Artigos

Neymar, novo astro do Fortnite para integrar os eSports

Crédito: AFP/Arquivos

O esporte ocupa um grande espaço na vida de nossos jogadores, importante ter um representante esportivo no jogo, admite Nate Nanzer, diretor de parcerias globais da Epic Games (Crédito: AFP/Arquivos)

Depois de “contratar” no ano passado o rapper Travis Scott, o Fortnite continua o seu avanço no “mercado” com o astro do futebol Neymar: o jogo eletrônico de muito sucesso deseja multiplicar os acordos comerciais com o esporte em 2021-2022 para enriquecer seu universo além da “battle royale” – explica a desenvolvedora Epic Games à AFP.

Se a música e o cinema foram integrados em 2020, em plena pandemia, ao jogo de sobrevivência que atrai muitos adolescentes, chegou a vez de o esporte assumir o posto em 2021, um ano rico em eventos, que incluem a Eurocopa, a Copa América e os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Carrefour Brasil adquire Grupo BIG (ex-Walmart Brasil) por R$ 7,5 bilhões

“O esporte ocupa um grande espaço na vida dos nossos jogadores, é importante ter um representante esportivo no jogo”, justifica o diretor de parcerias globais da Epic Games, Nate Nanzer.

Para lançar o capítulo dois da temporada 6 de Fortnite, atualizado com novos universos, equipamentos e modos de jogo, a Epic Games dará a possibilidade a seus 350 milhões de jogadores de “desbloquear” a “skin” de Neymar e de atuar como o brasileiro.

“Da mesma maneira que no Fortnite você pode jogar como Batman, Deadpool, Homem de Ferro, ou outros super-heróis dos filmes, livros e televisão, agora será possível jogar com um dos melhores jogadores de futebol do mundo”, explicou Nanzer à AFP.

– “Jogo mundial” –

Para a Epic Games, o acordo com Neymar representa a escolha de uma grande estrela do esporte mundial para integrar o Fortnite.

Fã de jogos eletrônicos que transmite ao vivo na plataforma Twitch, Neymar é, sobretudo, “uma das personalidades mais acompanhadas no Instagram”, com quase de 150 milhões de seguidores, recorda Nanzer.

“O futebol é estrategicamente muito importante para nós, porque somos um jogo mundial com uma base enorme de jogadores no Brasil, na Europa, onde o futebol não é apenas um esporte, e sim um modo de vida”, completa.

Depois de assinar um acordo com a NFL (a Liga Profissional de Futebol Americano) no fim de 2018, Fortnite apostou no “soccer” no início de 2021 ao oferecer a seus jogadores a aquisição de “skins” com as cores de 23 clubes, incluindo Manchester City, Juventus, ou Milan.

“Para os nossos jogadores, se você é um grande fã de futebol, pode demonstrar seu apoio no Fortnite assim como na vida real, quando você anda na rua com um uniforme de Neymar do PSG”, destaca Nanzer.

Com a possibilidade de acesso gratuito em vários dispositivos (consoles, “smartphones”, PC), Fortnite gerou US$ 1,8 bilhão de receita em 2019, segundo a consultoria SuperData.

Seu modelo econômico que permite pequenas compras no jogo para ter acesso a conteúdos adicionais (o modelo “freemium”), tornou-se o dominante no mundo dos jogos eletrônicos.

A empresa rival Take-Two (editora de jogos como NBA 2K e GTA) acaba de assinar um contrato com Tiger Woods para desenvolver um simulador de golfe, mas a Epic Games afirma que não pretende, com Neymar, trocas armas por uma bola e transformar seu jogo em um simulador esportivo.

“Não é nossa intenção criar um jogo de simulação esportiva dentro do Fortnite”, garante Nate Nanzer.

Mas a contratação de estrelas esportivas para tornar o jogo mais atraente não chegou ao fim, garante o executivo da Epic Games: “Penso que certamente não acabamos apenas com Neymar”.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel