Estilo

No centro e no topo do mundo

Nos andares superiores do Time Warner Center, o Mandarin Oriental redefine a experiência de hotel de luxo com uma vista deslumbrante da Big Apple

Crédito: Divulgação
Central Park: a vista é uma atração especial do Asiate e dos 244 apartamentos e suítes do Mandarin Oriental (Crédito:Divulgação)

Que tal jantar com uma vista maravilhosa de Manhatan? No Mandarin Oriental de Nova York é assim. O restaurante Asiate ocupa o 35º andar do complexo Time Warner Center, no número 80 da Columbus Circle, a poucos passos do Central Park e, seguramante, no metro quadrado mais caro da cidade. Para valorizar a paisagem, em vez de janelas, painéis de vidro ocupando todo o pé direito proporcionam a sensação de flutuar sobre o parque — ou sobre o Upper East Side e o Rio Hudson, dependendo da mesa escolhida.

Concebido para valorizar esses cenários espectaculares de Nova York, o Asiate tem o chef francês Cyril Renaud à frente da cozinha. Renaud conquistou uma estrela Michelin pelo seu restarante anterior, o Fleur de Sel, e oferece um menu descrito pela crítica especializada como uma “combinação artística de sabores sazonais”, com ênfase em ingredientes da estação e uma mistura de sotaques da França e da Ásia.

O sommelier David Bachrach coloca à disposção dos comensais nada menos que 3 mil rótulos, parte dos quais ficam expostos em uma “parede de vinhos”. Curiosamente, ainda é uma surpresa para muitos visitantes viajados (e endinheirados) que alguns dos restaurantes mais chiques da Big Apple não abrem suas portas na hora do almoço. Exceção a essa teimosia nova-iorquina, o Asiate está aberto para todas as refeições, do café da manhã ao jantar, incluindo uma opção para os hóspedes do hotel que desejam ir á Broadway, o “jantar antes do teatro”, servido a partir das 17h45.

A sofisticada decoração do espaço equilibra o ambiente urbano com o toque asiático do hotel, inspirado em orquídeas exóticas. Ao lado do restaurante Asiate é possível tomar um drinque no Aviary NYC, perfeito para um happy hour. O bar incorpora a cultura de coquetéis historicamente rica de Nova York — vale lembrar que Mahnattan dá nome a um dos mais clássicos drinques da coquetelaria mundial.

Happy hour: um drinque de fim de tarde é a grande pedida no Aviary NYC (foto acima), bar vizinho ao restaurante de influência asiática (Crédito:Divulgação)

A vista espetacular, a 230 mestros do solo, não é só privilégio de quem frequenta o Asiate ou seu vizinho Aviary NYC: os 244 quartos e suítes do Mandarin Oriental também fornecem visões deslumbrantes do horizonte da cidade. E para permitir que o lado de dentro não seja menos interessante que o de fora, cada detalhe do interior foi minuciosamente pensado para arrebatar os hóspedes do hotel — cuja intenção é redefinir a experiência de luxo na Big Apple. Para se ter uma ideia de como o design é importante para atingir esse objetivo, seus idealizadores escolheram a estilista Vivianne Tam para assinar a decoração, com um refinado toque asiático. Não por acaso, cada suíte guarda uma cópia do livro China Chic, assinado por Vivienne Tam.

O Mandarin Oriental também possui spa 5 estrelas, academia de ginástica de última geração e piscina com raia de 15 metros. Os serviços são extensivos às 64 mansões que integram o empreendimento, batizadas The Residences. Para os poucos que podem arcar com a suíte presidencial, há um tesouro escondido: um livro em pergaminho manuscrito há 250 anos que transmite uma história de felicidade e boa sorte a seus privilegiados leitores. Privilégio mesmo, porém poder escolher o destino a partir dali: caminhar pelo Central Park, fazer um tour guiado de bike visitando pontos como a Fonte Bethesda, o edifício Dakota, os Strawberry Fields dedicados a John Lennon, a Jackie Kennedy Onassis Reservoir, o Jardim de Shakespeare ou o Sheep Meadow, o gramado onde, em dias de sol, é comum encontrar pessoas em roupa de banho. Todos esses destinos estão logo ali, bem ao lado do Mandarin Oriental. Enjoy it.