Negócios

No e-commerce, um puxa o outro

No e-commerce, um puxa o outro

Não é só o Mercado Livre, a OLX, a Rappi e iFood que surfam na onda da expansão do e-commerce. Nos bastidores, uma legião de pequenas empresas cresce junto. É o caso da Wevo, de integração de sistemas e dados.

Em 2020, o volume de dados processados pela plataforma aumentou 700%. “As empresas têm recorrido a esse suporte para conseguir atender a demanda crescente” disse o CEO Diogo Lupinari.

No ano passado, a receita atingiu R$ 24 milhões, com crescimento de 30%. Nesse ritmo, a empresa de TI vai chegar a R$ 35 milhões em 2022.

(Nota publicada na edição 1225 da Revista Dinheiro)