Giro

Nível do mar pode subir mais do que o calculado em novas previsões

Crédito: Reprodução/Pexels

O cenário de mais de 4.º graus até 2100 faz com que seja provável o aumento do nível do mar entre 0,61 e 1,10 metros acima dos níveis de 1950. (Crédito: Reprodução/Pexels)

Um estudo de pesquisadores do Imperial College London, publicado na revista “One Earth”, salienta a necessidade de se aprofundar o conhecimento sobre como o aquecimento global afeta os mantos de gelo polares, para ser possível estimar a subida do nível do mar neste século e consideram que o conhecimento atual sobre o comportamento dos mantos de gelo sugere que o aumento do nível do mar pode ser maior do que o “intervalo provável” previsto pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em 2100.

Os pesquisadores analisaram os modelos atuais de projeção dos efeitos do aquecimento global nos mantos de gelo e chegaram à conclusão de que o cenário de mais de 4.º graus até 2100 faz com que seja provável o aumento do nível do mar entre 0,61 e 1,10 metros acima dos níveis de 1950.

+ Para Fed, é vital que sistema financeiro esteja preparado para mudança climática
+ Ilhas do Pacífico pedem que mundo leve mudança climática a sério

“Atualmente, centenas de milhões de pessoas vivem em regiões suscetíveis a inundações costeiras e a probabilidade de inundações ainda piores aumentará significativamente com o aumento do nível do mar”, refere Martin Siegert, do Instituto para as Mudanças Climáticas e Meio Ambiente do Imperial College London.



Para John Englander, coautor do estudo e presidente do Rising Seas Institute, o aumento do nível do mar será “uma das questões mais desafiantes que as sociedades terão de enfrentar nas próximas décadas”, alertando que “não se pode ficar parado” face a estas previsões.

Para melhorar os modelos e as previsões, os investigadores identificaram as principais áreas que necessitam de um maior conhecimento científico, essencial para a criação de um sistema de alerta mais avançado, baseado em sinais de mudança rápida no nível do mar, como o aumento da temperatura da água do oceano ao longo das margens dos mantos de gelo.

“Já temos um bom sistema de alerta precoce para o aumento do nível do mar, com satélites, plataformas aéreas, dispositivos robóticos, investigadores de campo e conhecimento especializado. Apesar desta rede, precisamos desenvolver uma série de dispositivos robóticos em zonas importantes e vulneráveis da Antártica e da Groenlândia cujo degelo pode resultar em subidas rápidas do nível do mar no futuro”, considerou Martin Siegert.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km