visão do mercado de que o programa de governo do PT não é reformista. Essa é a primeira de uma série de entrevistas que DINHEIRO realizará com os economistas das principais candidaturas à Presidência neste ano. Confira:

DINHEIRO – O programa prevê ações emergenciais. Quais são elas?

MARCIO POCHMANN – Tem, por um lado, a revogação de várias medidas que foram estabelecidas no governo atual. E, simultaneamente, medidas que busquem a retomada do crescimento econômico, que busquem romper com a armadilha recessiva atual. O crescimento se daria pela recuperação de obras que estavam sendo conduzidas e foram interrompidas, obras já licitadas, assim como o próprio Minha Casa Minha Vida, com mais de 36 mil habitações paralisadas. Em segundo lugar, dando importância novamente ao mercado interno, com a elevação da renda das famílias. A elevação se dará, por um lado, pela redução de tributos. Para isso estamos fazendo de imediato a redução do Imposto de Renda para quem ganha até cinco salários mínimos. Isso atingiria 18 milhões de pessoas que estão nesse patamar. Por outro, resolvendo o endividamento das famílias, com a introdução de uma linha de crédito especial, acompanhado da redução do custo do dinheiro, dos juros, especialmente do spread. E, por último, um novo padrão de financiamento da estrutura econômico-social, de redistribuição de renda.

DINHEIRO – O Brasil cresceu 0,2% no último trimestre. Podemos crescer mais?

POCHMANN – Estamos em condições favoráveis para crescer. Temos reservas internacionais que não tínhamos quando o PT assumiu o governo em 2003, preços num patamar relativamente baixo e uma situação da taxa de câmbio bastante interessante para o setor produtivo. Estamos em condições de iniciar uma recuperação muito rapidamente com um novo governo, novas ideias.

DINHEIRO – O atual governo propõe reduzir o déficit para permitir o crescimento, enquanto o senhor fala que o crescimento é que garantirá a consolidação fiscal. Qual é o caminho?

POCHMANN – Dizemos que o País precisa voltar a crescer para resolver melhor o problema fiscal. Há mais de dois anos temos um programa de austeridade fiscal muito forte, que é um fracasso. Nem resolveu o problema fiscal, que está mais grave ainda, tampouco voltamos a crescer. Estamos trabalhando sob outra perspectiva. O que estamos explicando é que o crescimento se dará ocupando a capacidade ociosa. A economia voltando a crescer, você tem mais arrecadação e abre espaço para tratar desse problema, que não negamos, que é o da grave situação fiscal.

DINHEIRO – O déficit então não seria uma preocupação de curto prazo?

POCHMANN – Nossa política é de gradualismo, não de choque. Não estamos propondo aumento de impostos, mas não estamos propondo mudar as metas fiscais. O que estamos propondo é a revogação do teto de gastos. O investimento sairia das metas fiscais, porque não há razão de colocar os investimentos junto com a meta fiscal. Investimento geral não é custeio.

DINHEIRO – Há perspectiva de acabar com o déficit fiscal no próximo mandato?

POCHMANN – Estamos apresentando um programa para governar o País. Um programa. O que você está me perguntando é um plano de governo. Aí vamos oferecer cronogramas, a racionalidade técnica que nos permitiu chegar a esse programa. É um programa-manifesto, que faz parte da campanha.

DINHEIRO – No programa, menciona-se o uso de bancos públicos novamente para reduzir os juros. Em 2013, houve uma tentativa semelhante que não se sustentou. Como será diferente agora?

POCHMANN – Não há como se operar com taxa de juros reais tão elevadas. Temos hoje uma estrutura oligopolizada, com poucos bancos. É preciso a competição entre banco público e privado. Para justificar a existência de bancos públicos, é preciso operar com a lógica pública, e não privada, que é o financiamento da habitação popular, o processo de bancarização dos pobres, a existência de agências em cidades e bairros em que um banco privado não iria. Não a lógica do lucro. O reposicionamento dos bancos públicos é fundamental. Mas também achamos que o cerne da alta taxa de juros é o spread. Nesse sentido, estamos trabalhando com a introdução de um tributo regulatório, um tributo que tem por objetivo estimular a competição, que taxaria os bancos quanto mais alto fosse a taxa de juros e deixaria de taxar quanto mais baixa.

“O reposicionamento dos bancos públicos é fundamental”Programa de governo petista prevê o uso da Caixa e do Banco do Brasil para aumentar a competição com as instituições financeiras privadas (Crédito:Daniel Teixeira/Ag. Estado)

DINHEIRO – Não haveria risco de um aumento expressivo na inadimplência? Como se resolveria isso?

POCHMANN – O que acontece é que as pessoas se endividaram porque tinham emprego e uma expectativa de que a economia não ia entrar em recessão. Em primeiro lugar, vamos libertar a renda do endividamento ao qual as pessoas estão subordinadas. É fundamental criar uma linha de crédito que possa refinanciar a dívida contraída. E, ao mesmo tempo, abrir as oportunidades de compra. Estamos falando de um País em que o acesso a bens industriais é bastante escasso para certa parcela da sociedade. Não estamos propondo o calote ou qualquer coisa dessa natureza, mas a reorganização desse endividamento com refinanciamento.

DINHEIRO – O partido tem defendido o uso das reservas internacionais, hoje em R$ 381 bilhões, para o investimento. Como isso seria utilizado? Não poderia fragilizar o país numa época de turbulências mundiais?

POCHMANN – Essa reserva é muito importante para responder a situação de especulação e de instabilidade de fora do País. Mas há vários estudos, até mesmo conservadores, de que há reservas excessivas em diversos países, não somente no Brasil. O Equador, a Bolívia, a Noruega, a China têm utilizado o excedente para medidas de financiamento de investimento. Planejamos, de forma gradual, utilizar o excedente, juntamente com recursos do BNDES, e com o lançamento de debêntures, em um fundo de investimento de médio e longo prazo. Porém, as reservas internacionais são um lastro. Não vamos lançar títulos para que se comprem elas. Não tem aí aumento da dívida pública nem nada disso. É plenamente possível.

DINHEIRO – O plano fala numa meta dupla para o Banco Central, incluindo também o emprego. Não seria visto como uma perda de independência?

POCHMANN – Ao contrário. Significa mais responsabilidade por parte do Banco Central. A instituição não será cobrada somente em relação ao desempenho monetário, mas também pelo desempenho da economia. A estabilidade monetária seria mais adequada se combinada à perspectiva do crescimento. Isso implicaria evidentemente um papel mais amplo, buscando justamente a convergência em termos de política fiscal e monetária

DINHEIRO – O câmbio passou a casa dos R$ 4. Como o senhor agiria se estivesse no governo?

POCHMANN – Estamos mantendo como proposição o atual regime cambial flutuante. É fundamental que o câmbio esteja favorável à produção nacional. Para competir com produtos importados temos que ter condições que permitam isso. O câmbio valorizado, infelizmente, foi muito desfavorável para quem produz no Brasil. Isso talvez ajude a entender porque a desindustrialização precoce avançou tão rápido. A taxa de câmbio deve permitir condições para quem queira produzir no Brasil.

DINHEIRO – O programa traz uma proposta de um imposto de exportação. Como funcionaria?

POCHMANN – Trata-se de uma tributação regulatória. A ideia é que corremos o risco da chamada doença holandesa. Um país fortemente exportador termina gerando excedentes comerciais que vão valorizando a moeda nacional. Essa nova tributação chega para evitar a sobrevalorização da moeda, que poderia formar uma poupança a ser utilizada nos momentos de baixa no preço das commodities. Seria uma poupança a serviço dos exportadores, para permitir que eles mantivessem seus ganhos em momentos de baixa. A soja, por exemplo: num ano está espetacular, daí o produtor faz um endividamento, aumenta a produção, mas no ano que vem o preço cai e ele tem perda, que por vezes desemboca em inadimplência. O objetivo é manter os ganhos evitando super ganhos ou prejuízos.

“Não há razão para colocar os investimentos junto com a meta fiscal”Além da exclusão do cálculo de superávit, o partido também pretende usar parte das reservas para financiar a infraestrutura (Crédito:iStock)

DINHEIRO – Quando se olha os governos do PT no passado, o senhor não acredita que houve exageros nos estímulos à economia?

POCHMANN – Fizemos um balanço dos nossos 13 anos e identificamos erros.

DINHEIRO – Quais erros?

POCHMANN – Esses nós tratamos internamente.

DINHEIRO – O mercado classifica a candidatura do PT como não reformista. O senhor acha essa crítica justa?

POCHMANN – É o que então se não é reformista? E que mercado, o mercado financeiro? Não entendo, por que não seria reformista? Posso dizer que fizemos um retrospecto dos oito programas do PT em suas campanhas à presidência e esse é o mais ousado que já fizemos. Um programa com começo, meio e fim. Apresenta e defende uma Assembleia Nacional Constituinte para aprovar reformas que até hoje o Brasil precisa fazer e não faz. Reforma política, reforma dos meios de comunicação, reforma bancária e reforma tributária. Uma reforma para valer.

DINHEIRO – E quanto à reforma da Previdência?

POCHMANN – Acreditamos que o debate foi muito mal posto, seja por objetivo ou por ignorância, porque não temos na verdade Previdência Social. Temos sistema de seguridade social desde a Constituição de 1988. Tem de ver a complexidade e o que representa um sistema em que prevê um atendimento do nascimento à morte. Na forma como foi apresentado, misturou tudo: Benefício de Prestação Continuada, Regime Geral da Previdência, outros regimes próprios federais, estaduais e municipais. Dividiu o País, colocou aqueles que vão perder contra os que vão ganhar, algo profundamente desfavorável. Acreditamos no modelo com idade mínima de 60 anos para mulher, associada à contribuição da previdência. Estabelecemos no setor público o regime especial, que garante aposentadoria máxima para o teto da previdência privada. Obviamente sabemos do problema e vamos tratar disso para melhorar o sistema, mas não para destruí-lo. Faremos modificações pontuais, diminuindo privilégios que vão desde pensões a benefícios desnecessários.

DINHEIRO – Como o Fernando Haddad contribuiu para o plano? O que muda com a impugnação de Lula?

POCHMANN – O Fernando é um dos coordenadores do programa. O programa foi aprovado em convenção pelo PT, com a construção da coligação com o PC do B e o PROS. Tivemos reuniões que buscaram justamente adaptar e convergir. Então o programa atual na verdade responde a essa construção. É um plano de governo cuja estrutura veio da perspectiva que Lula nos trouxe. Não vejo diferenças em relação a uma possibilidade de não ser o presidente Lula o candidato. Não me parece que há discrepâncias, divergências naquilo que lá está estabelecido.


Entrevista

Johannes Roscheck, presidente da Audi no Brasil

Johannes Roscheck, presidente da Audi no Brasil

"O Mercosul só existe no papel, não é real"

O executivo austríaco defende uma abertura maior da economia, mas a ser realizada com cuidado e sem atropelos. “Nas condições atuais, a indústria simplesmente quebraria”


Economia

Escolha de Levy sinaliza período de austeridade

BNDES

Escolha de Levy sinaliza período de austeridade

Escolha de Joaquim Levy para o BNDES sinaliza período de austeridade e menor participação de instituições estatais no crédito e na economia

Uma bomba de R$ 4 trilhões para Paulo Guedes

Dívida pública

Uma bomba de R$ 4 trilhões para Paulo Guedes

Paulo Guedes tem um desafio colossal pela frente: a dívida pública que já chega a 77,3% do PIB. Economistas divergem sobre como reduzi-la, mas há um consenso: ela precisa ser paga ou o Brasil explode

O desafio do futuro ministro das Relações Exteriores

Diplomacia

O desafio do futuro ministro das Relações Exteriores

O novo titular das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, terá o desafio de brilhar na diplomacia para limar as arestas já criadas por Jair Bolsonaro com alguns dos principais parceiros comerciais do País


Mercado digital

SAP compra startup por 7 bilhões de euros mirando na Salesforce

Briga de gigantes

Briga de gigantes

SAP compra startup por 7 bilhões de euros mirando na Salesforce

A gigante alemã dos softwares compra a startup americana Qualtrics por € 7 bilhões e acirra a disputa contra a Salesforce


Negócios

Madero abre o apetite de investidores

Rede de hamburguerias

Madero abre o apetite de investidores

Depois de seis tentativas, a rede de hamburguerias finalmente conseguiu vender parte de sua operação por R$ 700 milhões para fundo dos EUA

O gim será a nova cachaça dos brasileiros?

Destilados

O gim será a nova cachaça dos brasileiros?

A bebida que caiu no gosto dos brasileiros se torna o principal ingrediente de duas das maiores empresas do mercado para expandir a venda de destilados. Há até planos de exportação

O império de Mickey está ameaçado?

Walt Disney

O império de Mickey está ameaçado?

Mickey Mouse completa 90 anos liderando as cifras bilionárias da empresa fundada por Walt Disney. Mas há um problema: daqui a cinco anos, ele cairá em domínio público


Estilo

O plano ousado da Prime You

Táxi aéreo

Táxi aéreo

O plano ousado da Prime You

Ela foi a primeira empresa brasileira a fazer compartilhamento de veículos de luxo, como jatinhos, carros esportivos e barcos. Agora, quer transformar sua frota de aviões no mais exclusivo serviço de táxi aéreo do País


Finanças


Gestora lança fundo de varejo que investirá em moedas virtuais

Bitcoin

Gestora lança fundo de varejo que investirá em moedas virtuais

Gestora lança fundo de varejo que investirá em moedas virtuais. Saiba se essa aplicação é para você

Empresas dedicadas aos usos medicinais da maconha se instalam no Brasil

Cannabis

Empresas dedicadas aos usos medicinais da maconha se instalam no Brasil

Empresas dedicadas aos usos medicinais da maconha se instalam no Brasil. A expectativa de lucros é alta, mas ainda há muita burocracia travando o mercado


Colunas


A ajuda de quem conhece

editorial

A ajuda de quem conhece

Lugar de empresa é no parque

moeda forte

Lugar de empresa é no parque

Tenha o rascunho de Da Vinci

cobiça

Tenha o rascunho de Da Vinci

O mea culpa do Google por assédios

dinheiro & tecnologia

O mea culpa do Google por assédios

Riqueza natural não é pedra no sapato

sustentabilidade

Riqueza natural não é pedra no sapato


Artigo

A presença e as lições de Stan Lee

Por Gabriel Chalita

Por Gabriel Chalita

A presença e as lições de Stan Lee

"O mundo ficou mais encantado com a vida de Stan Lee. A arte tem uma razão de ser. Eleva a consciência, aproxima o humano do humano e faz refletir. Encantados, somos capazes de mudar o mundo"


Publieditorial

Investimento atraente

Blackrock apresenta:

Blackrock apresenta:

Investimento atraente

Com boa diversidade de opções e baixo custo, os ETFs movimentam o mercado financeiro

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.