Ciência

Nobel de Química afirma que coronavírus não apresenta riscos à maioria da população

Crédito: Reprodução/Twitter

O ganhador do Prêmio Nobel de Química de 2013, Michael Levitt (Crédito: Reprodução/Twitter)


Na contramão de muitas previsões sobre o coronavírus, o cientista britânico vencedor do prêmio Nobel de química em 2013, Michael Levitt, afirma que a pandemia não apresenta risco para a maioria das pessoas e que elas são naturalmente imunes.

Citado em reportagem do jornal Jerusalem Post, Levitt foi certeiro ao projetar que a China teria uma rápida diminuição no número de infectados ainda em fevereiro.

+ Mais de 100 mortos por coronavírus no Reino Unido
+ Coronavírus pode acabar com 25 milhões de postos de trabalho no mundo

Ele conta que começou a analisar os números envolvendo o coronavírus quando o surto teve início em Hubei, marco-zero do vírus no mundo. Agora, passado o pico de casos na província chinesa, os dados de Levitt indicam que a doença desaparecerá do país ainda neste mês.

O cientista explica que as pessoas, conforme são infectadas e sobrevivem à doença, começam a ficar imunes ao vírus. Imaginando que uma grande parte delas já se recuperou (são mais de 80 mil, segundo a OMS), a curva do contágio entra em queda.

Ele citou o caso envolvendo o navio Diamond Princess, que ficou ancorado em Yokohama, no Japão, e mais de 800 dos 3,7 mil passageiros desenvolveram algum sintoma de coronavírus, graças a uma quarentena forçada em local inapropriado.

“Essas são condições extremamente confortáveis para o vírus e, ainda assim, apenas 20% foram infectados. É muito, mas bastante semelhante à taxa de infecção da gripe comum”, disse Levitt, citado na reportagem do Jerusalem Post.

Sua conclusão é de que as pessoas são naturalmente imunes e casos como os da Itália, onde mais de 2,5 mil pessoas morreram e outras 31 mil estão infectadas, se alastram em função do estilo de vida da população e do alto número de idosos, os mais afetados pela pandemia.

“A cultura Italiana é muito acolhedora e os italianos têm uma vida social muito rica. Por essas razões, é importante manter as pessoas afastadas”, comentou.