Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Nokia e Blackberry voltarão a brilhar em celulares?

Nokia e Blackberry voltarão a brilhar em celulares?

A Nokia liderou o mercado de celulares de 1998 até meados dos anos 2000. Agora, ela tenta voltar ao mercado, apostando em um modelo clássico: o 3310. Conseguirá?

08A finlandesa Nokia e a canadense RIM, dona da marca BlackBerry, já foram estrelas do emergente mercado de celulares.

A Nokia, por exemplo, liderou o mercado mundial de celulares de 1998 até meados dos anos 2000. A RIM criou o conceito de smartphone com teclas e um inédito serviço de e-mail. Com isso, nadou de braçada durante muitos anos.

As duas empresas, no entanto, perderam relevância quando o iPhone, da Apple, foi lançado, em 2007. É claro que isso não aconteceu da noite para o dia.

O que aconteceu com Nokia e RIM? Elas não conseguiram fazer a transição para os modelos de smartphones sensíveis ao toque e perderam mercado para a Apple e para a coreana Samsung.

Foi um lento ocaso, que culminou com as duas marcas deixando o mercado. No caso da Nokia, depois de uma malsucedida venda para a Microsoft. No da RIM, as vendas foram minguando, minguando, até se tornarem residuais.

Agora, essas duas marcas ícones estão tentando voltar ao mercado de smartphones. Será que elas vão conseguir recuperar o tempo perdido e voltar a brilhar?

A ressurreição de Blackberry e Nokia acontece sob a tutela da chinesa TCL e da finlandesa HMD Global, respectivamente.

Ambas mostraram os primeiros aparelhos nesta semana, durante o Mobile World Congress (MWC), principal evento do mundo da mobilidade, em Barcelona, na Espanha.

“São marcas bem conceituadas e que ainda mantém um recall”, diz Ivair Rodrigues, diretor de pesquisas da consultoria IT Data.

A TCL, que é dona da marca Alcatel, está apostando no Blackberry com um sistema operacional Android, do Google. Assim como os modelos antigos, ele mantém o tradicional teclado físico.

O novo Blackberry será fabricado no Brasil a partir de setembro
O novo Blackberry será fabricado no Brasil a partir de setembro (Crédito:Divulgação)

Batizado de KEYone, o celular usa um software de segurança e privacidade desenvolvido pela BlackBerry Limited, empresa que restou depois do fechamento da divisão de smartphones da RIM.

O modelo terá tela de 4,5 polegadas e será vendido mundialmente a partir de abril por US$ 549. No Brasil, a previsão de chegada é setembro, produzido pela Alcatel, que mantém uma fábrica em Manaus. “O foco do Blackberry será o mercado corporativo”, afirma Rodrigues.

A Nokia, por sua vez, está apostando nos saudosistas, como uma forma de ganhar atenção para a sua volta. Na MWC, a companhia mostrou quatro modelos. Mas toda a atenção esteve voltada para o a reencarnação do modelo 3310, lançado pela primeira vez há 17 anos.

O modelo, que ficou conhecido como o celular “inquebrável” da marca, foi repaginado e ganhou uma nova verão que deve chegar ao Brasil até meados deste ano por aproximadamente R$ 160.

Como na sua versão anterior, ele é bem limitado e conta com um navegador de internet compatível apenas com redes 2G. Além do Nokia 3310, a empresa mostrou três outros modelos mais modernos, que acabaram ficando em segundo plano.

“Acredito que a Nokia não deve partir para a briga com Apple e Samsung nos celulares high-end”, afirma Rodrigues. “Eles devem disputar a faixa intermediária com outros fabricantes.”

De acordo com o analista da IT Data, as duas empresas não devem retornar o brilho anterior, mas vão se concentrar em nichos. O Blackberry concentrará suas energias no mercado corporativo. Os modelos da Nokia, por sua vez, devem disputar espaço com marcas como Alcatel e Positivo.


Mais posts

Com fama de perder dinheiro, Amazon lucra por 11 trimestres consecutivos

O resultado do quarto trimestre de 2017 da Amazon foi recorde: lucro líquido de US$ 1,9 bilhão

Mercado Livre passa a emprestar dinheiro aos lojistas de seu marketplace

Depois de testar modelo por seis meses no Brasil, companhia anuncia a criação da divisão Mercado Crédito

Eike Batista anuncia no Twitter que está de volta

Em dois posts, o empresário avisou seus mais de 1,2 milhão de seguidores a ficarem ligados em seu novo canal no YouTube e Instagram, [...]

Por que o Walmart busca um sócio para a sua operação brasileira

Desde que decidiu unificar as operações online e offline, a varejista americana Walmart convive com os rumores de que vai deixar o [...]

Twitter conseguirá conquistar os insatisfeitos com mudanças do Facebook?

Rede social está diante de uma oportunidade de ouro desde que o Facebook anunciou mudanças no seu “news feed”
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.