Live da Dinheiro

“No futuro, a energia solar será a principal fonte energética do mundo”, diz o CEO da STI Norland Brasil

Crédito: Divulgação

Nesta quinta-feira (8), a Live da Dinheiro recebeu Javier Reclusa que falou sobre os desafios, os gargalos e as oportunidades das usinas solares (Crédito: Divulgação)

O presidente da STI Norland Brasil, Javier Reclusa, foi o convidado da DINHEIRO, na live desta quinta-feira (8). O grupo espanhol dirigido por Reclusa atua na fabricação e no fornecimento dos chamados trackers, que são rastreadores usados em plantas de geração de energia solar fotovoltaica para alterar a posição dos painéis durante o dia, seguindo o caminho do sol. Na entrevista, o executivo falou sobre os desafios – armazenamento e distribuição -, os gargalos e as oportunidades, como trabalhar toda cadeia do segmento – fabricar, construir e operar usinas solares. “Do ponto de vista do investimento a simplificação dos impostos e o ajuste na burocracia facilitaria a chegada de mais investidores no Brasil”, diz.

+ Live da Dinheiro, nesta quinta-feira, 8 de abril: Javier Reclusa, CEO da STI Norland Brasil

Com efeito, o CEO trabalha com a certeza que o Brasil tem uma matriz energética composta predominantemente por hidrelétricas que, apesar de renovável, provoca prejuízos ambientais específicos, além de não suprir completamente a demanda por energia, sendo necessário recorrer em determinados períodos às termelétricas, que apresentam notadamente efeitos nocivos ao meio ambiente. Reclusa entende que o mercado de energia renovável, no Brasil e no mundo, tem crescido significativamente na última década e que esse crescimento dentre os meios de energia com baixo teor de carbono não é uma onda passageira, mas, sim, a solução para o país trilhar um caminho sustentável. “Somos um setor privilegiado. A energia solar será a principal fonte energética do mundo no futuro.”

Na conversa, o executivo espanhol disse que as tecnologias para geração de energia solar fotovoltaica, apesar da recente implantação no país, tem evoluído consideravelmente e está ficando cada vez mais acessível aos brasileiros. A verdade completa é que o país não explora, nem de perto, o potencial da energia solar possível. O mercado corresponde a 1,7% de toda a matriz energética do país, alcançando a geração de 3 GW no mês de outubro de 2020, de acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR). Os números divulgados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), na primeira quinzena de março, mostram que a geração de energia fotovoltaica cresceu 18,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. “Muito antes de 2050, as matrizes energéticas de todo o mundo serão renováveis. O Brasil é o nosso principal mercado”, finaliza o executivo.



Assista aqui a entrevista completa com o economista durante a Live da Dinheiro.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km