Ninguém segura a telemedicina

Ninguém segura a telemedicina

O fenômeno do crescimento dos serviços de telemedicina está comprovado no desempenho de uma das principais empresas do setor, a TopMed. A demanda de novos clientes e o aumento por outros serviços cresceram exponencialmente na pandemia. Em quatro meses, a empresa realizou mais de 2 milhões de atendimentos na iniciativa privada, aumento de 700% se comparado ao mês de janeiro, antes de a doença chegar ao País. Em maio do ano passado, a empresa contabilizava 30 clientes e, agora, são mais de 80 empresas, como Localiza, Nestlé, Porto Seguro, Renner, Sanofi e Vale. “O atendimento a distância se consolidou dentro das empresas que entenderam, definitivamente, que a saúde dos profissionais é fundamental para destaque e relevância de qualquer marca”, disse a diretora Carla Roffmann. Segundo ela, até o final deste ano, o crescimento deve superar 300%.

(Nota publicada na edição 1191 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.