Política

No Rio, Tribunal Eleitoral mantém deputado na prisão por propina de R$ 150 mil

Por cinco votos a um, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no Rio manteve, em julgamento nesta quarta-feira, 6, o decreto de prisão do deputado estadual Anderson Alexandre (SDD), acusado de recebimento de propina de R$ 150 mil. A decisão seguiu entendimento da Procuradoria Regional Eleitoral.

Wanderson Gimenes Alexandre, conhecido como Anderson Alexandre, ex-prefeito de Silva Jardim (RJ), foi preso preventivamente sob acusação de associação criminosa e falsificação de documentos sobre convenções partidárias que apresentou à Justiça Eleitoral.

A Procuradoria Eleitoral sustenta que o deputado estadual “liderava um esquema de alteração das atas das convenções entre MDB, Solidariedade, PRP e PP para conseguir o deferimento dos demonstrativos de regularidade de atos partidários (DRAP) das coligações Somos Fortes, Somos Silva Jardim e Juntos Somos Fortes, formadas para as eleições municipais de 2016”.

A ordem de prisão está fundamentada na “grave violação da ordem pública e na conveniência da instrução criminal”. O Ministério Público sustenta que Anderson Alexandre detém “intensa influência e poder” na região de Silva Jardim.

Em sua manifestação, o procurador regional eleitoral Sidney Madruga argumenta que “a conduta do acusado tinha como finalidade aumentar seu poder político”.

Defesa

A reportagem está tentando contato com a defesa do deputado estadual Anderson Alexandre. O espaço está aberto para manifestação.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança