No ritmo das reformas

Deputados e senadores temem que Bolsonaro continue a empurrar suas propostas de forma desorganizada, sem negociação, e já ensaiam alguma resistência. A derrota acachapante, na semana passada, na votação do decreto que alterava as regras para a classificação de dados ultrassecretos, foi um recado direto

No ritmo das reformas

O Brasil entrou, finalmente, na fase da discussão de reformas e negociação de medidas que realmente importam à população. Em dois campos prioritários: Previdência e Segurança. Praticamente juntos, os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Sergio Moro, da Justiça, foram ao Congresso para entregarem seus respectivos projetos e, claro, iniciarem as conversas para facilitar a tramitação. O Governo, mais do que nunca, depende desses interlocutores preferenciais. A queda do ministro Gustavo Bebianno, que vinha fazendo a ponte com parlamentares, foi um duro golpe nas tratativas, dado o seu trânsito na Casa, e acendeu o sinal vermelho entre Executivo e Legislativo.

Deputados e senadores temem que Bolsonaro continue a empurrar suas propostas de forma desorganizada, sem negociação, e já ensaiam alguma resistência. A derrota acachapante, na semana passada, na votação do decreto que alterava as regras para a classificação de dados ultrassecretos, foi um recado direto. O Governo perdeu inclusive com o voto contrário de aliados da bancada. Agora, na esperada reforma da Previdência, terá de agir com mais cautela, articulação e de maneira menos impositiva. Deputados, especialmente o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não reconhecem no Chefe da Casa Civil, ministro Onyx Lorenzoni, recrutado para a tarefa, o perfil certo de interlocutor.

Moro e Guedes angariam mais respeito, dado o prestígio que gozam em suas respectivas áreas. O czar da economia tem feito acenos claros para acomodar interesses, sem desvirtuar a essência das mudanças sugeridas. Desidratou alguns itens a pedido dos estados e busca, inclusive, apresentar um novo pacote de socorro para as finanças regionais em troca de apoio à reforma. Aos poucos, vai percebendo que precisa fazer recuos estratégicos na busca de um salto maior. Só avisa que não desistirá, em nenhum momento, da ideia de um projeto que uniformize para todos os setores e categorias as futuras regras. Em outras palavras: insiste em dar o mesmo tratamento a servidores públicos, militares, parlamentares e demais aposentados.

A rigidez das medidas — que chega a estabelecer contribuição de 40 anos para as pensões integrais — também foi a tônica do modelo anterior, apresentado ainda pelo governo Temer. Ele foi desfigurado, mas Guedes garante que na nova circunstância, de um governo com aval das urnas, isso não vai acontecer. Moro, na mesma tática do colega de ministério, também amenizou alguns pontos sobre o seu plano anticrime — ou anticorrupção, como também é conhecido. Mexeu no espinhoso item da criminalização do caixa 2 e o enviou em separado. A pressão dos políticos foi decisiva nesse sentido. E ela está apenas começando. Habilidade nesse momento será fundamental.

(Nota publicada na Edição 1109 da Revista Dinheiro)


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Brasil despenca

Na escala de desempenho econômico, o Brasil acaba de cravar sua pior marca. No universo avaliado de 190 países, ele está ocupando uma [...]

A morte da economia

Pode parecer por demais dramático, mas os números não deixam muita margem a dúvidas. Quando da noite para o dia uma indústria inteira [...]

A salvação das empresas

A convicção está se formando em todos os ramos de atividade. Não há mais como negar o inevitável: a pandemia do coronavírus está [...]

O pró-Brasil dos gastos

Despesas para atender a estratégias populistas sempre estiveram nos planos eleitoreiros de governantes. Em tempos de crise, então, para [...]

O plano de saída

Setores produtivos começam a ficar inquietos. Trabalhadores reclamam da falta de renda. Negócios vão à falência. A roda da economia [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.