Economia

Noruega é o primeiro país do mundo a superar 50% de carros elétricos vendidos

Crédito: AFP/Arquivos

A Noruega se tornou em 2020 o primeiro país do mundo em que os carros elétricos representaram mais de 50% dos novos emplacamentos em 12 meses (Crédito: AFP/Arquivos)

A Noruega se tornou em 2020 o primeiro país do mundo em que os carros elétricos representaram mais de 50% dos novos emplacamentos em 12 meses, de acordo com dados publicados nesta terça-feira.

O Conselho de Informação do Tráfico Rodoviário (OFV) informou que os veículos elétricos tiveram uma cota de mercado de 54,3% no ano passado, contra 42,4% em 2019.

Os quatro novos modelos mais vendidos no país (Audi e-tron, Tesla Model 3, Volkswagen ID.3 e Nissan Leaf) são alimentados por energia elétrica.

+ Fenabrave prevê alta de 16% das vendas de veículos em 2021

O quinto, o Golf da Volkswagen, tem uma versão recarregável, mas as estatísticas não diferenciam entre os tipos de motores.

As vendas de carros elétricos de dezembro estabeleceram um novo recorde mensal, a 66,7%, estimuladas pelo lançamento de novos modelos, segundo o OFV.

A Noruega, maior produtor de combustíveis do oeste da Europa, também é um país pioneiro na mobilidade elétrica graças a uma política fiscal vantajosa.

O país nórdico, onde a energia elétrica é quase totalmente hidrelétrica, tem o objetivo de que todos os carros tenham “zero emissões” até 2025.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel