Giro

Netflix terá de incluir 20 canais estatais para continuar a operar na Rússia

Crédito: Pexels

Netflix deve lançar um filme original por fim de semana nas próximas semanas (Crédito: Pexels)



A Netflix está presente nos quatro cantos do mundo, levando a milhões e milhões de pessoas conteúdo ficcional e não só. Porém, se no Brasil, por exemplo, o acesso a esse mesmo conteúdo não é um problema, nem o seu teor, o mesmo não se pode dizer de países como a Rússia. A partir de Março, a plataforma de streaming terá de incluir no catálogo 20 canais televisivos estatais, entre os quais o Channel One, o de entretenimento NTV e um dedicado à Igreja Ortodoxa Russa chamado Spas (que se traduz para “Salvos”). Isto se quiser continuar a operar no país.

No dia 28 de Dezembro, o Serviço Federal de Supervisão de Comunicações, Tecnologia da Informação e Meios de Comunicação de Massa, ou Roskomnadzor, a entidade responsável pela censura na Rússia, classificou a Netflix como “serviço audiovisual”. Esta é uma classificação atribuída a empresas de serviços de streaming online com mais de 100 mil utilizadores diários e que, por isso, têm de cumprir a lei do país, além de terem de se registar como companhias russas.

As normas que a Netflix terá de seguir incluem ainda a proibição da promoção de “extremismos”, medida relacionada com o impedimento de circulação de informação sobre o opositor do regime russo Alexei Navalny. Segundo avança o The Moscow Times, também é necessária a identificação de conteúdos LGBTQ.

Em Setembro do ano passado, também as gigantes tecnológicas Google e Apple foram obrigadas a retirar conteúdos relacionados com Navalny e com aqueles a ele associado. Depois de as empresas não o terem feito, no final de Dezembro o regime russo multou-as em 125 milhões de dólares, acusando-as de falharem repetidamente na eliminação de conteúdo decretado “ilegal”.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia